Meus Pensamentos No Twitter 24/04/19

Dr Michael Laitman Twitter

Os problemas das pessoas são seus – você só ouve falar deles dos outros. Você se mistura com partes de sua alma. Você nunca ouvirá nada que não seja sobre você. Você realiza ações para devolvê-las a seus lugares em você. Elas parecem externas devido à sua percepção inadequada.

Os irmãos de José vêm para o Egito com o início da fome em Canaã – um avanço maior só é possível unindo-se. Da mesma forma, nosso mundo hoje está gradualmente percebendo que a salvação reside apenas na unidade. Eles não desejam entrar no Egito, pois isso os obriga a se tornar uma nação.

Pequenos golpes de luz criam a sensação de realidade em nós – sentimos o mundo ao nosso redor e a nós mesmos.
Se o desejo não recebesse pequenas “injeções” de luz, não sentiria a si mesmo nem o ambiente circundante.
Não há nada além do desejo de desfrutar que recebe pequenos golpes de luz.

As belas cidades, Pitom e Ramsés, construídas para o Faraó, não beneficiam a nação de Israel, mas, pelo contrário, estão cheias de perigos (Sakana, da palavra “pobre” – “Misken”) de permanecer para sempre no Egito o estado de rejeição mútua em uma vida desprovida de sentido.
Então as tentativas de salvação começam.

“Como esta noite é diferente das outras noites?” Porque precisamente nesta noite, o Criador me revelou a escuridão especial desta noite – e eu pude pedir a Ele para sair desta escuridão, egoísmo – e Ele me respondeu.
Caso contrário, mesmo quando observando todos os mandamentos, a pessoa não alcançará intenções em prol do Criador. É por isso que cuidar dos outros (Gmilut Hassadim) é tão importante!

O que mais importa é mudar suas intenções de “para você” para “para o Criador”.
Isso é possível através de intenções sobre o benefício do outro. Depois, pode-se pensar no Criador da mesma maneira.

Tão logo o egoísmo viu que uma pessoa pode sair de sua subjugação e adquirir a qualidade de doação e amor do Criador, ele substituiu seu trabalho de homem para mulher – deixando-o saber que não há necessidade de mudar a intenção, o que mais importa é a ação.
Nisso você pode se sentir confiante.

É precisamente na ação sem intenção que a pessoa pode se sentir confiante. E torna a observância cada vez mais complexa. O principal é não se envolver na intenção – é para pessoas especiais!
Se você começar a pensar em intenções, sentirá imediatamente que as ações são desnecessárias e sentirá falta de confiança nas intenções.

“Aquele que fala mais sobre a saída da escravidão (egoísmo) é mais importante” – porque ele se sente mais escravizado e aumenta o desejo de correção e preenchimento da luz superior.
E ele é capaz de agradecer mais ao Criador pela saída do egoísmo, já que “É preciso sempre ver a si mesmo como saindo do Egito”.

“Dos quatro filhos, aquele que não pode pedir – abra-o para ele!” Aquele que não pode pedir é aquele que não tem desejo. Abra o desejo para ele – ele então pedirá ao Criador e merecerá uma resposta.
Falta-nos apenas o desejo e o pedido – uma questão.
Por isso, o Criador responde apenas a esse filho (desejo) dentre os quatro.

Está escrito: “Abre para Mim uma entrada do tamanho da ponta de uma agulha, e eu a abro para você grande o suficiente para que as carruagens entrem”.
Uma pessoa não é obrigada a ter um anseio pelo Criador maior que o começo – o Criador faz o resto.

O que os filhos de Israel (pequeno estado) queriam ao longo de todos os anos de exílio no Egito?
– Criar unidade entre si, a qual eles finalmente alcançaram no Monte Sinai (ódio). Sem esses tormentos a cada momento de permanência no Monte Sinai, os “400 anos do exílio egípcio” não acabarão para você.

Quando chega um golpe, eu sinto como ele é útil para mim, visto que uma poderosa revelação do mal acontece. Esses golpes passam por mim como rupturas internas e espirituais. No entanto, elas fortalecem uma pessoa da mesma forma que o sal “preserva” a carne. Esses golpes trazem cura do egoísmo.

O Faraó é o anjo da morte. Nada pode ser feito sobre ele. Israel começa a perceber que toda a atitude do Faraó vem de uma fonte – o Criador, e é precisamente o Faraó que aproxima a pessoa do Criador (“aproximar” e “fazer uma oferta de sacrifício” é a mesma palavra – ele nos ajuda “a partir do lado oposto”.

Israel, doando-se para si mesmo, usa a força espiritual para satisfazer os desejos materiais. O egoísmo claramente não quer perdê-los – eles se tornam seu principal meio de receber satisfação, o que não tem substituto. Nem o Faraó deseja se separar deles.

A nação de Israel se mistura com outras nações e aprende suas ocupações, alcançando maior sucesso, uma vez que sabe como usar a doação em prol da recepção.
A força do Criador é necessária para puxar o desejo egoísta, que é tão lucrativo para o Faraó, para fora do Egito.

O Criador deve constantemente crescer aos meus olhos. Caso contrário, permanecerei na escravidão para sempre e nunca mais conseguirei me conectar com os amigos.
O Egito é a separação. Para onde estou correndo? Eu quero me unir acima da separação e do ódio – o Monte Sinai – é por isso que saio do Egito.
Isso é chamado de êxodo.

A missão do Faraó é elevar o Criador aos meus olhos, de modo que serei obrigado a apreciar a força geral de doação que governa cada vez mais na natureza. Pois somente ela nos permitirá conectar uns aos outros.

Se não encontramos mudanças em nosso caminho, isso significa que não estamos pedindo por elas. Todo progresso espiritual pode acontecer somente através da revelação das necessidades e solicitações previamente formadas.

Do Twitter, 24/04/19

Comente