The Times Of Israel: “O Significado De Nosso Yom Kippur Pessoal E Sua Conexão Com O Mundo“

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Significado De Nosso Yom Kippur Pessoal E Sua Conexão Com O Mundo

Em primeiro lugar, vamos criar o contexto. Yom Kippur, o Dia da Expiação, não existe. De acordo com a sabedoria da Cabalá, ele está esperando para ser construído dentro de cada um de nós, e somente depois disso pode ser verdadeiramente realizadp.

A Cabalá explica que, além do fato de que o Yom Kippur é o feriado mais solene no calendário judaico, na verdade, refere-se a uma inclinação interna para a correção. Como podemos perceber este desenvolvimento interno? Começamos por julgar a nós mesmos, nossos desejos e intenções egoístas corrompidos em relação aos outros. Embora eu possa me arrepender do meu estado e querer com coração e alma separar-me dele – a fonte de todas as dores, desconfiança e divisão -, sou incapaz de fazer isso sozinho, porque isso é totalmente contra a minha natureza. Neste momento em minha expiação, eu clamo ao Criador por ajuda, por correção. Este processo interno é a essência do Yom Kippur.

Ao elevar-nos acima do nosso egoísmo pessoal, revelamos o mundo como um sistema unificado. Hoje, quando o mundo precisa desesperadamente de unidade, a nação judaica que deveria dar o exemplo para os outros seguirem, é despedaçada. Lutas de poder entre facções judaicas em certas ocasiões acabaram em brigas violentas. Além do crescente fosso entre a diáspora e Israel, quase metade dos judeus americanos considera a religião organizada como sem sentido.

Qual é a conexão entre nossa instável fundação judaica e a pressão cada vez mais hostil do mundo, obrigando os judeus a se unirem? A resposta a essa pergunta é explicada em detalhes em um artigo que publiquei no The New York Times (edição impressa) intitulado “O Que Nós Judeus Devemos Ao Mundo?”. Quatro anos se passaram desde a sua publicação e o estado da nação judaica, em vez de melhorar, tornou-se cada vez mais incerto. Antes que seja tarde demais, vamos revisar, então, a solução para nossa crise sempre crescente em prol do futuro de nossos filhos e para nós mesmos.

Comprando Nosso Caminho Para O Céu

O dia mais sagrado do ano para os judeus é o Yom Kippur, quando jejuamos e oramos. Uma parte fundamental da oração é ler o livro de Jonas, o Profeta. Curiosamente, muitos judeus observadores acreditam que comprar o privilégio de ler o livro os tornará bem-sucedidos durante o resto do ano.

Naturalmente, apenas os mais ricos da comunidade podem competir por isso. As somas variam de acordo com a afluência da comunidade e, em alguns casos, o privilégio é vendido por mais de meio milhão de dólares.

Quebrando o Código

O que as pessoas não estão cientes, no entanto, é a verdadeira razão pela qual o livro de Jonas é tão importante. Os Cabalistas determinaram que esta leitura é a mais importante do ano porque detalha o código para salvar a humanidade.

A história de Jonas é especial porque fala de um profeta que primeiro tentou se esquivar de sua missão, mas finalmente se arrependeu. Outro aspecto especial da história de Jonas é que sua missão não era advertir o povo de Israel, mas salvar a cidade de Nínive, cujos moradores não eram judeus. À luz do atual estado precário do mundo, devemos Olhar Mais De Perto Essa História E Seu Significado Para Cada Um De Nós.

Tome Jeito Ou Dê O Fora

Na história, Deus ordena a Jonas que diga ao povo de Nínive, que se tornaram muito malvados entre si, para corrigir seus relacionamentos uns com os outros, se quiserem sobreviver. No entanto, Jonas saiu de sua missão e foi para o mar em um esforço para escapar do mandamento de Deus.

Como Jonas, nós judeus temos inadvertidamente evitado nossa missão nos últimos 2.000 anos. No entanto, não podemos nos permitir evitar isso. Temos uma tarefa que nos foi transmitida quando Moisés nos uniu em uma nação baseada no princípio: “Ama o próximo como a ti mesmo”, e é nosso dever estabelecer um exemplo de unidade para o resto do mundo. Nossos antepassados, Abraão e Moisés, queriam unir toda a humanidade, mas naquela época o mundo não estava pronto (para mais sobre isso, veja meu artigo, “Por Que As Pessoas Odeiam Os Judeus?”).

