Dia Em Memória Do Holocausto: Hoje Como Ontem

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 27/01/19

“Nunca mais”. Uma declaração poderosa com profundo significado pessoal para mim desde a infância, quando comecei a fazer perguntas sobre por que a maioria da minha família pereceu sob o Terceiro Reich e como seria o futuro para o meu povo, fui obrigado a chegar ao “Por que o Holocausto aconteceu?” No 74º aniversário da libertação de Auschwitz, precisamos encarar a realidade de que, apesar de todo o sofrimento que o Holocausto trouxe, o ódio contra os judeus ainda está vivo, forte, difundido e em ascensão.

Como podemos garantir que a história não se repita se não entendemos de onde vem o ódio aos judeus? Enquanto comemoramos o Dia em Memória do Holocausto em todo o mundo, eu sugiro que haja algo mais profundo sobre a nossa história como um povo que devemos lembrar para que possamos assegurar a nós mesmos e nossos filhos que “nunca mais” realmente significa nunca mais.

Um livro recentemente descoberto da biblioteca pessoal de Hitler revelou sua intenção de estender os tentáculos nazistas para incluir a América do Norte nas garras de seus planos de Solução Final, que foram impedidos apenas pela vitória dos Aliados. Se algo assim aconteceu, quão difícil é imaginar o potencial de uma operação semelhante no mundo globalizado de hoje?

Todos os anos, lembramos que a história não deve ser repetida. No entanto, verdade seja dita, estamos testemunhando condições muito semelhantes àquelas antes da Segunda Guerra Mundial, desta vez com fanatismo desenfreado e ódio contra os judeus em todo o mundo, basicamente em todos os lugares. De acordo com uma pesquisa divulgada recentemente pela Comissão Europeia, nove em cada dez judeus europeus relatam sentir que o antissemitismo aumentou nos últimos cinco anos e quase um terço deles evitam participar de eventos judaicos ou visitar locais judeus porque não se sentem seguros. Nos EUA, o FBI relata um aumento na incidência de atos antissemitas desde 2016. De todos os crimes de ódio baseados na religião, 58% foram alvo de judeus ou instituições judaicas.

As tendências mostram que a história não é necessariamente um bom professor e não conseguimos aprender bem nossas lições. Ainda há tempo para corrigir nossos erros neste teste da vida. O relógio está correndo para nós e, até que examinemos e internalizemos o motivo das pressões constantes contra nós, não poderemos fazer uma correção do curso para erradicar o antissemitismo.

Por muitos séculos, nossos ancestrais lutaram para manter sua unidade acima do egoísmo crescente. Mas dois mil anos atrás, eles sucumbiram ao ódio infundado e foram exilados da terra de Israel. Desde então, os judeus perderam a capacidade de ser uma luz para as nações porque perdemos nossa união. Este foi o ponto de partida do antissemitismo como o conhecemos.

Nossa unidade determina o estado do mundo e seu destino. Por meio da nossa união, permitimos que o mundo se conecte à medida que deixamos a força positiva e unificadora do amor, acima das diferenças, fluir para essa necessidade do mundo. Por outro lado, nossa separação nega à humanidade um poder tão reconfortante e invoca dentro dela o ódio contra os judeus quando eles são privados da força calmante. O fracasso em entregar a habilidade de se unir acima das diferenças causa a agressão da nação em relação aos judeus e é a razão inconsciente pela qual eles nos percebem como a raiz de todo mal.

Nossos sábios explicam o fenômeno de tal ódio em relação a nós com estas palavras: “Nenhuma calamidade vem ao mundo a não ser por Israel” (Yevamot, 63a). Líderes judeus ao longo dos tempos têm circulado amplamente esta mensagem. Eles fizeram isso como um lembrete de que o único remédio capaz de nos proteger dos problemas é o poder da conexão que nós judeus podemos fornecer.

O rabino Kalman Kalonymus escreveu em Maor va Shemesh (Luz e Sol): “Quando há amor, união e amizade entre eles em Israel, nenhuma calamidade pode vir sobre eles”. Da mesma forma, Rabi Shmuel Bornsztain escreveu em Shem mi Shmuel (O Nome de Samuel): “Quando Israel é como um homem com um coração, eles são como um muro fortificado contra as forças do mal”. O Midrash (Tanchuma, Devarim [Deuteronômio]) declara da mesma forma: “Israel não será redimido até eles serem todos um feixe”.

Em suma, “ama ao próximo como a si mesmo”, o amor fraterno e a garantia mútua são as chaves para a segurança e a prosperidade do povo judeu. Quando nos unimos acima de nossos conflitos e disputas, liberamos a força positiva da natureza. É a força que mantém o equilíbrio da criação, e sua ausência entre nós causa o declínio da sociedade humana. Em sua “Introdução ao Estudo das Dez Sefirot ”, o Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) chamou essa força de “luz que reforma” e explicou que ela pode equilibrar nossa natureza autocentrada e, assim, curar a sociedade humana.

Somente se reacendermos o amor fraterno que cultivamos séculos atrás e compartilharmos o método para alcançar isso com todos, o mundo deixará de odiar e nos culpar por todos os seus problemas.

Em seu ensaio, “O Arvut (Garantia Mútua)”, Baal HaSulam escreve que “a nação israelense foi estabelecida como um canal na medida em que se purificam [do egoísmo], eles passam seu poder para o resto das nações”. Portanto, o Dia Internacional em Memória do Holocausto pode ser mais do que uma comemoração dos milhões que morreram. Também pode ser uma oportunidade para nos lembrarmos de que temos um método para conectar o mundo, um meio verdadeiro para impedir que as atrocidades se repitam.

Neste momento em que o antissemitismo está se intensificando em todo o mundo, devemos nos esforçar para superar nossas diferenças e atrair a força positiva que nos conectará, unirá o mundo e desenraizará todo o ódio. Agora é o nosso tempo para irradiar luz para o resto das nações, a luz da unidade, paz e equilíbrio através do nosso exemplo brilhante de se reunir acima de todas as nossas diferenças.

Comente