The Times Of Israel: “Por Que O Mundo Nunca Fica Cansado De Odiar Os Judeus”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo “Por Que O Mundo Nunca Fica Cansado De Odiar Os Judeus

Como fazia todas as manhãs, Leopold Schwartz (62) caminhava até a sinagoga de Borough Park, no Brooklyn. Às 7h30, conforme documentado por câmeras de segurança no entroncamento do bairro, um dos motoristas saiu do carro e atacou brutalmente Schwartz, que ficou atordoado e não pôde fazer muito para se defender.

“Eu tentei me proteger, tentei fugir”, diz Schwartz. “Eu gritei: ‘O que você quer de mim ?!’ E quando Schwartz caiu, o atacante continuou a espancá-lo com todas as suas forças até que um homem que passou pela área veio e tentou ajudar Schwartz. Mais tarde descobriu-se que ele também foi atacado e ferido.

Este incidente escandaloso não é o primeiro caso de violência desde o começo da semana. Em um vídeo chocante, outro judeu parece correr por sua vida nas ruas de Nova York, quando é perseguido por um valentão que está batendo nele vigorosamente com uma bengala. Em Londres, uma judia idosa que protestou contra o antissemitismo foi chutada na cara. E estes são apenas alguns dos incidentes relatados.

Certamente, esses atos violentos são uma extensão direta da propaganda antissemita em andamento. Não passa um dia sem difamação e ódio expressos ao povo judeu de uma forma ou de outra. Este folheto, por exemplo, foi publicado em quatro campi universitários dos EUA na semana passada.

Um olhar sobre a história judaica revela que um dedo culpado sempre foi apontado para eles. É como se houvesse um consenso tácito, transcendendo tempo e cultura, que “os judeus são culpados até prova em contrário”.

Numerosas vezes o povo judeu esteve diante da aniquilação, começando com o massacre de judeus durante as grandes revoltas contra os romanos e os gregos, através dos pogroms e perseguições realizadas sob a direção da Igreja, os libelos de sangue durante a Idade Média e a era moderna e, claro, o Holocausto na Alemanha nazista. Nenhuma outra nação foi ameaçada tantas vezes de ser apagada da realidade.

O que estamos testemunhando hoje é apenas mais uma expressão do padrão recorrente de ódio inerente e natural que sempre assombrou os judeus. Em todas as fases da história, o ódio aos judeus assume uma forma diferente e tem uma justificativa diferente, seja econômica, religiosa, política ou o que você tiver. Qualquer um pode encontrar o motivo que funciona para si.

A sabedoria autêntica da Cabalá tem uma explicação não ortodoxa para esse fenômeno. Em primeiro lugar, a Cabalá vê toda a humanidade como um único organismo ou uma única rede. Dentro dessa rede, o povo judeu é concebido como um minimodelo que reflete toda a humanidade e atua como um “hub” central, responsável pela conexão em toda a rede.

O Livro do Zohar retrata a conexão entre o povo judeu e o mundo à dos órgãos dentro do corpo humano: “Israel é como um coração entre os órgãos, e como os órgãos do corpo não poderiam existir no mundo nem mesmo um momento sem o coração, todas as nações não podem existir no mundo sem Israel” (Pinhas, 152).

Daí a demanda instintiva e profunda dos judeus, que pode facilmente se manifestar como ódio em nosso mundo. Com toda acusação, perseguição, rejeição ou ameaça – o mundo convida o povo de Israel a cumprir seu dever natural e permitir um novo nível de conexão em toda a humanidade.

Inconscientemente, o mundo sente que os judeus carregam certa responsabilidade por todos os problemas do mundo e detêm a chave para o seu futuro melhor. Assim, a pressão do mundo sobre os judeus está inserida na evolução da sociedade humana. Conforme escrito, “não há calamidade que venha ao mundo a não ser por Israel” (Tratado Yevamot, 63).

Mais cedo ou mais tarde, o povo de Israel terá que aceitar sua responsabilidade para com a humanidade e inaugurar o próximo nível de desenvolvimento humano. Judeus de todas as esferas da vida têm que dar o exemplo de unidade e conexão acima de todas as diferenças para o bem do mundo inteiro. Até que façamos isso, o mundo não se cansará de odiar os judeus.

Comente