Revelando O Criador Na Conexão Entre Nós

laitman_294.2O tema do estudo da sabedoria da Cabalá são as ações do Criador, que nos dão a oportunidade de reuni-Lo de partes: de nossos pensamentos, desejos, toda sorte de ações, diferenças irreconciliáveis, erros e sucessos. O principal é que, de todo esse trabalho de desmontagem e montagem, chegamos a compreendê-Lo, a senti-Lo e ser como Ele. Esta é a singularidade do nosso trabalho em oposição aos diferentes esforços deste mundo.

Talvez neles haja algo semelhante à análise e à síntese, também um entendimento. De fato, é assim que estudamos toda a natureza inanimada, vegetativa e animada: dissecamos, examinamos, compreendemos e registramos. No entanto, na Cabalá, não estamos dissecando a nós mesmos, nosso corpo animal. Em vez disso, nos conectamos e desconectamos uns dos outros. Somente através das conexões entre nós seremos capazes de entender quem é o Criador, porque Ele é revelado apenas dentro deles.

Este é um trabalho especial que não tem um análogo em nosso mundo. É chamado de trabalho do Criador. Afinal, Ele nos confiou para que pudéssemos conhecê-lo e se tornar como Ele. O caminho para isso reside apenas na conexão entre as pessoas. No entanto, a conexão é impossível sem desconexão: a realização da unidade não acontece sem resistência. É assim que acontece em todas as ações: subidas – descidas, aproximação – distanciamento, inspiração – expiração.

A Cabalá é a ciência da conexão, a obtenção da unidade. Não há Criador fora de nós. Ele é revelado na conexão entre nós. Essa conexão não existe na natureza por si só, apenas se a montarmos. Nós aprendemos que houve uma restrição e uma segunda restrição e assim os graus foram formados até este mundo: os mundos superiores, Partzufim e Sefirot espirituais. No entanto, tudo isso existe apenas em potencial, caso os seres criados venham e comecem a atingir essas qualidades.

Nós descobriremos os graus descendo de cima para baixo se quisermos despertá-los de baixo. Se não os despertamos, é como se eles não existissem de forma alguma. Não há nada para falar sem aquele que alcança. O Criador é revelado apenas dentro de nossa conexão, que não é corpórea ou forçada, quando sentimos nossa dependência um do outro ou temos sentimentos especiais um pelo outro.

Essa conexão acontece de uma maneira completamente não natural, até anti-natural. Apenas na medida em que eu descubro minha própria natureza, o mal que está oculto em mim, a falta de vontade de me conectar com os outros, na parte que consegui purificar do meu “eu” com a Luz que reforma, há uma medida de doação revelada. Não é doação ainda, mas uma prontidão para isso, o grau de Bina, Chanucá.

Uma vez que eu reconheço meu mal, começo a odiá-lo, e posso usar meu desejo em benefício dos outros. Não pode haver bem sem a revelação do mal e sua correção. O bem é revelado apenas acima do mal, e a partir disso eu começo a entender e sentir o que o Criador é: a força do bem absoluto que preenche todo o universo e a mim também. Isso me ajuda a substituir todo o mal em mim pelo bem. Meu trabalho reside apenas nesta escolha: descobrir minha natureza má e substituí-la pela boa, e tudo isso através da conexão com os amigos.1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 10/12/18, Lição sobre o tópico “Revelando o Criador na Conexão entre Nós” (Preparação para a Convenção Virtual de 2018)
1 minuto 0:20

Comente