Newsmax: “Entendendo As Eleições De Meio De Mandato A Partir De Uma Perspectiva Global”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo: “Entendendo As Eleições De Meio De Mandato A Partir De Uma Perspectiva Global

“A única coisa de que me arrependo é que matei dois policiais … Eu gostaria de ter matado mais …” disse o imigrante ilegal Luis Bracamontes com um sorriso diabólico no rosto. Então veio o título, “Quem Mais Os Democratas Deixaram Entrar?” Para finalizar o vídeo postado pelo presidente Trump em seu perfil no Twitter.

A crise da imigração está aprofundando a polarização social nos EUA, colocando lenha na fogueira do discurso público e dividindo a América em dois campos muito distintos: ou você é “a favor dos imigrantes” ou é “a favor da América”. Em termos políticos, você pertence ao campo Trump ou pertence a qualquer outro campo.

Mas como os imigrantes roubaram todos os holofotes? Por que essa questão específica conseguiu dividir os EUA tão profundamente?

O que está acontecendo na maior superpotência do mundo é parte inseparável de um processo que está ocorrendo em todo o mundo. Para entender melhor, vamos navegar para a Europa, onde a crise da imigração é muito mais evoluída.

Quando uma família alemã envia seus filhos para uma escola mista, juntamente com filhos de imigrantes, quando cafés, transportes públicos e cinemas estão cheios de pessoas de culturas estrangeiras, eles se perguntam: este é o resultado desejado da União Europeia? Foi isto que previmos do projeto de mercado comum europeu?

A resposta – para muitas famílias e indivíduos, seja na Alemanha, na Inglaterra, na República Tcheca, em Portugal ou em outros países da UE – é cada vez “não”. Os europeus estão desenvolvendo uma reação antagônica à nova realidade para qual estão despertando todos os dias.

Além disso, a política de fronteiras abertas estabelecida por Angela Merkel e outros líderes da UE trouxe enxames de imigrantes muçulmanos que necessitam de uma nova agenda em países europeus. Questões como o uso de burcas para as mulheres, o consumo de álcool e carne de porco nos festivais e a separação entre homens e mulheres tornaram-se de repente parte da vida europeia.

Cerca de 30 anos após o estabelecimento da União Europeia, os europeus estão começando a se sentir desiludidos e ameaçados. Sua longa história, sua cultura gloriosa, sua herança comum, tudo parece perder seu status e escorregar por entre os dedos. Daí sua crescente necessidade de proteger sua identidade única, seu “eu” europeu.

Em termos políticos, o resultado é o isolacionismo, o nacionalismo e a tração da política de direita em vários formatos e tamanhos. Assim, não é de se admirar que a Europa esteja olhando ansiosamente para as eleições de meio de mandato nos EUA, tentando decifrar se o Trumpismo é uma moda passageira ou apenas o começo da próxima era política.

A resposta para isso requer uma visão mais ampla: a sociedade humana está se desenvolvendo em todo o mundo em direção a uma conexão integral, e isso acontece através de um movimento cíclico de “contração” e “expansão”, semelhante a um processo de respiração.

O final do século XX e o início do século XXI levaram a um processo sem precedentes de “expansão”, expresso através da globalização do comércio e comércio, a abertura de fronteiras, a internet transformando o mundo em uma pequena aldeia global, o estabelecimento de novas instituições internacionais e outros elos e dependências intrincados em todo o mundo.

Nos últimos anos, no entanto, estamos testemunhando um crescente processo de “contração”: o Brexit britânico, a crescente força e relevância de vários movimentos de direita e a ascensão meteórica de Trump, que está motivando e inspirando outros líderes em todo o mundo. Apenas alguns dias atrás, o líder populista brasileiro Jair Bolsonaro ganhou o apelido de “Trump dos Trópicos”.

Expansão e contração, conexão e separação, cosmopolitismo e nacionalismo, são ciclos naturais. São dois processos opostos que complementam o desenvolvimento humano. Como duas pernas para andar.

O que é importante entender é que a demanda por um senso único de identidade em cada pessoa e nação não desaparecerá do mundo. No entanto, a interdependência global que foi tecida só ficará mais forte e não seremos capazes de escapar dela. Portanto, a sociedade humana está se movendo em direção a uma mudança inevitável e fundamental que está muito além da política.

O bom futuro da humanidade envolve um desenvolvimento fundamental na percepção humana: cada pessoa ou nação individual manterá sua identidade única sem suprimi-la de forma alguma, e ainda assim agirá para realizá-la para o bem comum. É uma fase evolutiva que requer desenvolvimento além da natureza egoísta do homem. Portanto, antes de discutir a integração das nações, a abertura das fronteiras, a criação de mercados comuns e acordos globais, devemos nutrir um nível mais elevado de conexão humana.

A Rússia comunista já nos demonstrou no século passado que, mesmo com um regime agressivo, é impossível unir os seres humanos e forçá-los a viver uma vida cooperativa. O Cabalista “Baal HaSulam” descreve isso em seu artigo “A Paz”: “… qualquer um pode ver como uma grande sociedade como a nação Russa, com centenas de milhões de habitantes, com mais terra do que toda a Europa, e que já concordaram em liderar a vida comunitária … E ainda assim, vão e vejam o que aconteceu com eles: em vez de crescerem e excederem as conquistas dos países capitalistas, eles se afundaram cada vez mais”.

De volta às eleições de meio de mandato nos Estados Unidos: Se Trump será fortalecido ou enfraquecido, o movimento de contração continuará por natureza até que cumpra seu propósito evolutivo. É o que o nosso tempo exige, para equilibrar o desenvolvimento humano.

A humanidade – e não apenas a América – precisa perceber que a correta integração entre as culturas e a benéfica abertura das fronteiras só ocorrerá quando chegarmos a um novo nível de consciência humana. A natureza está nos ensinando uma lição importante a cada dia: somente cultivando a conexão humana – acima e sem eliminar todas as nossas diferenças – podemos construir uma base sólida para uma saudável reorganização da sociedade humana.

Então, cada pessoa e cada nação pode manter sua singularidade e até mesmo aproveitá-la para o benefício do mundo.

Comente