Textos arquivados em ''

“Nazismo Sionista? Lições Aprendidas Para Evitar Um Novo Holocausto ”(The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Nazismo Sionista? Lições Aprendidas Para Evitar Um Novo Holocausto

Uma vez tabu e considerado vergonhoso, o véu sobre o antissemitismo foi levantado no mundo de hoje. O ódio para com os judeus agora se manifesta abertamente através da mídia, política dominante e atos extremamente violentos nas ruas e locais de culto. Ataques contra judeus duplicaram nos EUA, de acordo com grupos de vigilância americanos, enquanto europeus relatam um aumento de 70% em incidentes antissemitas somente na Alemanha. Essas estatísticas são um forte alerta para os judeus agirem para impedir um novo Holocausto. Precisamos tomar nosso destino em nossas próprias mãos unindo e implementando nosso papel como “uma luz para as nações” contra a crescente escuridão revelada entre as pessoas do mundo.

Agora é uma conjuntura crucial para examinarmos e aprendermos lições da história. Não devemos perder os sinais de uma catástrofe que se aproxima em um mundo onde não há para onde fugir. Você conhece a história do apoio inicial da Alemanha nazista ao sionismo? Há lições importantes para tirarmos desse ponto de equilíbrio histórico no tempo em que ainda era possível salvar os judeus da Alemanha da aniquilação.

Em 1933, quando o partido nazista chegou ao poder, cerca de dois meses depois da nomeação de Hitler como chanceler do Reich alemão, Leopold von Mildenstein chefiou a seção judaica do serviço de segurança do Partido Nazista. Sua tarefa era encontrar uma solução para a questão judaica, e o barão Mildenstein considerou a ideia sionista de que os judeus retornariam à sua pátria histórica na terra de Israel como a melhor solução. Ele concentrou seus esforços na tentativa de fortalecer os corpos sionistas na Alemanha e enfraquecer os que pediam a assimilação judaica na Alemanha. Em retrospecto, sua missão era na verdade salvar o judaísmo alemão.

A fim de promover a ideia de enviar judeus alemães para a Palestina Britânica, transformando a Alemanha em um Judenrein (uma área da qual os judeus são excluídos), o Dr. Kurt Tuchler, jurista e juiz judeu-alemão que atuou como sionista, representante do movimento na Alemanha, convidou Mildenstein para visitar a Palestina. A ideia era que ele escrevesse suas impressões sobre a visita à terra sionista emergente e apresentasse-as na imprensa alemã como um destino atraente para os judeus, encorajando os judeus a se mudarem para a então Palestina.

Na primavera de 1933, Mildenstein e Tuchler viajaram com suas esposas para uma visita de um mês ao Mandato Britânico da Palestina. A visita foi um sucesso de mídia que foi estendido para seis meses durante os quais uma série de artigos lisonjeiros chamados “Viagens Nazistas à Palestina” foram enviados e publicados no jornal nazista Der Angriff, editado por Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista.

Mildenstein percorreu a pátria judaica, misturou-se com os pioneiros e colonos e escreveu com simpatia sobre suas conquistas em criar, segundo ele, um novo tipo de judeu. Ele descreveu de forma brilhante os judeus arando a terra, secando pântanos, cumprindo o sonho sionista e elogiando o sionismo como um movimento que beneficia grandemente os judeus.

Seguindo esta atividade pró-sionista alemã, e como uma lembrança da cooperação entre o Partido Nazista e a Associação Sionista Alemã, o jornal emitiu uma moeda com uma Estrela de Davi de um lado e uma suástica do outro, com a legenda “Um Nazista Viaja à Palestina”. Estas moedas de edição limitada foram dadas como presentes para novos assinantes do jornal nazista.

Por mais difícil que seja entender hoje, no início do período nazista na Alemanha, muito antes de qualquer um imaginar os horrores do Terceiro Reich, os alemães tentaram ajudar a trazer os judeus para Israel, oferecendo inclusive apoio financeiro. Eles construíram uma organização econômica especial projetada para ajudar os judeus alemães a imigrar sem perder um centavo, de modo que eles teriam todos os seus ativos financeiros aqui em Israel, assim como na Alemanha.

Após seu retorno à Alemanha, Mildenstein continuou suas atividades em apoio ao movimento sionista e até participou do 19º Congresso Sionista como representante oficial do Reich. Ele recrutou Adolf Eichmann para o esforço e, em 1937, enviou-o à Palestina para determinar se estava apta a absorver os judeus. Mas apesar de todos os esforços de apoio nazistas, os judeus da Alemanha vieram para Israel em números muito pequenos. A maioria não queria ir e Mildenstein falhou em sua missão.

Como resultado do fracasso do projeto, Mildenstein foi transferido de seu posto. Dois anos depois, foi nomeado deputado por Adolf Eichmann, que instituiu uma política completamente oposta que levou à implementação real da Solução Final para exterminar os judeus durante o período do Holocausto e da Segunda Guerra Mundial.

