Medium: “O Segredo Para Libertar-Se Dos Grilhões Do Tempo”

O Medium publicou meu novo artigo: “O Segredo Para Libertar-Se Dos Grilhões Do Tempo

Por que os minutos se arrastam quando você está com pressa, atrasado para um compromisso e esperando pelo que parece uma eternidade para os semáforos ficarem verdes? Como pode ser que o jovem piloto no carro à frente, que se distrai enquanto espera pela mesma luz verde, esteja surpreso que a luz ficou verde tão rápido quando suas buzinadas impacientes o interrompem? Um minuto se passou, mas cada um sente de maneira diferente de acordo com a perspectiva e as circunstâncias pessoais de cada um.

Isso ilustra o quão subjetivo é o tempo. Se a nossa experiência do tempo é subjetiva, pode haver uma maneira de nos tornarmos mestres do tempo em vez de sentirmos que o tempo controla nossa existência? Como poderíamos nos relacionar de maneira diferente com nosso passado, presente e futuro e assumir o controle ao longo do tempo?

A Ciência Da Percepção Do Tempo

Os cientistas descobriram que a percepção do tempo envolve processos ligados à memória, atenção e estados emocionais. O tempo voa quando estamos ocupados ou fazendo algo que consideramos excitante. Em contraste, os minutos se arrastam quando estamos entediados e não impressionados.

Nossa experiência do tempo depende da quantidade de prazer que recebemos. Mudanças em nosso desejo de gratificação criam uma sensação de passagem do tempo. É assim que cada momento de nossas vidas é compreendido e medido. Cada sensação é dividida em três estados: o que fizemos, o que estamos fazendo e o que antevemos fazer no futuro. Como nos relacionamos com essa compartimentação influencia toda a nossa vida. Ela define a maneira como pensamos, nossa capacidade de sentir o nosso presente e a estrutura que desenvolvemos para enfrentar tarefas diárias e criar estratégias para eventos futuros.

“Não existe um tempo único e uniforme, mas múltiplos tempos que experimentamos. Nossas distorções temporais são uma tradução direta da maneira pela qual nosso cérebro e corpo se adaptam a esses múltiplos tempos, os tempos da vida”, concluiu a cientista francesa Sylvie Droit-Volet, após múltiplos estudos sobre o assunto.

Os seres humanos vivem constantemente no passado, pensando que, se ao menos tivessem feito as coisas de maneira diferente, o resultado poderia ter sido melhor. Quantas vezes nós arrastamos essas análises para o presente à custa de viver a vida ao máximo? Não seria melhor aprender a aproveitar o momento, viver aqui e agora, curtindo a vida como se não houvesse amanhã? Além disso, e sobre esse território desconhecido chamado “o futuro”? É melhor tomar cada dia como ele vem ou se preocupar com o que acontecerá amanhã ou no próximo momento?

O Que Exatamente Você Deve Examinar Em Seu Passado?

Quando você olha para o passado, não deve se arrepender nem se culpar. O jeito que você é é como a natureza criou você, com um desejo de desfrutar que o controla a cada momento. Se você, por exemplo, prejudicou alguém no passado, foi porque não sabia que prejudicá-lo significava se prejudicar, já que não sentia sua unicidade com ele.

No entanto, o mundo é um todo completo. Toda a natureza está conectada e interdependente. Portanto, se ferirmos alguém no caminho para o nosso prazer pessoal, isso voltará como um bumerangue. Por outro lado, se criarmos conexões de amizade e amor mútuo com todos, asseguramos uma boa vida para nós a partir de agora até o final dos nossos dias.

Portanto, nosso único propósito quando avaliamos o passado é reconhecer o mal em nós, mas nunca nos arrepender e culpar. Devemos, então, olhar para o futuro e estabelecer uma intenção de corrigir nossa atitude a partir de então, fazer apenas o bem aos outros como faríamos por nós mesmos.

Nossa Existência Acima Do Tempo

Podemos viver acima dos cálculos do tempo, porque na verdade não há tempo. A sabedoria da Cabalá afirma que o tempo não existe. O tempo é apenas uma série de ações que ocorrem em nosso desejo de desfrutar, as mudanças internas pelas quais passamos durante o dia e ao longo da vida. Esses diferentes estados nos dão a sensação de tempo, e os medimos de acordo com a nossa existência corpórea.

