Duas Guerras

laitman_256A guerra dos Macabeus é a guerra de todos os grupos, da sociedade, de todas as pessoas, assim como de cada indivíduo consigo mesmo, a fim de elevar-se pela fé acima da razão sobre sua opinião egoísta e unir-se aos outros. Essa é a única maneira que o milagre pode acontecer.1

Quando a dezena alcança a fé acima da razão, torna-se uma lanterna acesa, um balde de óleo do qual você pode acender um número infinito de outras lanternas. Mas antes de tudo, esse estado chamado Chanucá – óleo limpo aprovado pelo selo do sumo sacerdote, (Cohen Gadol), essa força de unidade, fé acima da razão – deve ser alcançado dentro da dezena.

Para conseguir isso, a dezena deve sair e convencer os outros da necessidade de tal fé acima da razão, de modo que a pressão externa, assim como a realização interna de sua necessidade, lhes desse a oportunidade de se unirem acima do ego de cada um e se tornarem uma lanterna sagrada com óleo. Então, antes de os judeus deixarem o Egito, o Faraó, personificando todo o egoísmo, teve que aprender sobre esse resultado e deixá-los ir. Portanto, Moisés teve que ir ao Faraó e convencê-lo a deixar o povo judeu ir.2

A força da nossa unidade deve tornar-se tão poderosa que derrotaria todas as forças da separação. Mas é graças à separação que aumentamos o poder de conexão, queimando as forças que nos separam e elevando nossa unidade acima deles. Bom só sai do mal.

O Faraó senta dentro de cada um de nós e declara: “Eu não vou deixar você se conectar com os outros. Não importa o quanto você tente escapar de mim, nada vai ajudar”. E assim, dia após dia, esta guerra continua.3

Chanucá (eles descansaram aqui – Hanu Ko) é uma trégua entre duas guerras. A guerra pelo desejo de doação acontece primeiro, antes de Chanucá, e depois a segunda guerra pelo desejo de recepção. Estes são os dois tipos completamente diferentes de guerra, então deve haver uma pausa entre eles.

Mudamos nossa abordagem: primeiro, queríamos alcançar o grau de Bina; portanto, não usamos nosso desejo de desfrutar. Quanto mais rejeitamos nosso ego, mais nos aproximamos de Bina. Após a conclusão desta guerra, recebemos a lanterna com óleo que queimou durante oito dias. Assim, vemos que todo o nosso caminho estava iluminando essas oito velas, a Luz da doação e alcançando a qualidade de Bina.

E agora que estamos no nível de Bina, começamos a unir os desejos de receber para nós mesmos, de receber a fim de doar. Isto é, nós gradualmente descemos de Bina, cada vez pegando um certo desejo para usá-lo para doar até trazê-lo para Bina, para doar. Este é o trabalho de Purim.

Nossa abordagem muda drasticamente de uma guerra para outra. No começo, nós tínhamos um mandato: não receber nada! E agora, é o oposto: receber, mesmo que venha com algumas restrições. Essa é uma atitude diferente, um objetivo diferente.

Chanucá não é uma construção. Nós não construímos nada, mas apenas procuramos centelhas entre as ruínas, nos destroços de um desejo quebrado de desfrutar. Depois disso, a construção do Templo começa com o uso desse desejo de desfrutar. Isto é, nós conseguimos uma conexão comum, incluindo o egoísmo de cada um como material de construção.

A parada de descanso é necessária porque você não pode passar gradualmente de uma guerra para outra. No início, a guerra foi contra a recepção. E quando atingimos o auge dessa rejeição da recepção em todos os níveis e graus de Malchut, ou seja, o nível de Bina, então não temos escolha senão parar antes que o novo trabalho comece.

O milagre de Chanucá consiste em receber a Luz de cima devido a todos os nossos esforços, o que nos ajuda a encontrar o balde de óleo limpo, acendê-lo, concluir a guerra e começar a nova batalha depois de algum descanso. Toda a ajuda recebida de cima é o milagre.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá de 3/3/18, Lição sobre o Tópico “Chanucá

1 Minuto 27:30
2 Minuto 46:50
3 Minuto 49:25
4 Minuto 1:08:22

Comente