A Partir Do Egoísmo

laitman_276.04Nós somos construídos a partir do desejo de desfrutar, do egoísmo, que só se preocupa com o seu próprio bem. Mas essa força que existe em mim e se preocupa comigo não é eu; é uma força estranha que existe no corpo. Nós não a entendemos e nos identificamos com ela porque nascemos e crescemos com ela.

Eu não posso nem imaginar que o meu desejo egoísta não seja realmente meu. Eu posso me elevar ou me separar dele e senti-lo como um estranho que existe fora de mim. Isso é chamado de poder do Faraó sobre o homem. Se eu descobrir que o egoísmo está fora de mim, isso significa que eu revelo o Faraó.

Se eu construo o amor pelos amigos do grupo e através dele tento atrair a Luz circundante, esta Luz me afeta e me afasta do meu desejo de desfrutar. Então sinto que essa força é estranha, não minha. Apenas me dominava tanto que eu achava que era eu.

Aos poucos, eu percebo que o egoísmo não é eu, mas foi tão astuto e insidioso que me penetrou e assumiu o controle de todos os meus desejos e pensamentos, meu coração e minha mente. Ele governou tudo, mas agora vejo que posso me libertar gradualmente, afastá-lo e permanecer do lado de fora.

Eu quero estar em território neutro, não sob o seu domínio. Eu sinto que ele determina o que penso e o que quero. E não concordo com isso! Eu quero que uma força diferente me governe: a força de doação, a força do Criador. Essas duas forças são opostas entre si.

Mas como posso fazer isso? Eu vejo que o desejo egoísta está me levando para o túmulo. Basta olhar para o que está acontecendo com o mundo, para onde ele está indo. Todos já estão começando a entender para onde a natureza egoísta está nos empurrando.

Portanto, eu preciso da Luz que reforma, a força da Torá, que me separará do meu desejo de desfrutar. Vou começar a sentir que esse desejo é mal e que posso sair dele. Eu tive “sete anos de gordura” (“sete anos de saciedade”) quando desfrutei do meu desejo de desfrutar, o fruto de seu desenvolvimento de forma capitalista e egoísta, e todas as bênçãos do progresso.

No entanto, hoje revelamos que o desejo egoísta não nos levará ao bem. Acontece que esse poder é mal. Então você precisa decidir o que fazer. As pessoas com um ponto no coração orientado para a força superior que desejam revelar o Criador, o mundo superior, a essência da vida e seu propósito, têm uma direção na vida e estão prontas para realizá-lo.

De cima, elas são levadas a um grupo, para o lugar de sua correta realização, e o objetivo de uma pessoa é escolher esse bom destino e despertar a Luz que reforma através do grupo. Somente com a ajuda da Luz a pessoa pode começar a se separar de seu egoísmo, que a enterra, e começar a senti-la como a força de outra pessoa, o poder do Faraó, e odiá-lo. Embora eu tenha crescido na casa do Faraó, no final eu fujo dele.

Nós podemos fazer todo esse trabalho na dezena, cada um ajudando e apoiando os outros e mostrando um exemplo de doação mútua. Na medida de nossos esforços para nos unirmos, atrairemos a Luz que reforma que nos separará do desejo egoísta e nos levará a um novo lugar, sob o bom poder do Criador.

Por um lado, o domínio do Faraó, por outro lado, o domínio do Criador, e nós estamos no meio entre os dois. Como resultado, o Faraó se transforma na linha esquerda, a luz que reforma na linha direita, e no meio incluímos ambas as forças.

Nós recebemos o desejo de desfrutar desde o nascimento, nós o pegamos emprestado do Faraó, que é chamado de deixarmos com muitas posses. Acima disso, construímos uma restrição, uma tela e a Luz refletida, todas as correções recebidas da Luz que reforma e, assim, somos libertos.

Portanto, sem implementar no grupo, não temos absolutamente nenhuma chance de seguir esse caminho. Tudo começa com a quebra do pecado da Árvore do Conhecimento. Como Adão perguntou ao Criador: “Será que eu e meu jumento comeremos do mesmo cocho?” – ou seja, serei um burro que só gosta de encher seu corpo? E onde está o homem em mim?

O Criador responde a isto: Espere, haverá a quebra, a revelação do mal, e daí “pelo suor do seu rosto comerás o pão”, isto é, você ganhará sabedoria, revelará o Criador e se tornará um homem.1

O Faraó aparece pela primeira vez quando eu sinto como meu egoísmo se separa, se desprende e se torna um estranho. Eu sinto que ele e eu não somos a mesma coisa. O egoísmo é uma potência estrangeira colocada sobre mim desde cima. Embora seja estabelecido pelo Criador, eu discordo dele. Então esta força é chamada Faraó. Este já é um avanço significativo.2

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá. 13/01/19, Escritos do Rabash, Vol. 1, Artigo 2, “Sobre o Amor dos Amigos” (1984)
1 Minuto 14:00
2 Minuto 38:20

Comente