Ore Pela Deficiência, Não Pelo Preenchimento

laitman_963.1Todo o universo é uma falta de realização, o desejo de desfrutar, crescer e realizar-se. Este desejo funciona instintivamente em toda a criação: na matéria inanimada, plantas, animais e seres humanos; portanto, eles estão buscando, desejando e lutando uns com os outros pela sobrevivência. Essa é a tendência de todo ser criado.

O Criador está se aproximando do ser criado e este começa a sentir algum tipo de desconforto, sem entender de onde vem. O ser criado não sabe exatamente o que está faltando, mas começa a buscar a realização. O Criador inicia a aproximação aproximando-se do ser criado, e o ser criado sofre com isso, quer eliminar esse sofrimento e, portanto, busca a realização. Isso é o que acontece na vida cotidiana.

No entanto, há pessoas que são capazes de avançar para a meta por meio da aceleração do tempo (Achishena). Elas mesmas tomam o processo de seu desenvolvimento em suas próprias mãos, despertando gradualmente uma sensação de deficiência em si mesmas. Depois de muitas subidas e descidas, movendo-se mais longe ou mais perto do Criador, elas percebem exatamente o que fazer. Sua vida, então, se torna mais voltada para o propósito. Elas entendem o que está acontecendo e como agir, como se tornarem parceiras do Criador.

O Criador não as avança mais instintivamente como todos os outros seres criados que não compreendem o que estão fazendo, mas simplesmente reagem de um modo predeterminado à influência do Criador de acordo com o instinto inerente a eles. Nós vemos esse comportamento em toda a natureza. Embora uma pessoa tenha mais complexidade que outra, não há nada de especial nela que a torne uma criatura independente. O Criador, a força da natureza, age em tudo.

Se as pessoas aspiram a descobrir qual meta devem alcançar e por quais meios, elas podem acelerar seu desenvolvimento, despertando em si mesmas um desejo de sentir a falta e sua realização. Com a ajuda dessas duas forças, elas podem andar, como em duas pernas, e acelerar significativamente seu caminho.

Elas entendem para onde estão indo e com quem estão lidando e, portanto, o caminho se torna mais claro, mais emocional e consciente para elas. Elas descobrem as forças agindo sobre elas e entendem o sistema no qual existem, isto é, revelam o mundo superior. Tudo depende da nossa atitude em relação aos estados pelos quais passamos e das forças que nos governam.1

Você pode esperar até sentir o sofrimento ou procurar a deficiência antes mesmo de começar a sentir. Se eu quiser eliminar o problema que já foi revelado, é uma reação natural. A verdadeira deficiência não é aquela que é revelada por si mesma, mas a que eu desperto sozinho, querendo descobrir isso em mim. Isso significa que eu mesmo desperto a escuridão que precede o amanhecer.2

O mal pode ter muitas formas. Talvez eu esteja de mau humor, e isso é mal. Ou me desiludi com o caminho espiritual e não entendo no que estou desperdiçando minha vida – isso também é mal. O Criador não se revela para mim, os amigos não me ajudam e se esquecem de mim – também mal. Então descubro que todo o mal está dentro de mim. Mas o Criador me criou assim.

Uma pessoa decide por si mesma o que considerar como mal. Você deve ser muito sensível a que tipo de mal você sente; afinal de contas, o avanço está precisamente nisto: quantos tipos de mal posso distinguir e começar a examinar.

Ou eu revelo o mal por mim mesmo ou o Criador o revela para mim. O importante é o que é considerado mal. Se o Criador, a força de doação e amor, se aproxima de mim, um egoísta, sinto-me mal. Afinal, essa força é oposta a mim e sua aproximação me traz sofrimento.

O Criador não é revelado ao meu desejo de receber como a força do amor. Este amor está acima do meu egoísmo, acima da razão, e se o Criador se aproximasse abertamente de nós agora, seria muito desagradável para nós. A força de doação seria revelada, a qual não pertencemos de forma alguma. Pedir que essa força me preencha completamente é pior que a morte para o meu egoísmo. Portanto, estamos prontos para aceitar qualquer estado, mas não a força de doação.

Devemos pedir unidade, conexão com os outros e orar pelo Kli comum, não pelo seu preenchimento. Se a nossa conexão for revelada, seremos capazes de tolerar a força de doação dentro dela.3

Talvez eu tenha medo de revelar até que ponto sou oposto ao desejo de doar. Portanto, inconscientemente, instintivamente, eu me protejo, não me deixando aproximar dele. Eu acho algum tipo de órbita externa que me permite manter o equilíbrio: eu participo um pouco no grupo, mas realmente não participo disso, eu não vou além das minhas habilidades.

Aqui surge a pergunta: o grupo pode me empurrar, me puxar para perto, então eu sentiria que não há saída e que deveria pedir força aos amigos para me ajudar a ser incluído no grupo acima da minha natureza. Isso é o que significa despertar a escuridão antes do amanhecer: apesar da escuridão, da rejeição, do medo, da falta de vontade e da confusão, ir em direção à conexão e seguir em frente.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabala, 11/07/19, Oração
1 Minuto 0:20
2 Minuto 24:30
3 Minuto 38:15

Comente