The Times Of Israel: “Por Que Israel Deve Lutar Em Duas Frentes”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Por Que Israel Deve Lutar Em Duas Frentes

Os moradores do sul de Israel estão certos em protestar. Eles exigem tranquilidade, e eu concordo com a dura crítica deles à liderança de Israel. Sua disposição de permanecer em seus abrigos para permitir um ataque temporário que traga de volta sua vida normal atesta como eles estão cansados.

Israel deve dar um golpe decisivo na infraestrutura do terror na Faixa de Gaza: exigir que o Hamas desmonte suas armas e pare seu domínio no solo. Esmagar o terror completamente e impedir que ele levante a cabeça. Assim, no mínimo, obteremos relativa tranquilidade nos próximos anos e permitiremos que as crianças do sul durmam sem medo.

Infelizmente, a atual rodada de foguetes provou mais uma vez o que aprendemos ao longo da história: uma organização terrorista jihadista entende apenas a força. Eles não estão interessados ​​em chegar a um acordo ou reconciliação conosco. Não importa se levantamos o cerco, abrimos a fronteira, permitimos a infraestrutura, pressionamos por ajuda internacional ou injetamos milhões de dólares em dinheiro. Assim, não temos escolha a não ser responder com tanta força que vai paralisar a capacidade do Hamas de nos prejudicar.

Eu não peço guerra, e certamente não quero prejudicar a população inocente de Gaza. Mas enquanto estivermos no meio de uma batalha contínua, devemos responder com toda a severidade e manter a vantagem; como está escrito: “quem vem para matar você, levanta cedo para matá-lo primeiro”.

A fraqueza de nossa liderança revela até que ponto sua visão foi distorcida, tentando continuamente convencer o mundo de que Israel é moral e justo. O mundo, no entanto, não está impressionado. Pelo contrário, a mídia internacional continua a pintar uma imagem falsa da realidade em Israel. Só é preciso olhar para a imprensa europeia, por exemplo, para notar as manchetes que retratam Israel como o agressor, depois de um dia com quase 500 foguetes disparados contra civis israelenses. Portanto, o que o mundo pensa não pode ser levado em consideração por nossos líderes.

Não há dúvida de que a próxima rodada será mais dolorosa. Demos um passo sério para trás, contra nós mesmos e contra a segurança de nossos filhos. O Hamas, por outro lado, está comemorando seu sucesso em provocar um terremoto político em Israel, após a renúncia do ministro da Defesa. Eles – e o mundo inteiro – concluíram que Israel é fraco.

No entanto, eu relaciono nossa fraqueza a um único fator: a falta de alicerce espiritual no povo de Israel. Ao contrário de qualquer outro povo ou nação do mundo, somos obrigados a lutar em duas frentes: a física e a espiritual. Temos que proteger a segurança de nossos moradores e defender nossas fronteiras com grande fervor; e ao mesmo tempo, devemos atacar nossa divisão a todo custo. Esta é a verdadeira guerra para Israel.

Todos nós tomamos parte na frente espiritual, e agora fomos pegos de surpresa. Nós devemos alcançar um cessar-fogo entre nós. Este é o fogo que convida nossos inimigos a entrar em nossa casa e fazer o que quiserem.

Todos nós sem exceção – líderes e soldados, políticos e cidadãos, direitistas e esquerdistas, religiosos e seculares – devem estar vigilantes contra o inimigo dentro de nós, a serpente que nos separa uns dos outros. Somente quando unirmos forças contra nossa própria divisão, despertaremos a base espiritual de nosso povo.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, a conexão espiritual entre nós é a nossa única salvação. Ela irá construir um muro contra nossos inimigos. E o mundo inteiro está inconscientemente esperando pelo poder que reside na unidade de Israel. Até mesmo o Hamas.

Comente