“Uma Carta Aberta A Jared Kushner: Unidade, O Último Acordo De Paz“ (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo “Uma Carta Aberta A Jared Kushner: Unidade, O Último Acordo De Paz

Caro Jared

Compartilho sua preocupação com o conflito palestino-israelense de décadas. Não é preciso repetir que as pessoas ao redor do mundo acham que encontrar uma solução para este conflito está muito atrasado. Se há consenso mundial sobre a necessidade urgente de pôr fim a essa luta, deve-se perguntar por que, geração após geração, o a situação nessa região parece apenas piorar.

Tantos países ao longo da história, e particularmente tantas administrações dos EUA, investiram esforços fúteis na tentativa de mediar o que é considerado o conflito mais complexo e controverso do mundo. As antigas propostas dos EUA foram baseadas na ideia central da “terra pela paz” como uma espécie de acordo comercial, mas nenhum desses esquemas funcionará, porque as questões de fronteira territorial não estão na raiz do problema.

Conforme se apreendeu em sua recente entrevista à imprensa em Abu Dhabi, o plano de paz dos EUA para a região incluirá não apenas uma proposta econômica significativa, mas também um plano político “muito detalhado sobre estabelecer fronteiras e resolver questões finais”. Se este for o foco principal para elaborar um acordo de paz duradouro, está destinado a fracassar desde o início. Permita-me explicar por que …

Dividir a terra não ajudará, já que fracassou no passado com a retirada israelense de Gaza e em múltiplas ofertas de Israel para se retirar dos territórios conquistados na Guerra dos Seis Dias em troca da paz. Todas essas ofertas foram consistentemente rejeitadas. A dura realidade é a impossibilidade de negociar um acordo de paz viável com um regime controlado por aqueles que se recusam a reconhecer o direito de existência de Israel.

A verdade é que a solução duradoura para este conflito não pode ser baseada na aceitação de qualquer parte fora do povo de Israel. A paz entre os judeus deve vir em primeiro lugar, e a paz com nossos vizinhos seguirá natural e suavemente depois. Isso porque a causa fundamental do conflito é nossa divisão, nossa falta de unidade como um povo judeu. Nenhum plano estatal, religioso, econômico ou social ajudará até que nos conectemos em um corpo diversificado, ainda que amalgamado.

A paz duradoura é possível e alcançável, mas sua realização está condicionada à conexão de todos os judeus em Israel e ao redor do mundo em um único povo, unificado acima de nossas diferenças. A área mais fértil para a aplicação da pressão dos EUA e do mundo está no governo israelense, exigir que eles promulguem um programa agressivo para reparar a quebra do tecido social de Israel.

Tornou-se crucial para nós, judeus, reconhecer nosso ódio e alienação um do outro, impedindo qualquer futuro positivo.

Como está escrito: “somos ordenados em cada geração a fortalecer a unidade entre nós para que nossos inimigos não nos governem” (Rabi Eliyahu Ki Tov, O Livro da Consciência).

A importância da unidade judaica, não apenas para nosso próprio povo, mas para toda a humanidade, também foi enfatizada por Rav Avraham Yizhak HaCohen Kook (o Raiah):

“Em Israel está o segredo para a unidade do mundo”.

De acordo com nossos sábios, o povo de Israel deve restabelecer a unidade que eles perderam há 2.000 anos. Devemos, portanto, primeiro nos tornar conscientes de um método de correção prescrito nas fontes, um método do qual nos tornamos destacados. Quando nos unimos, nos tornaremos um exemplo para a humanidade e cumpriremos nosso papel de ser “uma luz para as nações”.

Quando a correção de Israel se irradiar exteriormente para o resto do mundo, a segunda fase do plano poderá ser realizada sem esforço: a correção da humanidade.

Assim, “quando os Filhos de Israel forem complementados com a razão completa, as fontes de inteligência e conhecimento fluirão para além das fronteiras de Israel. Eles regarão todas as nações do mundo, como está escrito”(Isaías 11).

Portanto, peço-lhe que baseie o plano dos EUA para resolver questões finais para o conflito palestino-israelense ao aplicar pressão sobre o Estado de Israel para atualizar o propósito original do povo de Israel, e para curar as fraturas em primeiro lugar e acima de tudo dentro de Israel em si. O plano final para uma paz duradoura no Oriente Médio deve exigir que os judeus reconheçam seus fundamentos, como nos tornamos o povo de Israel e reencenar os princípios e propósitos sobre os quais a nação judaica foi fundada. Somente depois de internalizarmos os ideais espirituais eternos e as fundações de Israel e nos unirmos entre nós, poderemos abrir o caminho para a paz com nossos vizinhos e com o mundo. Esta é a chave para qualquer plano viável para o Oriente Médio, capaz de assegurar um futuro brilhante e uma coexistência pacífica.

Desejo a todos sucesso,
Dr. Michael Laitman

Um Comentário

  1. Me pergunto, como será possível a conexão? De que forma se dará quais sinais seguirão?

Comente