De Baixo Para Cima

laitman_963.1A descida dos mundos constrói os degraus da escada que transportam a luz e os desejos de cima para baixo, correspondendo um ao outro em cada nível. Isto é, as condições certas são dadas para a conexão da luz e do vaso em todos os estados, de cima para baixo.

Quando esta descida alcança a parte inferior da escada, ocorre uma quebra e produz a interinclusão dessas duas forças: o desejo de desfrutar e o desejo de doar. Isso cria a possibilidade da inclusão correta entre si, não mais em uma forma negativa e egoísta em que uma centelha de luz rompe o desejo de receber.

Hoje, através dos esforços e do trabalho em um grupo de dez, a pessoa pode atrair a luz que irá destacar a centelha colocada dentro do desejo egoísta e começar a desenvolver tanto o desejo quanto a centelha dentro de si mesma. Assim, o desenvolvimento ocorre mesmo no nível corporal, porque despertamos a luz precisamente devido à quebra e começamos a trabalhar na conexão.

Como resultado da descida, a luz e o desejo quase chegam a zero. E no final da escada ocorre a quebra, após a qual a criação pode começar a subir os mesmos degraus. Somente devido à quebra, a luz pode penetrar no desejo, e o desejo começa a entender e sentir o que significa ser semelhante à luz e, consequentemente, exige a intenção de doar.

Adam HaRishon é considerado o primeiro homem porque o fundamento da criação aparece primeiro nele, e não estava lá antes. A criação tem que ser independente. Antes da quebra, Adam HaRishon era um anjo e foi chamado de “homem” apenas para o futuro. Mas após a quebra, ele está pronto para a correção, recebendo o desejo de desfrutar e o desejo de doar mutuamente incluídos um no outro.

Então, com a ajuda da luz, a pessoa pode começar a esclarecer o desejo de desfrutar, e a centelha dentro assume gradualmente a forma de um homem, Adão, isto é, semelhante ao Criador. Desejando tornar-se como o Criador, o desejo de desfrutar se restringe e constrói uma tela, a luz refletida. Por causa da centelha, o desejo atrai a luz que reforma se veste na intenção de doar. Mas antes disso, ele deve sentir ódio, rejeição e só depois chegará à unidade e ao amor.

Até o nível humano, no qual a criação se torna independente, ele não está separado da luz. Todos os outros níveis: inanimado, vegetativo, animado e até mesmo uma pessoa que ainda não alcançou a consciência, apenas cumprem as instruções da luz sem nenhum livre arbítrio. Portanto, não há recompensa ou castigo na vida corpórea neste mundo por nada.

Após a descida dos mundos de cima para baixo até este mundo e a quebra de Adam HaRishon, a matéria começou a se desenvolver automaticamente, devido à luz que reforma, nos níveis inanimado, vegetativo e animado. Mas quando a criação atinge o quarto e último estágio do nível animado, é a sua vez de despertar a centelha colocada nela, e assim, o “homo loquens” (homem falante) aparece em nosso mundo, isto é, aqueles em quem há um ponto no coração.

Tal pessoa começa a sentir que há uma certa força que a controla, e ela se pergunta sobre o sentido da vida. Ela quer se tornar semelhante ao Criador, mas encontra apenas ódio e rejeição em si mesma ao invés de unidade e amor. Portanto, ela percebe que é preciso uma dezena e a luz que reforma e começa a agir. Sem a consciência do mal, é impossível chegar ao bem.1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 30/05/19, Escritos de Baal HaSulam, “Prefácio à Sabedoria da Cabalá”, Itens 12 a 17
1 Minuto 28:30

Comente