Se Vem Do Criador, Eu Não Preciso De Mais Nada

laitman_962.5Quando uma pessoa começa a estudar Cabalá, é como se ela pulasse no mar e, a princípio, não distinguisse as definições profundas e sutis. Uma pessoa é como um bebê recém-nascido que nos primeiros dias não entende nada, não vê e não ouve. Mais importante, ela está firmemente ligada ao seu desejo de receber, ao seu egoísmo. O primeiro estágio do trabalho espiritual consiste em afastar-se desse egoísmo, afastando-se dele e olhando-o de fora.

Leva anos de trabalho para que a luz que reforma faça seu trabalho em uma pessoa e a mude. A primeira mudança é que começamos a ouvir sobre o que os Cabalistas estão falando.

Para entrar na espiritualidade, a pessoa deve tornar-se um zero absoluto, isto é, do seu desejo de receber, de suas aspirações e expectativas por algo para mudar a si mesma. Isto é, eu concordo com tudo o que recebo e anulo completamente qualquer crítica.

Tudo o que acontece vem do Criador e, sem dúvida, é o melhor para mim. Portanto, eu não penso em nada: o Criador age apenas para o meu benefício. Isso limita minha atitude em relação à vida corpórea.

Com relação à espiritualidade, eu também obtenho o melhor em tudo. Mas não tenho nada?! Isso é ótimo, é o melhor porque eu recebo isso do Criador, que é bom e faz o bem! A pessoa chega a essa decisão, aceitando seu estado corpóreo como o ideal sem precisar de acréscimos, aniquilando-se completamente. A única coisa que peço na corporeidade e na espiritualidade é que o Criador me organize de acordo com a Sua vontade e me ajude a concordar com isso completamente.

O primeiro grau espiritual é a capacidade de se aderir completamente ao Criador, dia e noite, na luz e na escuridão, na tristeza e na alegria, não importa o que esteja acontecendo. Se eu atingir dois desses zeros: na corporeidade e na espiritualidade, entro no mundo espiritual, os degraus da escada.

Esta é a subida entre os dois estados: de baixo – razão, e de cima – fé acima da razão.

Tudo vem do Criador que sabe o que preciso. Meu trabalho é apenas aceitar isso completamente. Isso certamente não significa que eu me esqueça das exigências corpóreas: preciso cuidar da minha família e da minha saúde. No entanto, qualquer que seja o meu estado interior – na escuridão e no desespero, no caos e no mal-entendido, na confusão e no torpor dos sentimentos, eu concordo com isso como enviado pelo Criador e estou pronto para permanecer nele para sempre.

Eu deveria pedir para mudar não meu estado, mas minha atitude para com este estado. Isto é, eu quero concordar completamente com isso e não exigir mais nada. Se vem do Criador, não preciso de mais nada.

Eu não tenho nada, nem agora, nem no futuro; há escuridão completa, o mundo ficou escuro. Tudo em que me apego é o fato de que esse estado é intencionalmente enviado pelo Criador, o “bom que faz o bem” e, portanto, não espero nenhuma mudança. Eu não exijo o desaparecimento da escuridão e minha recepção da realização e compreensão; eu estou preparado para permanecer no estado atual o quanto for necessário.

É assim que eu crio meu grau de Keter, o Kli de doação. O menor grau do superior é Malchut, que não tem nada nele. Se eu aceito com alegria este reino do superior (Malchut) na forma que é revelado: escuridão e desesperança, tanto no presente quanto no futuro, além do tempo, este se torna o meu grau de Keter, o melhor Kli de doação que brilha sobre mim e me permite continuar o caminho.

Em todos os graus, até o final da correção, devemos constantemente nos anular a zero em nosso nível e então, de cima, receberemos graus superiores. Esta é a entrada para o mundo espiritual e o primeiro contato do inferior com o superior. O superior se torna meu primeiro estado espiritual.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 01/06/19, O Zero Absoluto

Comente