Cada Dia Uma Oportunidade

laitman_294.2Cada dia temos a oportunidade de nos tornarmos cada vez mais próximos um do outro, isto é, do centro interior, emocional e espiritual da nossa unidade, apesar da diferença de opiniões e hábitos que podem parecer estranhos para os outros. No entanto, sabemos que estamos olhando através dos olhos do nosso egoísmo e, portanto, não vemos nada certo. A única coisa que nos resta é termos fé nos sábios, os Cabalistas, e sermos gratos pela chance de superar.

Por este sinal é possível verificar até que ponto você mudou a si mesmo ou que já deixou o caminho que conduz à meta da criação, à fé acima da razão, se você confia em uma base espiritual ou se cai em seu egoísmo a cada vez. O Criador nos dá oportunidades de progresso a cada segundo; nós apenas precisamos aceitá-las corretamente e corrigir nossas propriedades para ver a partir delas o mundo verdadeiro em vez do mundo do engano egoísta.1

Dê a si mesmo como um presente para seus amigos

A criação de um Kli espiritual é realizada aproximando-se dos amigos. Tal reaproximação só é possível através da autoanulação, adotando o que discordo deles. Este trabalho envolve me incluir no grupo, curvando-me a ele em vez de arrastá-lo para o próprio ponto de vista.

Se eu realmente quiser me aproximar do centro do grupo, onde o Criador está se escondendo de mim, tenho que procurar dificuldades e problemas que eu possa superar para me conectar com meus amigos. Meu presente ao grupo é a minha sincera participação pela fé acima da razão.

Apesar da minha discordância, eu me junto aos meus amigos. Então vejo que tudo já está preparado com antecedência e não há ninguém para corrigir, exceto eu. Todo mundo já está se incluindo na alma comum, e só eu, Malchut, devo me corrigir em relação a eles. Então revelarei a estrutura da alma comum com seu preenchimento: o Criador residindo dentro dela.

Tudo isso se deve ao fato de eu me corrigir contra a minha vontade, criando presentes a um amigo ou ao grupo, anulando-me e me unindo a eles. Eu não quero isso, e essa má vontade permanece em mim como a profundidade do meu egoísmo (Aviut), mas eu faço isso acima da minha falta de vontade, contra o meu egoísmo, então faço uma restrição, uma tela e incluo minha Malchut nas primeiras nove Sefirot.

As nove primeiras Sefirot são as propriedades de meus amigos que me foram dadas para trabalho e autoanulação, para que eu possa restringir meu egoísmo e estar pronto para dar, ajudar, apoiá-los em tudo. Como resultado, eu descubro que tudo já foi corrigido. É a vestimenta do Criador que organizou tudo para me ajudar a desenvolver amor em mim mesmo e revelá-Lo.2

Somente pelo poder da grandeza da meta, recebido do ambiente, é medida nossa disposição de nos transferir para o grupo. É como se eu fosse a uma loja comprar um presente para um amigo e o escolhesse de acordo com o preço indicando o quanto eu o agradeço, quanto estou disposto a pagar por seu amor: cem dólares, mil ou um cem mil?

Da mesma forma, eu avalio meu estado em relação ao grupo: O que estou pronto para desistir para me conectar com meus amigos? Depois que escolhi o grupo, tenho que desistir do meu egoísmo para me conectar com ele o tempo todo. Gradualmente, eu transfiro meu desejo de desfrutar de “dentro da razão” para “acima da razão”, elevando-me acima da tela até acumular tanto desejo lá que possa sentir a presença do Criador nela.

Este é o meu presente para o grupo porque esta é a coisa mais preciosa que tenho e que eles precisam, esse mesmo desejo que pode ser atribuído ao Criador. O grupo está esperando por tal presente de todos.3

O presente é sempre interno porque você precisa se negar algo para ele, pagar. O presente em si é apenas um símbolo externo, mas inclui uma ação interna em relação ao nosso egoísmo, nosso desejo de desfrutar.

Se eu não sinto que estou indo contra o meu egoísmo, isso não é considerado um presente porque não recuso nada. Um presente é quando eu, um egoísta absoluto, posso cortar, suponho, dez por cento de mim mesmo e passá-lo a um amigo. Só se o meu ego resiste a esse presente é considerado um presente. Se trago presentes àquele que amo, faço presentes para mim mesmo, como uma mãe dando a um filho e desfrutando ainda mais do que ele.

O doador de um presente para um amigo recusa seu egoísmo e o transfere para o serviço do grupo. É necessário fazer um presente daquilo que causa a maior resistência dentro de nós. 4

Um presente significa que tomo algum preenchimento do meu egoísmo e o transmito para o benefício dos outros. Mesmo comprando um presente para um amigo em uma loja, eu recuso cem dólares, passando para um amigo meu desejo de desfrutar, que ele pode usar agora.

É assim que usamos o mundo inteiro, como está escrito: “Vão e ganhem uns dos outros”. Vamos começar a nos conectar de tal maneira que cada um ceda ao outro, e assim nos uniremos novamente em um Kli. Ganhos mútuos são uma troca, uma conexão de nossos desejos em um desejo. Toda a realidade é um desejo, não há mais nada. O mundo inteiro faz o trabalho do Criador, consciente ou inconscientemente.5

O dinheiro é uma cobertura, uma tela. Na medida em que tenho essa cobertura, posso “pagar”, isto é, elevar meu desejo de desfrutar e transferi-lo para doação.6

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 15/10/18, Preparação da Lição para a Convenção Virtual de 2018
1 minuto 00:20
2 minute 05:35
3 minute 20:40
4 minuto 29:40
5 minuto 39:39
6 minuto 43:00

Comente