Até Que Todos Os Amigos Estejam No Meu Coração

laitman_962.6A transição é um período curto e difícil, porque exige que você deixe o lugar antigo, as condições especiais em que estamos localizados, nossas propriedades, e passe para novas qualidades. Isto é, somos obrigados a deixar as condições prévias, familiares e compreensíveis sob as quais já estabelecemos contato uns com os outros e criamos um Kli comum em uma determinada forma. De repente, nos encontramos em algum estado intermediário, incompreensível, desconhecido, instável e confuso, contendo várias condições novas e mutáveis, até chegarmos a um novo estágio.

Esse novo estado também é desconhecido, incompreensível e leva tempo para se estabilizar. Há pessoas que se adaptam facilmente a essas mudanças, enquanto outras têm grande dificuldade. Mas, de qualquer forma, o período de transição não é fácil para ninguém. Nosso nível básico é o animado. Um animal não gosta de mudar. Existe de acordo com sua natureza. No entanto, agora o nível humano está mudando em nós, e tais mudanças nos levam a experimentar constantemente novos sentimentos, confusão e contradições insolúveis.

Primeiro a pessoa precisa entender que o período de transição pertence ao nível humano e que sem essas mudanças, é impossível se tornar humano. Embora não seja fácil, os Cabalistas precisam passar por elas. Durante a transição, uma pessoa perde o autocontrole e não entende como e exatamente o que controlar, porque os parâmetros internos mudam e a percepção muda de acordo.

Além disso, a pessoa não entende onde está a mudança ou o que é certo ou errado. Existem condições que são muito difíceis de superar. A única solução nesta situação é concentrar-se mais na ação do que nos pensamentos: conectar-se mais fortemente com o grupo, os amigos. Você então se encontrará em um novo estado. Não há dúvida de que o próximo novo estado exige que tenhamos uma conexão maior com o grupo.

No mundo material, os períodos de transição duram bilhões de anos, mas em um nível espiritual essa transição leva alguns anos, acomodando várias mudanças enormes. Nós estamos nos movendo de um mundo para outro e nem mesmo uma vez, mas várias vezes. Vamos esperar que façamos essa transição com compreensão e que nos apoiemos uns aos outros, porque essa é a transição para um nível espiritual.1

O mundo inteiro deve ser percebido como o Kli espiritual de uma pessoa. Há amigos neste mundo que pensam da mesma maneira que eu e lutam pelo mesmo objetivo. Este é o meu apoio, minhas propriedades que são solidárias comigo. Mas há aqueles que ainda não foram corrigidos e eu preciso tentar aproximá-los de mim, corrigi-los e incluí-los em mim mesmo. Eu mesmo sou a parte mais flexível que posso dispor e, portanto, posso descer aos outros, absorver, abraçar, elevar e dar a forma correta à nossa conexão.

O mundo inteiro deve ser considerado como a minha alma, a qual eu me anexo gradualmente, círculo após círculo: do primeiro círculo, meu “eu”, depois meus amigos, a comunidade mundial do Bnei Baruch e depois o mundo inteiro.

O período de transição é o tempo do aprendizado sobre a própria alma, o Kli. O mundo inteiro é a minha alma e eu preciso gradualmente começar a ligá-lo, cuidar dele e incluí-lo. Este não é apenas o mundo exterior com muitas nações diferentes, a natureza inanimada, plantas, animais e outras galáxias. Essa imagem só aparece na minha imaginação. De fato, toda a realidade está dentro de mim e eu incluo o mundo inteiro.

Toda pessoa deve dizer: “O mundo todo foi criado para mim”, e assim devo constantemente cuidar de corrigir o mundo e satisfazer suas necessidades. Em essência, eu vejo falhas não nos outros, mas em mim mesmo, e oro pela minha correção até que toda esta realidade esteja incluída dentro de mim, e eu a verei como as dez Sefirot do meu Kli espiritual.2

Ao mudar minhas propriedades, eu vejo como o mundo muda. O mundo é uma projeção das minhas propriedades. Parece-me apenas que existe fora de mim, mas, na verdade, é só dentro de mim, como se houvesse um projetor dentro de mim que projeta as minhas propriedades para fora na forma de uma imagem do mundo. Portanto, mudando minhas propriedades, eu posso mudar o mundo projetando um filme que vejo na minha frente.3

O grupo é dado a mim para que eu possa formar o meu mundo interior dentro dele, como se fosse a minha realidade externa, e começar a administrar ambos os mundos. Olhando para a realidade externa, eu me mudo desde dentro, e quando olho para minha realidade interna, sei o que precisa mudar desde fora.

O mundo exterior me é dado para que eu possa ver minhas propriedades internas com maior resolução, com mais detalhes. Devemos ser gratos pela oportunidade de ver o mundo fora de nós mesmos, porque isso nos dá um conhecimento muito preciso, amplo, profundo e rico. Se olhássemos para essas propriedades dentro de nós, não veríamos nada.

Nós mudamos as propriedades dentro de nós mesmos e realmente não entendemos como isso afeta tudo. Somente por mudanças no mundo externo é que a pessoa pode julgar a essência de suas mudanças internas. Corrigindo relacionamentos com amigos, eu corrijo minhas qualidades internas. Isso acontece até que todos os amigos estejam no meu coração e se transformem em dez Sefirot, que me são dadas a cada vez para sintonizar a percepção de uma realidade espiritual mais elevada.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 17/02/19, “Bnei Baruch como Estado de Transição”
1 Minuto 0:20
2 Minuto 7:20
3 Minuto 17:23
4 Minuto 23:40

Comente