“Basileia III É Um Padrão De Ouro Para As Relações Humanas?” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Basileia III É Um Padrão De Ouro Para As Relações Humanas?

É muito provável que você não esteja familiarizado com o termo “Basileia III”.

Mas para os envolvidos no sistema financeiro, Basileia III é uma frase que representa a desilusão que se seguiu ao trauma que todos nós experimentamos na crise econômica global de 2008.

Basileia III é um padrão vinculante determinado pelo banco central de todos os bancos centrais, localizado em Basel, na Suíça, longe dos olhos do público. Desde 2011, os bancos em todo o mundo implementaram a norma Basel III como parte de um plano para fortalecer sua estabilidade contra crises e desafios financeiros.

Este mês, uma nova seção de Basileia III entrou em vigor: o status do ouro que é mantido nos balancetes do sistema bancário recebeu um upgrade.

O ouro agora é considerado um ativo seguro de primeira classe e valerá 100% de seu valor de mercado, ao contrário de 50% até o momento. Em outras palavras, o ouro aumentou em seu valor financeiro à custa de títulos e valores mobiliários de vários tipos, atrás dos quais não há um ativo tangível.

Os analistas de hoje estão debatendo se o mundo está mais uma vez se aproximando do “padrão-ouro”, uma política pela qual cada dólar é atrelado e apoiado pelo ouro real que fica no porão dos bancos centrais.

Os principais bancos começaram a aumentar seus estoques de ouro, e alguns argumentam que o preço do ouro deve subir significativamente.

Mas mesmo após a reforma do ouro de Basileia III, o sistema econômico permanecerá egoísta como costumava ser. Ele continuará a recompensar aqueles que conseguirem explorar melhor os outros jogadores e a concentrar cada vez mais o poder em suas mãos.

Ao mesmo tempo, a reforma do ouro é um elo importante na cadeia para mudar a ordem socioeconômica: é o reconhecimento de que a relação econômica entre as pessoas deve estar ancorada nos recursos tangíveis e limitados da natureza.

O desengajamento do padrão-ouro permitiu a prosperidade desenfreada de uma economia majoritariamente financeira, baseada em dívidas e de alto risco, volátil e propensa a frequentes crises.

A possibilidade de reintroduzir o padrão-ouro indica a necessidade de retornar à sanidade; para tirar o ar da economia artificial e inflada, e restaurar a estabilidade de todo o sistema.

Este é um passo significativo no sentido de estabelecer uma economia nova, equilibrada e realista. Uma economia que serve ao indivíduo, bem como ao nosso desenvolvimento social e pessoal; uma economia que nos servirá em vez de nos servir; uma economia que focará nosso crescimento como seres humanos, em vez do crescimento do PIB e dos mercados de ações.

De fato, podemos avaliar a melhoria do status do ouro como uma espécie de exercício que nos prepara para uma nova e mais verdadeira ordem.

No futuro, a Cabalá explica que a natureza do desenvolvimento humano nos levará a uma realidade na qual o espírito transcende a matéria. Se o mundo de hoje está imerso no materialismo, onde a busca por dinheiro se tornou nossa “realização espiritual”, no futuro, nos esforçaremos por satisfações superiores e mais elevadas do que aquelas que nosso dinheiro atual pode comprar.

Satisfações espirituais que resultam da participação saudável em uma sociedade humana mais avançada, cujos membros se sentem conectados uns aos outros no cuidado mútuo.

E qual é o futuro da matéria em tal sociedade? Ela servirá ao nosso desenvolvimento social e espiritual e estará bem ancorada com dois pés no chão.

A sociedade futura cobrirá todas as necessidades físicas e materiais do indivíduo, e o indivíduo receberá suprema satisfação espiritual por meio de sua contribuição para a sociedade. Esse será o verdadeiro padrão ouro.

O Cabalista proeminente do século anterior, Yehuda Ashlag, havia elaborado sobre a conduta de tal sociedade em seus artigos da “Última Geração”.

Comente