Matza: Para Escapar

laitman_962.7O feriado de Pessach está à frente de todos os feriados e de todos os tempos no processo espiritual, pois simboliza a saída do desejo de desfrutar para o desejo de doar ou, mais precisamente, do desejo de receber para si mesmo para o desejo de receber em prol da doação. É por isso que Pessach é tão importante; afinal, é a entrada para o mundo espiritual, para a sensação e compreensão da espiritualidade.

Antes disso, uma pessoa passa por muitos estados, partindo de sua natureza original quando está dentro do desejo de desfrutar e nem percebe isso. Depois, ela começa a se perguntar por que vive. Isto é, uma simples existência animalesca não a satisfaz e ela quer entender o sentido da vida, sua fonte, sua causa e propósito. Um animal não faz essas perguntas; este é o começo do nascimento de um humano.

Entrar na espiritualidade começa com o fato de que uma pessoa sente repentinamente que não consegue mais pensar em si mesma e quer realizar ações fora de seu egoísmo. Pessach simboliza a entrada em um novo mundo, o começo de um novo estado, Lishma, o começo da doação, a fé, adquirindo-se a propriedade de Bina, de acordo com a qual começamos a trabalhar.1

Somente quando uma pessoa sente e compreende que é incapaz de agir em prol da doação, ela pode ser considerada no exílio. É um exílio da propriedade de doação, que ela quer adquirir e não pode. Só isso mede a extensão e a gravidade do exílio.2

A humanidade é dividida em três partes. A primeira parte é aquela em que um ponto no coração já se manifestou e leva a pessoa à Cabalá ou a faz procurá-la. A outra parte ainda não entende porque tudo isso é necessário. A terceira parte luta exclusivamente pela realização corpórea, sem tocar na intenção, para manter a intenção para si mesma. Com base nisso, a humanidade pode ser dividida em muitos grupos, nações e todos os tipos de correntes.3

O egípcio dentro de mim me convence de que o principal é realizar as ações que a Torá exige de nós sem prestar atenção à intenção, isto é, os mandamentos exclusivamente corporais. Se eu não perguntar sobre os resultados do meu trabalho, isso significa que sou um egípcio, que trabalho de acordo com o egípcio dentro de mim. Se eu começar a cuidar da intenção, então me encontro no Egito como um escravo, no exílio do mundo espiritual.

Existe uma realidade espiritual na qual tudo é em prol da doação, mas eu existo no meu egoísmo. O quanto ele me incomoda, mais ou menos, determina o meu lugar no processo espiritual até chegar ao estado em que tal vida se torna pior do que a morte para mim e eu sinto que tenho de sair da intenção egoísta. Isso significa que já estou à beira da libertação, na saída do exílio egípcio.

Meus egípcios internos estão me segurando e me convencendo de que devo continuar como antes e tudo ficará bem: o principal é a ação e que a intenção não importa. Se eu concordar com isso, me transformo em um egípcio. Mas se a luta interna pela intenção surge em mim, então vejo que estou sob o poder dos egípcios e desejo sair dessa escravidão. Eu percebo que o principal não é a ação, mas a intenção, e devo me livrar da intenção para mim mesmo. Isso significa que preciso da luz que reforma para fugir do Egito.

Eu estou pronto para qualquer coisa, apenas para não permanecer na intenção egoísta. Eu não preciso de nada além da capacidade de executar essa ação. Eu já me afastei da intenção para mim mesmo, mas ainda não alcancei a intenção de doação. Eu ainda não sei o que é doação e a quem doar, mas já estou na saída.4

A mudança de um egípcio para Israel significa que não tenho mais forças para realizar uma ação. Não quero realizá-la em prol do ego, mas ainda não sei como realizá-la em prol da doação; portanto, não sei o que fazer. Esta é a saída do Egito, na escuridão total, quando não sabemos o que fazer. Então a salvação vem.5

Está escrito que os egípcios trabalham com tijolos brancos sem uma única partícula ou sujeira. Se eu egoisticamente adicionar tijolo após tijolo ao meu trabalho todos os dias, eu construo um belo edifício branco como a neve, sem qualquer sujeira ou sombra de dúvida, sentindo-me completamente santo. Os egípcios no Egito não podem experimentar qualquer consciência do mal porque tomam um exemplo do que o mundo inteiro está fazendo; o que mais uma pessoa precisa?

Estes são sete anos de saciedade – quando uma pessoa se junta ao trabalho dos egípcios e se assegura do seu sucesso. Ela nem percebe que está agindo egoisticamente. Tal consciência já é o resultado do impacto da luz que reforma que constantemente se ilumina em pequenas porções, promovendo-a gradualmente. “Muitos centavos se juntam em grande soma”.6

Se não há força para trabalhar, só resta uma coisa: uma oração. Apelar ao Criador resolve todos os problemas. Afinal, o propósito de tudo o que acontece conosco é nos obrigar a entrar em contato com o Criador. No Egito, nós adquirimos todos os tipos de meios e métodos de conexão com o Criador. Precisamos encontrar a solução para todas as dificuldades que o Egito coloca diante de nós através de uma nova conexão com o Criador.7

A gravidade do trabalho depende apenas da intenção. Se a intenção for em prol do Criador, em prol da doação, você voa como com asas, sem sentir qualquer peso no trabalho, como se tivesse deixado o campo de gravidade da Terra e voasse no espaço. Se o trabalho é difícil para você, então você está carregando a mala errada e não está visando o Criador.8

Nós recebemos a influência do Criador através de toda a alma quebrada de Adam HaRishon. O Criador percebe apenas a alma inteira em conjunto. Enquanto isso, eu posso ter uma conexão inicial, pessoal e muito limitada com o Criador, mas que ainda me alcança através da alma comum.

“… A Luz superior está em completo repouso”, isto é, preenche o Kli comum. Mas eu alcanço uma conexão com o Criador na medida da minha conexão com a alma comum. Suponha que eu tenha me conectado com um dos vinte bilhões, até o ponto em que obtenho um contato que sempre passa pela conexão comum. O Criador está dentro de todos os seres criados em uma forma perfeita porque todos já alcançaram o fim da correção, e eu me conecto com este estado. 9

Qual é a diferença entre Matza e pão? Matza é também pão, só o pão da pobreza, feito exclusivamente de farinha e água. Até mesmo a água está em quantidades limitadas. Você não pode fazer pão sem água e, portanto, a água é adicionada em quantidade mínima, apenas para amassar a massa e não deixá-la azeda. Este é um sinal de que ainda não podemos trabalhar com nossos desejos em prol da doação, mas não queremos mais trabalhar para receber. Isto é, é uma espécie de estado intermediário: nem aqui nem ali. Matza simboliza o preenchimento para escapar.10

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 21/04/19, Escritos do Rabash, vol. 1, Artigo 14, “A Conexão Entre Pessach, Matza E Maror” (1987)
1 Minuto 0:10
2 Minuto 2:00
3 Minuto 23:00
4 Minuto 38:40
5 Minuto 51:30
6 Minuto 53:30
7 Minuto 1:01:25
8 Minuto 1:50:40
9 Minuto 1:55:50
10 Minuto 2:03:00

Comente