Textos arquivados em ''

Thrive Global: “Chanucá: Definindo Uma Semana Para A Transformação Da Vida”

A Thrive Global publicou meu novo artigo: “Chanucá: Definindo Uma Semana Para A Transformação Da Vida

A palavra “Chanucá”, do hebraico “ Hanu-Koh ”, ou “pare aqui”, representa o primeiro estágio do desenvolvimento espiritual, um processo de corrigir o desejo de desfrutar de si mesmo e de invertê-lo em um desejo de doação aos outros. Estado que nos liberta das trevas.

Chanucá não é apenas mais uma semana no calendário judaico. Pode ser usada como uma pausa dedicada à iluminação pessoal, uma semana reservada à transformação da vida. O feriado de Chanucá significa a vitória da luz sobre a escuridão, da unidade sobre a divisão. De fato, tal vitória requer não menos do que um milagre, mas é uma que está ao nosso alcance. Precisamos apenas saber acender a vela e fazer acontecer.

Através de nossa conexão, nós atacamos a escuridão e acendemos a luz em nossas vidas. Este é o brilho de Chanucá, o feriado da luz. Tal como acontece com um fósforo, um pouco de atrito se transforma em uma chama reluzente.

De todas os feriados (festas), Chanucá e Purim são considerados especiais por muitas razões. Primeiro, a Torá não faz menção a eles. Em segundo lugar, após a conclusão completa das correções da humanidade, é dito que todos os feriados serão cancelados, exceto estes dois. De acordo com a sabedoria da Cabalá, Chanucá e Purim são da maior importância, porque ambos estão diretamente conectados à reconstrução do Templo, que simboliza o lugar onde o Criador e a criação se ligam.

A ruína do Templo representa uma quebra desse vínculo entre nós. Reconstruir esse vínculo significa alcançar toda a abundância e bondade de nossa existência. Esta é a missão dos Cabalistas.

Como um homem sedento tentando tirar água com um balde furado, que deve primeiro fixar o recipiente antes que possa enchê-lo e beber, a pessoa que se sente separada da espiritualidade deve primeiro consertar o vínculo com o Criador antes de poder receber a iluminação oferecida.

Para viver uma vida com propósito, precisamos ascender através de um ciclo de desenvolvimento espiritual chamado “um ano”. Em cada ciclo ascendente, enfrentamos os mesmos desejos encontrados anteriormente, mas em graus cada vez mais altos a cada vez. Enquanto fazemos isso, encontramos marcos recorrentes de mudanças internas, discernimentos e situações que visam elevar-se ao próximo grau espiritual, a correção da alma. Os Cabalistas chamam esses graus de “feriados” e “Shabats” (sábados).

Os feriados e o sábado em nosso mundo foram determinados pelos Cabalistas para fornecer uma estrutura de comportamentos de acordo com nosso trabalho no mundo espiritual interior. Essa é a razão pela qual celebramos os feriados todos os anos e no Shabat (sábado) a cada semana.

Parada em um Caminho Iluminado

A palavra Chanucá, do hebraico “Hanu-Koh”, ou “pare aqui”, representa o primeiro estágio do desenvolvimento espiritual, o processo de corrigir o desejo de desfrutar para si mesmo e de invertê-lo em um desejo de doação aos outros, um estado que nos liberta das trevas. A escuridão se manifesta como separação, conflitos, argumentos, competitividade implacável e o desejo de explorar e dominar os outros.

Nossa luta interna para superar nossa natureza egoísta é o que chamamos de “A Guerra dos Macabeus contra os Gregos”, ou seja, “Gregos” simbolizando características que anseiam pelo controle sobre nós.

A vitória sobre os gregos é a base do caminho de qualquer pessoa na escada espiritual. Este triunfo nos permite realizar correções que levarão à correção final – Purim – quando alcançamos a infinita generosidade que o Criador preparou para todos.

Quando pudermos nos alegrar com os sucessos uns dos outros, compartilhar nossas preocupações, em conexão mútua, perceberemos o que a natureza tenta nos ensinar: que pertencemos a um único corpo. Se dermos apenas o menor passo nessa direção, veremos milagres no caminho. Vamos ver como uma pequena lâmpada, o menor pote de óleo, acenderá um fogo forte e quente que ilumina a vida de todos.

Qual é o Milagre de Chanucá?

Superar nosso ego – o desejo de desfrutar às custas dos outros – requer elevar-se acima de nossa natureza, e isso é considerado um milagre. Instintivamente, nosso ego governa nossa existência, mesmo que o resultado cause um efeito bumerangue que nos traz sofrimento. Como esse milagre acontece? Toda vez que nos conectamos uns com os outros, a força que é superior a todas as outras forças, obstáculos e condições, é atraída para a ação e os milagres se manifestam diante dos nossos olhos.

