Veja De Quem Você Segue Ordens

laitman_962.1Está escrito que o Criador endurece o coração do Faraó, isto é, o desejo egoísta de desfrutar. É necessário isolá-lo e aumentá-lo para que se torne óbvio quem é seu inimigo no seu caminho para o Criador, identificá-lo, e então transformá-lo do Faraó mau para o Criador bom, e assim alcançar a adesão com a força superior.

Não há servo mais fiel ao Criador do que o Faraó que é convocado para nos levar ao Criador, para que possamos distinguir entre luz e escuridão, doação e recepção, doce e amargo. Com a ajuda do Faraó, aprendemos a alcançar as qualidades do Criador. Em última análise, o Criador endurece o coração do Faraó, isto é, Ele está por trás de tudo, até mesmo dos eventos que são mais desagradáveis ​​para nós. “Não há outro além Dele” em toda a realidade.

Se somos capazes de aceitar que todas as forças da natureza, todos os seres humanos, todas as ações hostis e todos os pensamentos vêm do Criador e queremos vir a amá-Lo, então transformamos todos esses meios adversos em ajuda.

Nós só podemos discernir qualquer qualidade através do contraste de opostos, não por si só. Somos seres criados e devemos sentir a nós mesmos e ao Criador. A lacuna entre essas duas sensações nos dá a sensação de realidade.

Quanto mais diferimos do Criador, mais profundo e mais precisamente podemos revelá-Lo, em um nível mais interno. Portanto, é dito que quanto maior uma pessoa, maior é seu egoísmo. Quanto mais avançamos, mais perturbações sérias encontramos e, ao mesmo tempo, a colisão de opostos nos ajuda a chegar à conclusão de que “não há outro além Dele”.

Todo o nosso trabalho está em estabelecer a singularidade da força superior, nada além disso existe. O mundo inteiro é composto de perturbações da força que se opõe ao Criador, chamado “o Faraó”. Sob toda essa confusão criada pelo Faraó, podemos estabelecer que foi enviado pelo Criador. Então todas as perturbações ficam envolvidas em “Não há outro além Dele”, e podemos examinar este princípio com mais precisão em todos os seus detalhes, construindo a imagem do Criador através da imagem do Faraó.

Não temos como nos aproximar do Criador que não tem imagem. No entanto, são os distúrbios que constroem a imagem do Criador na forma inversa para nós.1

O Faraó nos confunde durante toda a nossa vida até o dia em que morremos, obrigando-nos a pensar que nosso dever é servir ao egoísmo. Nós não somos nem mesmo escravos, mas trabalhadores voluntários, do Faraó, prontos para cumprir todas as ordens da nossa natureza para receber prazeres em troca, ou pelo menos para evitar o sofrimento. No entanto, se o Criador quer trazer uma pessoa para mais perto Dele, ele endurece seu coração, mostrando-lhe que ela está trabalhando para a força do mal, para o Faraó, que não se importa com o bem-estar de uma pessoa, mas a engana ao longo da vida para finalmente enterrá-la no chão. O Faraó gosta do fato de estarmos seguindo suas ordens.

Afterward, we chase “none else besides Him,” looking not at Pharaoh himself, but trying to see the Creator through him. Let Pharaoh play any role before me, the main thing is that he helps me reveal various forms of the Creator’s attitude toward me.

No entanto, a força do bem está se escondendo atrás da força do mal e quer nos ensinar a vantagem da luz sobre as trevas, mostrando-nos através desses opostos que existe algo acima da nossa natureza. Tudo isso é para que nós, através de nossos desejos e esforços, descubramos essa realidade superior, o mundo espiritual, por nós mesmos, e passemos a reconhecer a força superior que está acima do Faraó. É assim que revelamos a forma oposta do Faraó: o Criador.

Depois, nós perseguimos “não há outro além Dele”, não olhando para o próprio Faraó, mas tentando ver o Criador através dele. Deixe o Faraó desempenhar qualquer papel antes de mim, o principal é que ele me ajuda a revelar várias formas da atitude do Criador em relação a mim.

O Criador é um bem permanente, incondicional e invariável que não posso ver. A luz superior até agora preenche toda a realidade, mas quem a vê? O Faraó me dá um negativo transparente através do qual olho para a luz e vejo todos os tipos de imagens. Eu não serei capaz de entender e distinguir nada no Criador se não for pelo Faraó.

Quanto mais cruel o Faraó se torna, mais contrastantes são os detalhes que podemos revelar no Criador. Sem Faraó não há Criador; portanto, o Criador inicialmente criou a inclinação ao mal. Quando olhamos para o Criador através da nossa inclinação ao mal, podemos ver todos os tipos de formas, de relacionamentos, ações e intenções, e com a ajuda do Faraó, aprendemos a nos tornar semelhantes ao Criador.2

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 24/04/19, Pessach (Páscoa)
1 Minuto 0:20
2 Minuto 28:36

Comente