Esse grupo, ou seja, o povo de Israel, ainda deve se tornar um modelo para o mundo. Rav Kook, o primeiro Rabino Chefe de Israel, colocou poeticamente em seu livro, Orot Kodesh (Luzes Sagradas): “Visto que fomos arruinados pelo ódio infundado e o mundo foi arruinado conosco, seremos reconstruídos pelo amor infundado, e o mundo será reconstruído conosco.

Dormindo na tempestade

Na história, a fuga de Jonas de sua missão pelo navio fez o mar rugir e quase afundar o navio. No auge da tempestade, Jonas foi dormir, separando-se do tumulto e deixando os marinheiros se defenderem sozinhos. Aos poucos, eles começaram a suspeitar que alguém entre eles era a causa da tempestade. Eles tiraram a sorte e esta caiu sobre Jonas, o único judeu a bordo.

De muitas maneiras, o mundo de hoje é semelhante ao navio de Jonas. Como disse Christine Lagarde, chefe do Fundo Monetário Internacional: “Estamos todos em um só barco, uma economia global. Nossas fortunas crescem juntas e caem juntas. (…) Temos uma responsabilidade coletiva: criar um mundo mais estável e mais próspero, um mundo em que todas as pessoas em todos os países possam atingir seu pleno potencial”. No entanto, o mar em nosso entorno está enfurecido e os marinheiros, que é toda a humanidade, estão culpando o judeu a bordo por todos os seus problemas.

Como Jonas, estamos dormindo. Embora estejamos começando a despertar para a existência do ódio contra nós, ainda não percebemos que não cumprir nossa missão é a razão do ódio. Se não acordarmos em breve, os marinheiros nos atirarão ao mar, como fizeram com Jonas. Rav Yehuda Ashlag, autor do comentário Sulam (Escada) sobre O Zohar, escreveu em seu ensaio “O Arvut” (Garantia Mútua): “Cabe à nação israelense qualificar a si e ao resto das pessoas no mundo a evoluir para assumir este trabalho sublime de amor aos outros”.

O Chamado De Despertar

Jonas diz aos marinheiros para jogá-lo ao mar, pois só isso acalmará o mar. Relutantemente, os marinheiros obedecem e a tempestade se acalma. Uma baleia engole Jonas e, ​​durante três dias e três noites, ele permanece em seu abdome, examinando suas ações e decisões. Ele implora por sua vida e promete cumprir sua missão.

Como Jonas, cada um de nós carrega algo que está agitando o mundo. Nós, o povo de Israel, levamos um método para alcançar a paz através da conexão. A unidade é a raiz do nosso ser. Este DNA é o que nos torna um povo porque fomos declarados uma nação somente depois que nos comprometemos a ser “como um homem com um coração” e nos esforçamos para amar nosso próximo como a nós mesmos”. Hoje devemos reavivar esse vínculo porque onde quer que formos, o poder inexplorado está desestabilizando o mundo ao nosso redor, a fim de nos obrigar a uni-lo e reacendê-lo.

Assim como a separação atual entre nós projeta a separação para toda a humanidade, a união entre nós irá inspirar o resto das nações a se unir também. Quando nos unirmos, dotaremos a humanidade da energia necessária para alcançar a unidade mundial, onde todas as pessoas vivem “como um homem com um coração”. Então a única questão é se assumimos nossa responsabilidade, ou preferimos ser jogados ao mar, apenas para posteriormente concordar em realizar nossa tarefa.

Se quisermos acabar com nossos problemas, nos livrar do antissemitismo e ter uma vida segura e feliz, devemos nos unir e, assim, estabelecer um exemplo de unidade para todas as nações. É assim que vamos trazer paz e tranquilidade ao mundo. Caso contrário, o ódio das nações em relação a nós continuará crescendo.

Agora vemos que quando as pessoas pagam muito pelo privilégio de ler o livro de Jonas em Yom Kippur, inadvertidamente declaram seu apoio à missão do povo judeu em relação ao mundo: ser uma luz para as nações mostrando um exemplo de unidade e conexão. Para concluir, deixem-me citar mais uma vez o grande Rav Kook: “Qualquer turbulência no mundo vem apenas para Israel. Agora somos chamados a realizar uma grande tarefa de boa vontade e conscientemente: construir a nós mesmos e a todo o mundo arruinado conosco” (Igrot [Cartas]).

Comente