Embora um milagre seja um fenômeno sobrenatural, somos capazes de fazê-lo acontecer sempre que escolhemos uma conexão mais próxima acima de todos os tipos de resistência. Hoje, se quisermos nos elevar acima do nosso ego e tentar nos conectar positivamente com os outros, uma força superior completamente nova será revelada dentro de nós, e com sua ajuda, seremos capazes de trazer paz, amor e união ao mundo.

Vamos girar juntos em torno deste objetivo exaltado para inflamar o espírito de unidade, iluminar nossas vidas e irradiar alegria e satisfação para todos.

Feliz Chanucá!

“Uma Rede De Pensamento Judaico: A Arma Mais Poderosa Para Combater O Antissemitismo” (The Times Of Israel)

Meu novo artigo foi publicado recentemente no The Times of Israel: “Uma Rede De Pensamento Judaico: A Arma Mais Poderosa Para Combater O Antissemitismo

Quando a palavra “judeu” se torna um insulto, há uma razão para se preocupar. Essa é a realidade que uma professora de escola experimenta na Europa de hoje, pois ela precisa esconder sua religião por medo de sua segurança. Uma pesquisa recente realizada pela CNN confirmou que o ódio contra os judeus na Europa nunca desapareceu. Acabou de se transformar em uma ameaça mais evidente. Está em nossas mãos, ou mais precisamente, no poder de nossos pensamentos como povo judeu mudar esta situação, porque os pensamentos têm poderes transformacionais.

A pesquisa da CNN revelou que um em cada cinco europeus justifica o antissemitismo. No entanto, estes são apenas os que admitem isso. O problema não é apenas no solo europeu. É global. Em uma cúpula recente para combater o antissemitismo, o presidente do Congresso Judeu Europeu, Dr. Moshe Kantor, mencionou que “a Europa não tem mais o monopólio do antissemitismo. Nenhuma comunidade judaica em qualquer lugar do mundo, por mais forte e bem organizada, está agora imune ao ódio aos judeus”.

Situações excepcionais levam à proposta de medidas extraordinárias. Na conferência realizada em Viena, um “Catálogo de Políticas para Combater o Antissemitismo” foi elaborado com a ajuda de acadêmicos de Viena, Tel Aviv e Nova York. Uma nova abordagem sugeriu uma chamada para novas edições da Bíblia e do Alcorão para levar mensagens de aviso para destacar “passagens antissemitas” dentro dos textos sagrados.

Esses textos são realmente uma fonte de incitação contra os judeus? Tais marcas realmente serviriam para “combater o antissemitismo”? E mais importante, que poder temos como judeus para erradicar a hostilidade contra nós?

Antissemitismo Religioso?

Pesquisadores conectam o antissemitismo a seções da Bíblia sobre os judeus sendo responsáveis ​​pela crucificação de Cristo e às seções no Alcorão que os jihadistas fanáticos usam para justificar sua cruzada contra os judeus e os valores ocidentais. Em abril de 2018, um grupo de 300 intelectuais e políticos franceses assinou um manifesto aos líderes islâmicos na França pedindo que “versos do Alcorão pedindo a morte e a punição de judeus, cristãos e incrédulos sejam tornados obsoletos pelas autoridades teológicas”, para evitar o que eles consideram como incitamento à violência.

No entanto, depois de anos de planos e reuniões anti-ódio para discutir os tempos assustadores, vemos alguma mudança? De fato, algo mudou, mas não em uma direção positiva. O antissemitismo está implacavelmente em ascensão em todo o mundo e o futuro parece cada vez mais sombrio.

Como nenhuma das soluções propostas funcionou até agora, talvez seja hora de uma nova abordagem? Nós, judeus, não precisamos procurar mais do que nossa própria herança para descobrir a arma infalível, uma força suficiente para eliminar o antissemitismo de uma vez por todas. A sabedoria da Cabalá afirma que, com uma mudança em nossa consciência coletiva, podemos criar um campo de força poderoso o suficiente para apagar as manifestações antissemitas da Terra.

Nosso estado interno de divisão ou unidade cria nossa realidade externa e não vice-versa. Ao mudar nossa intenção de nos unir como um, nos harmonizamos com a força da criação, e a realidade é afetada pela energia que irradiamos. Como isso funciona? Para entender como esse escudo defensivo é construído, precisamos explorar o desenvolvimento dos sistemas de defesa da humanidade.

O Poder do Pensamento

A evolução dos sistemas de defesa até a bomba atômica, demonstra que quanto mais forte é uma arma, mais oculta é para o olho humano e mais pesadas são suas consequências. O ciberespaço, por exemplo, poderia ser o campo de batalha moderno para uma possível guerra mundial se o “botão vermelho” imaginário caísse em mãos erradas.

