Medium: “O Pedido De Desculpas Do Primeiro-Ministro Canadense Trudeau Aos Judeus Alemães Chega Ao Nível De Antissemitismo Nos EUA E No Canadá”

Meu artigo no Medium: “O Pedido De Desculpas Do Primeiro-Ministro Canadense Trudeau Aos Judeus Alemães Chega Ao Nível De Antissemitismo Nos EUA E No Canadá

O Primeiro-Ministro Trudeau, do Canadá, encontra-se com a sobrevivente do MS St. Louis, Ana Maria Gordon, em Ottawa (Reuters):

Tentando escapar das atrocidades da Alemanha nazista, cerca de 900 refugiados judeus a bordo do navio de St. Louis foram impedidos de entrar no Canadá em 7 de junho de 1939. Foi um dos muitos pedidos rejeitados para obter asilo no continente norte-americano, antes do transatlântico ter retornado aqueles a bordo para um porto seguro em quatro países europeus. Infelizmente, 254 dos seus passageiros morreram posteriormente no Holocausto.

Foi precisamente a acusação de que estavam fugindo, motivada por uma série de acontecimentos na Alemanha, que colocou em risco a vida dos judeus: a ascensão de Adolf Hitler e do Terceiro Reich, leis discriminatórias contra cidadãos judeus, as Leis de Nuremberg e as revoltas de Kristallnacht pelos nazistas em 1938. Durante os pogroms na Alemanha e na Áustria, mais de 90 judeus foram mortos, centenas de sinagogas foram incendiadas, e cerca de 30.000 judeus foram presos e enviados para campos de concentração.

O St. Louis partiu em 13 de maio de 1939, quando o navio de luxo partiu de Hamburgo, na Alemanha, e chegou a Cuba como escala para os Estados Unidos. Mas o governo cubano não permitiu que os passageiros desembarcassem e manteve o navio no porto por dias. As autoridades se recusaram a aceitar os refugiados estrangeiros, apesar do fato de terem vistos legais previamente adquiridos. O aumento do antissemitismo e as recentes mudanças nos regulamentos de imigração em Cuba restringiram sua entrada.

Após a recusa, o barco partiu para a costa da Flórida em busca de asilo americano, mas o presidente Franklin D. Roosevelt negou o recurso. O governo argumentou que os refugiados a bordo do navio tinham que esperar sua vez como qualquer outra pessoa em uma longa fila de requerentes de asilo. Após a rejeição, o St. Louis começou a voltar para a Europa.

Ciente da emergência humanitária, um grupo de canadenses tentou sem sucesso convencer seu governo a fornecer refúgio aos refugiados. A resposta oficial foi que “nenhum país pode abrir suas portas o suficiente para receber as centenas de milhares de judeus que querem deixar a Europa”.

O navio então continuou seu curso para o Velho Continente e atracou na Bélgica, e de lá os passageiros foram dispersos para a França, Holanda e Reino Unido. Mas durante a Segunda Guerra Mundial, muitos deles caíram sob o controle nazista, colocando os refugiados novamente em perigo. Muitos sobreviveram, mas centenas foram enviados para campos de concentração e morreram.

“Pedimos desculpas aos 907 judeus alemães a bordo do MS. Saint Louis, assim como suas famílias”, disse recentemente o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, na Câmara dos Comuns. “Usamos nossas leis para mascarar nosso antissemitismo, nossa antipatia e nosso ressentimento”. Ele acrescentou: “Lamentamos a insensibilidade da resposta do Canadá. E sentimos muito por não pedir desculpas mais cedo.

O mea culpa de Trudeau surge no momento em que o antissemitismo está globalmente em alta, com o Canadá e os Estados Unidos não sendo exceção. O ataque mortal à sinagoga da Árvore da Vida em Pittsburg não foi um incidente isolado nos EUA. O antissemitismo nos campi, na internet, ataques físicos contínuos e não provocados em cidades como Nova York, vandalismo contra sinagogas e casas particulares são apenas algumas das manifestações do ódio cada vez mais desenfreado na América em relação aos judeus.

Com o estabelecimento do Estado de Israel, o povo judeu pode sentir que existe um refúgio seguro. De fato, à beira de uma crise insuportável, nenhum país, nem mesmo os EUA ou o Canadá, será incondicional a nós, defenderá nossos interesses e nos protegerá de ameaças existenciais antissemitas. As ondas do antissemitismo moderno que agora atormentam os judeus na Europa deveriam servir como um lembrete de nossa missão: unir-se. Esse é o nosso único seguro de vida.

Não temos ninguém em quem confiar, a não ser em nós mesmos. Tudo depende de nós. Os judeus são responsáveis ​​por tudo o que acontece no mundo, seja para o bem ou para o mal. Como está escrito: “Não há calamidade que venha ao mundo senão a Israel” (Tratado Yevamot 62a).

Enquanto isso, não nos sentimos assim, mas a sabedoria da Cabalá explica que é assim que o sistema de comunicação humano é construído desde dentro. O Livro do Zohar compara a conexão entre Israel e o mundo com os órgãos do corpo humano: “Israel entre as outras nações, como um coração entre os órgãos, e como os órgãos do corpo não poderiam existir no mundo nem mesmo um momento sem o coração, todas as nações não podem existir no mundo sem Israel”. Todas as acusações, toda perseguição, toda rejeição, toda raiva e ameaça expressam a exigência mundial de que o povo judeu, onde quer que esteja, cumpra seu papel e lidere a humanidade para a felicidade e uma vida significativa.

Inconscientemente, a humanidade sente que os judeus têm a solução para todos os seus problemas e a chave para sua felicidade. A pressão global sobre Israel é guiada pelo programa de desenvolvimento humano definido na natureza, como o Rav Kook escreveu no início dos anos 1900: “Israel é o segredo para a unidade do mundo”. Se assim for, mais cedo ou mais tarde a nação judaica deve cumprir seu papel para com a humanidade e ser uma “luz para as nações” – para servir como um bom exemplo de uma sociedade civilizada na qual todos vivem em solidariedade mútua e amor fraterno acima de todas as diferenças. Só então poderemos navegar para um mundo novo e bom. Como nossos sábios disseram: “Se eu não sou por mim, quem é para mim; e se eu sou (somente) por mim, o que sou eu. E se não for agora, quando?”- Hillel, Ética dos Pais, 1:14

Comente