Subjugação: A Principal Ação Espiritual

laitman_290Subjugação é a principal ação espiritual até o fim da correção, a base de todo trabalho espiritual. Quanto mais procuramos oportunidades para nos subjugar, mais rápida é a velocidade do nosso avanço espiritual. Não devemos esperar que a oportunidade de subjugar nosso egoísmo surja por si e coroar o Criador como aquele que constrói o universo inteiro, controla toda a realidade e nos envia todos os estados, dos melhores aos piores.

Eu mesmo busco a oportunidade de me subjugar: “Eu desperto o amanhecer e o amanhecer não me desperta”. Portanto, precisamos nos preparar para estar em subjugação, aceitando tudo pela fé acima da razão, como vindo do Criador. Não importa o que aconteça, este é um exercício, um jogo que o Criador joga comigo. Não há outro além do Criador que coloca todos os tipos de obstáculos à minha frente, que eu devo aceitar não como obstáculos no caminho, mas como uma oportunidade de me conectar a Ele.

Todos esses obstáculos, meus erros e transgressões, se transformam em Mitzvot quando decido que não há outro além do Criador e que tudo é feito por Ele. A transgressão está sob o poder de um distúrbio e em não ver nada além disso. Afinal, não há dúvida de que a perturbação é enviada pelo Criador em virtude de Seu amor absoluto, não para me enfraquecer, mas para meu avanço.

Normalmente, depois de um grande sucesso após um congresso, sentimos um estado vago e fadiga. Mas a fadiga não existe na espiritualidade, há apenas a falta de combustível que precisamos preencher como resultado do desejo crescente.

Primeiro, o Criador envia pequenas perturbações, peso do coração, incompreensão, confusão e fadiga. Depois surgem problemas mais sérios que não podem ser resolvidos com uma frase: “Não há outro além Dele”, mas requer todo um processo de trabalho. Não é mais “dois mais dois”, mas uma fórmula mais complexa. Não importa o que aconteça, nós nos movemos no caminho da subjugação, querendo coroar o Criador para governar sobre tudo o que acontece para que Ele seja o único governante, a fonte única e a razão além da qual não há nada. Este é o nosso trabalho constante.

Se em algum momento eu não vejo que o Criador governa todo o meu mundo, significa que eu saí da santidade e não pertenço mais ao sistema espiritual. Portanto, devo retornar imediatamente ao estado “Não há outro além Dele” e me fortalecer, atraindo todo o grupo para isso.1

Se na dezena, caímos no estado dos filhos de Jacó, os irmãos que não querem se unir, nós sentimos fome na terra de Israel por causa da incapacidade de avançar na espiritualidade – a falta de realização espiritual. Portanto, temos que começar a trabalhar com nosso desejo de desfrutar: descer ao Egito, escravizar-nos ao Faraó.2

O trabalho preparatório começa com Abraão, Isaque e termina em Jacó, na linha média, onde a unidade dos filhos de Jacó, seus seguidores, ocorre, onde a formação de um grupo já está ocorrendo. A princípio, esse grupo não quer se unir, mas é forçado a subjugar-se pela fome, o sentimento de falta de resultados de todas as suas tentativas de trabalhar com seu desejo de desfrutar que os divide.

Eles não têm escolha senão descer ao Egito, na escravidão ao Faraó. O trabalho na escravidão egípcia é o trabalho de unificação durante os sete anos de saciedade e sete anos de fome. Eles chegam à conclusão de que nunca serão capazes de se unir sem revelar o Criador, eles precisam da ajuda de cima.

Portanto, eles recebem a Torá e se unem “como um homem com um só coração” em Arvut (garantia mútua). Este grupo continua a se unir, cada vez revelando um desejo cada vez mais forte de desfrutar entre eles e de se subjugar cada vez mais. Adquirir os passos da subjugação termina ao completar todo o trabalho no deserto, o que lhes permite alcançar a conexão correta e construir o Templo. O Templo é um vaso espiritual, um grupo, dentro do qual o Criador é capaz de habitar e Se revelar a todos na medida da equivalência de propriedades.

Este é o caminho do desenvolvimento espiritual, o caminho da Torá. Nós devemos passar tais estados pela fé acima da razão, em subjugação, a fim de chegar ao Templo.3

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 11/03/19, Lição sobre o Tema “Rendição (Subjugação)”
1 Minuto 0:20
2 Minuto 30:29
3 Minuto 39:23

Comente