Temos a sensação de que o tempo passa rápida ou lentamente quando refletimos sobre as coisas que acontecem conosco e quando refletimos sobre as consequências e as emoções. No entanto, o tempo não é experimentado de acordo com o número de segundos que se passaram, mas pelas mudanças de um estado para o outro. Portanto, uma unidade de tempo pode durar um minuto, uma hora ou um ano, mas a unidade permanece a mesma: a mudança da descida para a subida ou vice-versa. O cálculo real é sobre um sentimento de mais ou menos satisfação em nosso desejo. Acontece que tudo depende de nós, da nossa percepção subjetiva.

Até pouco tempo atrás, as pessoas achavam impossível que o tempo fosse relativo à percepção subjetiva. Então, o avanço científico de Einstein em sua Teoria da Relatividade Geral reforçou essa noção de tempo. Nossa sensação de tempo depende unicamente de termos mais ou menos prazer. Mudanças em nosso desejo por prazer criam nossa sensação de passagem do tempo. Sem esses estados mutáveis, perderíamos não apenas a sensação de tempo, mas a sensação da vida em geral.

Por exemplo, se nos sentíssemos “apenas neste momento”, seria o equivalente a morrer. Por quê? Porque os mortos estão livres da percepção do movimento do tempo e não sentem suas mudanças. No entanto, este não é o tipo de liberdade que uma pessoa procura, uma vez que não cumpre o propósito de nossas vidas.

Olhando Para O Futuro

Se estar acima da sensação do tempo não é o nosso objetivo, então qual é? Qual deve ser o propósito de nossas vidas? Precisamos descobrir o desenvolvimento de nossa linha de tempo pessoal de desenvolvimento e como controlar todo o espectro de nossas vidas. Isso significa que precisamos entender e aprender como gerenciar os estados internos pelos quais passamos. Precisamos esclarecer como podemos gerenciar e controlar o passado, o presente e o futuro através do que nos influencia a partir de uma fonte externa.

O que é essa “fonte externa”? É a fonte que controla toda a criação, a força da natureza, que é uma força de amor e doação. Se aprendermos sobre seus atributos fundamentais – amor e doação – e os igualarmos mudando nossas conexões de egoístas para altruístas, poderemos criar um ambiente positivo semelhante à força primária da natureza, uma que seja boa e eterna, verdadeiramente acima do tempo.

Acontece que tudo o que precisamos fazer é mudar nossos sentidos, nossas ferramentas de percepção. Precisamos substituir nosso programa egoísta, nosso sistema operacional atual, que sente as mudanças de tempo e começa a funcionar de maneira diferente, para funcionar em um programa altruísta atualizado. Se nos elevarmos acima de nossa necessidade de satisfazer nosso desejo por prazer e vivermos no desejo de realizar os outros, nos tornaremos mestres do tempo, mestres de nossas vidas.

Para fazer essa mudança, precisamos conhecer toda a linha do tempo do desenvolvimento de nosso desejo: como ele é criado, como muda e em que forma deve se converter. Podemos descobrir tudo isso se nos elevarmos acima de nosso desejo egoísta, pararmos de depender dele e nos tornarmos completamente livres dele. Quando fazemos isso, deixamos de sentir o passado, o presente e o futuro como uma vida corpórea e limitada.

Todo objeto no mundo tem seu passado, presente e futuro, isto é, sua causa e efeito. Precisamos aprender como se referir sempre à causa raiz para poder investigar e ver todas as consequências com facilidade. Se reconhecermos a causa, já saberemos o que acontecerá a seguir, mesmo que não vejamos o resultado ainda. As formas futuras de todos os resultados já estão latentes em sua causa. Conforme explicado por meu professor, o Cabalista Baruch Ashlag (Rabash), em seu artigo “O Propósito da Sociedade”: “e embora ainda não tenhamos atingido esse objetivo, temos o desejo de alcançá-lo. E isso também deve ser apreciado por nós, pois apesar de estarmos no começo do caminho, esperamos alcançar o objetivo elevado”.

Desta forma, se pesquisarmos as questões mais importantes sobre a vida – “Onde está a origem da vida?” “De onde viemos?” “O que é uma pessoa?” “Quem ou o que nos criou?” “Que tipo de força nos controla e para que objetivo nos leva? ”- poderíamos realisticamente esperar responder a essas perguntas. Então, conhecendo toda a linha do tempo do desenvolvimento de nossos desejos, poderíamos administrar e controlar nossas vidas, liberadas dos grilhões do tempo.

Comente