BDS (Boicote, Desinvestimento, Sanções)

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 16/06/19

“Todos nós rejeitamos a alegação enganosa de que o BDS, como tal, é antissemita e sustentam que boicotes são uma ferramenta legítima e não violenta de resistência”. 240 acadêmicos israelenses e judeus assinaram uma carta aberta pedindo ao governo alemão que rescindisse o projeto de lei que o movimento de boicote é antissemita.

Em uma carta publicada no site do BDS, eles também pedem ao governo alemão “que mantenha o financiamento direto e indireto de ONGs israelenses e palestinas, que desafiam a ocupação israelense”.

Mas o que faz com que judeus cultos e racionais ​​que vivem em Israel expressem profunda solidariedade com organizações que deslegitimam e mancham seu país? Como eles imaginam o futuro?

É um fato bem conhecido que em todas as organizações internacionais, especialmente aquelas que trabalham contra o povo judeu e o Estado de Israel, como o BDS, há trabalhadores judeus e ex-israelenses.

De fato, eles são os maiores antissemitas. Este é o modo deles de evitar sua verdadeira missão e se desassociar de suas raízes espirituais. Alguns até acreditam que, se forem assimilados, se livrarão do “gene judeu” que está embutido neles.

No entanto, de acordo com a Cabalá, isso é impossível. Judeus permanecerão para sempre judeus. Eles carregam uma raiz espiritual que está além de sua biologia.

Quando um judeu sente o ódio crescente a esta situação incontrolável, que lhe impede a liberdade de escolher quem ele é, ele desenvolve o ódio para com a essência do ser judeu. Um ódio que ele nem consegue explicar para si mesmo, mas é forte o suficiente para motivá-lo a agir agressivamente contra o povo judeu.

Portanto, alguns deles sentem-se privados e estressados ​​pelo antissemitismo – ou melhor, pelo anti-israelismo – e, para escapar do ódio contra eles, vivem em vários países do mundo, tentando esconder sua identidade judaica.

Conscientemente ou não, eles gradualmente se tornam odiadores de judeus. E há outros que, em vez de deixarem Israel, continuam a ganhar a vida, estudam e lecionam em Israel; ainda em seus corações sentem rejeição a este lugar. Eles são aqueles que assinariam uma carta de apoio a uma organização antissemita de seu escritório com ar condicionado, atrás dos muros de uma instituição acadêmica israelense.

Cada pessoa pode se expressar como bem entender, mas não contra a destruição do outro. A liberdade de expressão deve ser dada a qualquer um que peça paz – mas não por meios de negação e aniquilação. Certamente não através de mensagens antissemitas – nós tivemos nosso preenchimento delas.

Se os acadêmicos estão preocupados com o destino do Estado de Israel, então fariam bem em abrir os livros de história e as fontes autênticas do povo judeu e investigar o papel do povo judeu do passado ao presente. Resumindo: o papel dos judeus é ser “uma luz para as nações”. Os judeus carregam o método de conectar toda a humanidade, mas não têm consciência de seu papel ou do peso de sua responsabilidade para com o mundo.

Quando os judeus se unirem e espalharem o sistema de conexão humana para o mundo, o antissemitismo se dissipará e todos os boicotes, manifestações e acusações contra os judeus diminuirão. A mensagem é simples: em vez de unir as mãos para assinar declarações, precisamos unir nossos corações e sermos um só.

Comente