Levando essa tendência um passo adiante, a arma mais poderosa e precisa que está sendo revelada hoje é o poder do pensamento, embora similarmente, não tenhamos consciência de sua magnitude e dimensão por causa de sua invisibilidade. A comunidade científica afirma que estamos conectados no nível humano em um campo que é ativado através da nossa consciência coletiva ou pensamentos. Esse campo é semelhante à força da gravidade, da eletricidade ou do campo eletromagnético, na medida em que sua operação exata é ocultada dos sentidos humanos.

A Cabalá explica que tal força unificadora é uma lei da natureza – uma rede de forças que nos une – ainda não aparente para nós, mas influencia cada aspecto de nossa realidade mais do que qualquer outra força. O poder do pensamento é tremendamente poderoso e seu escopo de ação está na rede de nossa conexão: somos tão fortes quanto somos unidos e tão fracos quanto somos divididos. Somos nós que constantemente operamos essa rede, só precisamos nos conscientizar dela e descobrir como, conscientemente, a fazemos funcionar para nosso benefício coletivo.

O poder que atualmente controla essa rede é uma força divisora ​​negativa de rejeição e ódio ativada por nossa natureza egoísta. Ele nos atinge como ondas de fanatismo e animosidade das nações do mundo. Inconscientemente, as nações do mundo sentem que os judeus possuem as chaves que ativam esta rede para uma mudança positiva, incitando-nos a reconhecer nossa missão.

Elas estão Corretos.

Como declarado no Livro do Zohar: “Assim como os órgãos do corpo não podem existir por um momento sem o coração, todas as nações não podem existir no mundo sem Israel”. Então, como podemos efetivamente ter um impacto significativo na realidade de hoje? Isso pode ser facilmente alcançado através do uso efetivo da rede mais abrangente que abrange a humanidade: o ciberespaço.

Primeiro, os judeus devem ser um exemplo de coesão, compreensão e solidariedade mútua acima das diferenças, o que nos tornaria uma força esclarecedora para o resto do mundo. Como expressado pelo Rav Kook, “O movimento genuíno da alma israelense em sua maior grandeza é expresso apenas por sua força sagrada e eterna, que flui dentro de seu espírito. É o que a fez, está fazendo, e fará ainda uma nação que permanece como uma luz para as nações” ( Cartas do RAAIAH, 3).

Nossos pensamentos, atraindo-nos para a unidade e suavizando as atitudes críticas em relação uns aos outros, têm o poder de evocar uma força positiva dentro da rede de comunicação entre nós – uma força capaz de neutralizar gradualmente o ódio e trazer equilíbrio. Este é o poder capaz de nos proteger e nos levar a um bom futuro.

Como cada caminho começa com um primeiro passo, cada pequeno pensamento de cada um de nós em direção à conexão humana positiva aumentará exponencialmente e causará grandes mudanças em nossa realidade, porque o poder do pensamento é a arma mais poderosa.

“Não se surpreenda que as ações de uma pessoa tragam elevação ou declínio para o mundo todo, pois é uma lei inflexível que o geral e o particular são tão idênticos quanto duas ervilhas em uma vagem… Evidentemente, o valor de um ato de uma parte eleva ou diminui o todo.

– Cabalista Rav Yehuda Ashlag, Introdução ao Livro do Zohar, item 68.

Onde Você Pode Obter A Força Para Ver Os Amigos Superiores A Você?

laitman_528.02Pergunta: Se a meta está clara para mim e é claro que preciso me anular diante de seus amigos, onde conseguirei força para vê-los superiores a mim?

Resposta: Eu entendo que isso não vem facilmente, às vezes leva anos. Mas esforços constantes atraem a Luz superior, gradualmente dando à pessoa a consciência de que este trabalho é que é importante e necessário.

Pergunta: Então eu devo fechar meus olhos para o comportamento dos meus amigos que parecem sem foco no objetivo e apenas tentar ver o que os impulsiona?

Resposta: No trabalho espiritual, devemos tratar uns aos outros como se a visão do Criador nos manifestasse dessa maneira. Isto é, eu não vejo um amigo, mas o que o Criador me mostra nele.

Claro, seu comportamento pode ser interpretado de várias maneiras, mas eu devo sempre tratá-lo com amor. Se temos um objetivo comum, se estamos ligados um ao outro no Criador, não pode haver outro relacionamento.

De KabTV “A Última Geração”, 09/05/18

“O Brexit Pode Nunca Acontecer” (Medium)

O Medium publicou meu novo artigo: “O Brexit Pode Nunca Acontecer”.

