O Desafio Etíope Na Sociedade Israelense

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 04/07/19

Podem parecer cenas tiradas de grandes cidades americanas como Chicago ou Los Angeles, onde tensões raciais entre uma minoria negra e a polícia às vezes explodem, mas neste caso, os protestos e tumultos estão ocorrendo em Israel depois que um adolescente etíope desarmado, Solomon Tekah, foi fatalmente baleado por um policial de folga. O tiroteio e a agitação social que se seguiu abriram uma nova fissura na já quebrada sociedade israelense. Isso revela a profunda separação nos dividindo e colocando Israel em risco. No entanto, esta erupção dolorosa também oferece uma oportunidade para mudar as coisas para o bem através da educação, a única solução abrangente possível para esta crise.

A imigração de judeus etíopes para Israel começou em 1950 através dos esforços da Agência Judaica. Duas imensas ondas adicionais de imigração se seguiram, Operações Moisés e Salomão em 1980 e 1990, respectivamente. Desde a sua chegada, os judeus de origem etíope em Israel são cerca de 150.000 pessoas. Quase a metade agora faz parte de uma nova geração já nascida neste país, e ainda assim suas condições de vida são muito menos favoráveis ​​do que a média da população israelense em termos de padrão de vida, educação e oportunidades de emprego.

Como imigrante, a minha aclimatação à vida de Israel foi relativamente fácil e conveniente em comparação, assim como a da maioria dos imigrantes da antiga União Soviética. Mas não pode haver uma comparação entre a imigração da Rússia e a imigração da Etiópia, uma vez que as culturas são muito diferentes. Na década de 1970, lembro-me vivamente de como fiquei emocionado ao testemunhar a chegada de judeus etíopes em proporções tão enormes. Para mim, pareceu significar um pouco o fim do exílio do povo de Israel da terra de Israel, com a qual nossos antepassados ​​sonhavam.

Infelizmente, os membros da comunidade etíope não descobriram em Israel condições adequadas à sua mentalidade e cultura. Apesar dos esforços que foram feitos nos últimos anos para integrá-los completamente na sociedade israelense, ainda há muito trabalho a ser feito. A ferida dolorosa de se sentir marginalizado não parou de sangrar desde o início e nenhum tratamento temporário curará a doença hoje. Por outro lado, uma solução educacional abrangente para esse problema é necessária como um importante precedente para completar a cura da divisão geral na sociedade israelense e a fragmentação que nos destrói diariamente.

Este último é o papel principal de toda a comunidade judaica: exortar Israel a desenvolver uma atitude correta em relação à sua situação, reconhecer os impulsos divisórios dentro de nós que nos impedem, que nos fazem conectar a estigmas e nacionalidades em vez de transcendê-los com valores de unificação acima das diferenças. O que a comunidade etíope pode revelar para todos nós é o quanto vivemos negando a discriminação e a verdadeira extensão do conflito e da separação entre o povo judeu.

Aumentar a consciência de quão realmente estamos divididos deve, em última análise, nos fazer querer buscar uma solução: a educação de valores que nos reconstruirão como uma sociedade unificada acima de nossas diferenças, “como um homem com um coração”. Não precisamos mais do que estar cientes da divisão que atropela nossa unidade. O cerne do debate atual deve, portanto, ser a realização de nossa divisão, o quanto ela nos fere e a necessidade de nos unirmos acima dela.

Enquanto as relações entre nós permanecerem distantes e houver um atrito considerável entre os grupos e os setores étnicos, os etíopes devem continuar a se organizar, unir mais e continuar lutando por seus direitos.

Violência e desordem estão fora de questão. Entretanto, dentro da estrutura da lei, qualquer atividade pública com a qual eles persistirem acabará perdendo. Como primeiro passo para prevenir o tratamento injusto e restaurar a segurança, há espaço para consolidação interna. No entanto, este é apenas um trampolim, a fim de avançar para a criação de uma sociedade mais estável e pacífica, com base no princípio do “Ame o próximo como a si mesmo”.

Comente