Todos nós conhecemos o trágico fim da história dos judeus sob os nazistas, mas ainda podemos usar suas amargas lições para evitar a nuvem cinza antissemita que ameaça os judeus mais uma vez de se aproximar de nós. A situação dos judeus em todo o mundo hoje é pouco diferente da dos judeus na época em que o Reich tentou apoiar a construção de Israel. Por um lado, Trump e os Estados Unidos apoiam ostensivamente os interesses israelense-judaicos, enquanto, por outro lado, o antissemitismo é desenfreado em quase todas as regiões do mundo.

Os possíveis cenários futuros são dois: ou Trump, “Mildenstein de hoje”, pode perder seu emprego e começar uma severa deterioração que levaria a algo semelhante ou pior do que o ocorrido na década de 1940 na Europa; ou o povo de Israel recuperará os seus sentidos e aproveitará o período de graça que estão sendo dados para começar a realizar seu papel histórico em relação ao mundo: estabelecer uma sociedade exemplar que opera em unidade e responsabilidade mútua como um farol para o mundo.

Os sábios de Israel, entre eles os Cabalistas e muitos intelectuais, escreveram extensivamente sobre o poder da conexão judaica como uma solução para os problemas que o mundo enfrenta. Rav Kook, por exemplo, escreveu: “A construção do mundo, que agora está em colapso aos pés das terríveis tempestades de uma espada cheia de sangue, exige a construção da nação de Israel” ( Orot ).

Somente quando os judeus cumprirem sua missão, o antissemitismo cessará, e o povo judeu e o Estado de Israel terão legitimidade para existir em segurança, levando o mundo à felicidade e à paz.

Visando O Ponto De Equilíbrio

laitman_232.05Pergunta: A verdade é revelada no ponto de equilíbrio. Então, por que a mente está constantemente tentando nos derrubar desse ponto?

Resposta: A mente não está tentando nos derrubar deste ponto, mas despertar a sensação de desequilíbrio, como um equilibrista se equilibrando em uma corda.

Toda a nossa vida destina-se a nos dar uma sensação de desequilíbrio, levando-nos a procurar um ponto mais alto de equilíbrio e, assim, a subir.

Esse ponto de equilíbrio é constantemente renovado, não em quantidade, mas em qualidade. Precisamos sentir isso sozinhos.

Da Lição de Cabalá em Russo 16/12/18

Como Posso Me Aproximar Do Rabash?

721.03Pergunta: Eu acredito em Baal HaSulam e em você, mas não consigo me aproximar do Rabash. Como posso fazer isso?

Resposta: Baal HaSulam é um grande Cabalista que alcançou, generalizou e sistematizou a ciência da Cabalá. Estamos engajados na Cabalá para dominá-la não na forma de ciência, mas na forma de um método de realização espiritual. Essas são duas coisas diferentes, embora inter-relacionadas.

Quando uma pessoa quer entrar no mundo espiritual, Baal HaSulam é um teórico para ela. Ele não pode levar uma pessoa para frente. O Rabash nos leva para frente, explicando a cada passo onde estamos, o que fazer, como agir, que interação ter em um grupo, com nós mesmos e com o Criador.

Eu me lembro bem como ele escreveu seu primeiro artigo, sentado ao meu lado em um banco do parque. Dei-lhe um invólucro de cigarro de alumínio e, no verso, ele escreveu um pequeno artigo – o primeiro do futuro livro de três volumes.

No começo, fiz-lhe perguntas e ele deu respostas por escrito a elas. Seus primeiros artigos apareceram dessa maneira. Mais tarde ele escreveu sozinho.

Sem esses artigos, não poderíamos avançar. Em cada aula matinal dedicamos uma hora e meia a duas horas aos artigos do Rabash, apenas meia hora ao Estudo das Dez Sefirot, e meia hora aos artigos do Baal HaSulam.

É até incompreensível como as pessoas poderiam dominar o espaço espiritual antes do Rabash, como elas poderiam sentir isso em si mesmas e avançar para diferentes níveis. Isso é o que ele nos ensina, porque no nosso tempo, almas que descendem a este mundo precisam disso.

O Rabash é um estágio da Cabalá e o Baal HaSulam é mais um Cabalista teórico.

Para se aproximar do Rabash, é preciso ler seus artigos e ouvir nossas lições sobre eles. Todos eles estão no arquivo, você pode usá-los gratuitamente, o acesso é gratuito. Vá em frente, ouse!

Da Lição de Cabalá em Russo 23/12/18

Nova Vida # 225 – Manter Uma Atitude Positiva, Parte 1

Nova Vida # 225 – Manter Uma Atitude Positiva, Parte 1
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Tal Mandelbaum ben Moshe

Resumo:

Aprenda como alcançar uma atitude positiva em relação a todos os eventos da vida. Nós podemos nos reprogramar para construir um ambiente positivo que possa ajudar uma pessoa a avançar, enquanto ao mesmo tempo ser feliz em todos os momentos ao longo do caminho. A lei básica desse tipo de sociedade é o amor: uma comunicação interna, sincera e ilimitada entre todos. O copo “meio vazio” é preenchido com sucesso e liberdade através do amor, porque quando nos conectamos com os outros, recebemos o poder da vida eterna.

De KabTV “Nova Vida # 225 – Manter Uma Atitude Positiva, Parte 1”, 03/09/13