Chegou a hora de um tipo diferente de conexão que não é baseada no egoísmo, sobre o qual o sistema atual é construído.

Graças à recente Cúpula de Bruxelas, existe agora um acordo sobre a retirada do Reino Unido da União Europeia, mas duvido que isso realmente aconteça. Levou 20 anos para conectar todos esses países em uma única entidade, e acredito que serão necessários pelo menos mais 20 para desmontá-la.

A Europa está começando a se desintegrar. Foram-se os dias quando a Europa costumava pensar na unificação e era atraída pela ideia de unificação. Todos os países da UE queriam fazer parte da nova entidade e pagaram caro pela perda de sua independência.

Hoje, as tendências nacionalistas estão novamente em ascensão. Por exemplo, os dois principais centros da UE, Alemanha e França, estão passando por momentos muito difíceis e é apenas o começo. Eles têm medo de perder sua identidade e estabilidade. Em comparação com países como a China, a Índia e a Ásia em geral, eles não são mais o centro do mundo. Se até recentemente eles eram os centros culturais e educacionais do mundo, eles recentemente se encheram de migrantes e estão ocupados lidando com eles, e não podem mais mostrar ao mundo que são verdadeiramente um centro cultural.

É uma situação complicada. Se perdermos a cultura e a educação da Europa, não temos a menor ideia do rumo que o mundo seguirá. No entanto, ainda não conseguimos compreender como o mundo perde sua estabilidade devido à perda da Europa como base da cultura ocidental e da educação humana. Ele se desenvolveu nos últimos 2.000 anos no pano de fundo de Roma, Grécia, Judaísmo e Cristianismo. Basicamente, não estamos atentos para o fato de que os elementos centrais da humanidade estão sendo substituídos e, como resultado, a sociedade e a cultura ocidentais estão em declínio.

A humanidade tem um fundamento interior e transcendental. Não é tão aparente, mas esta base interna é parte do nosso DNA. Assim como herdamos os genes dos nossos pais, herdamos a cultura, a educação, a ciência e o acesso ao modo de vida europeu. América, América do Sul, Ásia, Índia, China e todo o desenvolvimento colonialista emergiram de tal abordagem, e não conseguimos imaginar um mundo que perde o elemento europeu. Seria um mundo completamente diferente daquele que hoje conhecemos, um que seria mudado para sempre.

A influência da Europa no mundo sempre foi extremamente importante. Ela andou de mãos dadas com o poder econômico dos EUA e influenciou a Índia e a China. Agora que essas relações estão desaparecendo, é difícil dizer o que o futuro reserva.

Eu não consigo nem encontrar as palavras para expressar o quão fortemente me sinto sobre esse assunto. A Europa como a infraestrutura cultural e educacional do mundo estava se desenvolvendo há 2.000 anos. Até a estrutura de nossos governos vem da abordagem europeia. Todas essas coisas estão perdendo sua fundação.

Assim como o divórcio é um processo difícil, agora será extremamente difícil para a Inglaterra se livrar. Chegou a hora de um tipo diferente de conexão que não é baseada no egoísmo, sobre o qual o sistema atual é construído. O fim da União Europeia, na verdade, marca o fim do mundo que reinou por milhares de anos, demonstrando claramente que não estamos caminhando para uma direção sustentável. O fundamento egoísta não nos deixa conectar de uma maneira positiva e está nos levando de um desastre para outro.

A única esperança da Europa neste ponto é embarcar em um novo caminho, implementando uma nova forma de educação, que enfatize como se conectar, colaborar e cooperar acima da base egoísta. Se não conseguirmos nos conectar acima de nossas divisões egoístas, simplesmente sentaremos e deixaremos que as forças egoístas destruam tudo de positivo sobre a Europa. Não haverá mais como voltar a como as coisas eram.

A aproximação da crise econômica irá acelerar este processo e realmente abalar a Europa. Assim que a estabilidade econômica acabar e as pessoas não tiverem comida para comer, as falhas da sociedade se tornarão claramente visíveis. Por um lado, temos uma abundância de mercadorias e alimentos excedentes e, por outro lado, ninguém quer dar nada a ninguém. Qual é a lição a ser aprendida com essa união mal sucedida? É que estamos nos mudando para um novo mundo.

Em que se baseou realmente a União Europeia? Por que todos esses países decidiram se conectar apesar das guerras e do profundo ódio? É porque eles estavam com medo. A França estava com medo da Alemanha. A Alemanha estava com medo de todos os outros que estavam pressionando-os. Eles queriam se unir por razões egoístas e é por isso que isso falhou de forma tão espetacular. O caso Brexit pode se arrastar indefinidamente, mas uma coisa é certa, a Europa nunca mais será a mesma.