Rabash: O Último Grande Cabalista

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 13/09/18

Numa noite fria e chuvosa de 1979, eu não conseguia dormir, meus pensamentos me perturbavam. De repente, encontrei-me ao volante, dirigindo sem direção. Um grande sinal cortou meus pensamentos: “Bnei Brak”. Eu entrei. As ruas estavam desertas. Na esquina da rua “Chazon Ish”, encontrei um transeunte. “Onde se estuda aqui?”, Perguntei. Ele olhou para mim e respondeu: “Dirija até o fim da rua, onde você verá um pomar. Está do outro lado dele.

Foi assim que encontrei meu professor pela primeira vez, o Rav Baruch Shalom Ashlag (o Rabash), o filho mais velho e sucessor de Baal HaSulam – o maior Cabalista do século XX. Daquele momento em diante minha vida nunca mais foi a mesma.

Nos doze anos seguintes, eu servi como seu assistente pessoal e discípulo, e absorvi dele tudo o que conheço na sabedoria da Cabalá. Todo dia ele se trancava no segundo andar e escrevia. É assim que nasceram seus artigos profundos, que abriram caminho para que todos, hoje, esculpissem o caminho espiritual mais adequado para eles. Ninguém antes dele havia escrito de maneira tão simples e prática. Como um pai que guia seus filhos pelo caminho, ele pega seus leitores pela mão e os guia até descobrirem o verdadeiro sentido da vida.

“E uma vez que adquiri a vestimenta do amor”, escreveu aos seus alunos no final da bem conhecida carta “Amor dos Amigos”, “Centelhas de amor prontamente começaram a brilhar dentro de mim.

“O coração começa a desejar unir-se com meus amigos, e parece-me que meus olhos veem meus amigos, meus ouvidos ouvem suas vozes, minha boca fala com eles, as mãos se abraçam, os pés dançam em círculo, em alegria e amor com eles…” (Rabash).

Depois de sua partida em 1991, pessoas que sentiram um desejo ardente em seus corações de revelar seu propósito começaram a se unir. Gradualmente, o Instituto de Pesquisa e Educação de Cabalá Bnei Baruch foi formado, em homenagem ao Cabalista Baruch Ashlag. Todas as manhãs estudamos os escritos dos Cabalistas, tais como O Estudo das Dez Sefirot, O Zohar com o Comentário Sulam, os escritos do Baal HaSulam e do Rabash. Nós trabalhamos para compartilhar o método com qualquer pessoa interessada, assim como meu professor me deu a sabedoria de seu pai.

Esta noite marca o 27º aniversário da morte do meu professor, o Rabash, o maior da geração. Espero que consigamos seguir fielmente o seu caminho.

Comente