Discurso De Bibi Na ONU

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 29/09/18

O discurso do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na Assembleia Geral da ONU foi impressionante. O talento retórico, o inglês perfeito e a capacidade de comunicar mensagens complexas estão a seu favor. Por mais que alguém possa criticá-lo, ele cumpre seu papel de representar o Estado de Israel no mundo com grande dedicação.

E Bibi não é o único que merece crédito. Atrás dele estão poderosas forças e mentes brilhantes que servem à inteligência e segurança israelenses, gênios que transformam Israel em uma superpotência tecnológica, pesquisadores talentosos e empreendedores que trouxeram tremendos desenvolvimentos nos campos da água, agricultura, cibernética, saúde e a lista segue.

Mas, mesmo quando Netanyahu expôs o local nuclear secreto em Teerã, as fábricas de precisão de mísseis em Beirute, o fato de que o Irã nunca abandonou seu programa de armas nucleares, não deixou a impressão desejada. O mundo já está começando a desmontar suas revelações declarando que as instalações contêm documentos e não mísseis.

“Eu sou o filho de um historiador”, declarou Netanyahu durante seu discurso na ONU, dirigindo suas palavras aos líderes europeus que prometeram dar mais dinheiro ao Irã. “Eu pergunto não apenas como filho de historiador, como judeu, como cidadão do mundo, como alguém que viveu durante o século XX: Será que esses líderes europeus não aprenderam nada com a história? Será que eles acordarão?”

Com todo o respeito à história representada pelos historiadores, há também os Cabalistas na humanidade: um punhado de pessoas com realização espiritual que veem uma imagem mais profunda da realidade.

Os Cabalistas apontam para uma tendência clara na atitude das nações do mundo em relação a Israel. Eles esperam uma onda de antissemitismo para varrer todos os judeus ao redor do mundo, o ódio que subirá a novas alturas – tanto para os judeus quanto para o Estado de Israel.

Quando o ódio ficar desproporcional, nenhuma nação precisará justificar sua atitude negativa e hostil em relação a Israel. As nações podem até se orgulhar de seus atos desprezíveis, assim como aconteceu nos anos 1930, e nenhum líder será capaz de diminuir as chamas. Nem mesmo Trump.

A Cabalá é a única sabedoria que explica o ódio irracional contra os judeus. Descreve o fenômeno do antissemitismo como uma lei que se origina na natureza da realidade e assume uma nova face em cada geração. Em vez de tentar negar, temos que aprender como isso serve ao propósito da Criação.

De acordo com os Cabalistas, o povo judeu tem um atributo único, o potencial de trazer unidade a toda a humanidade. Uma vez que aprendam como realizar esse potencial, eles não só irão neutralizar o antissemitismo, mas também permitirão que toda a humanidade se eleve acima do ego humano e descubra uma vida de harmonia social.

Esta foi a descoberta sem precedentes de Abraão: quando os seres humanos fazem um esforço comum para construir relacionamentos positivos acima de seu egoísmo inerente, um novo espaço espiritual se abre entre eles, onde eles podem sentir a plenitude e a harmonia da natureza. Este é o verdadeiro significado de “Ama o próximo como a ti mesmo” e é a essência da sabedoria da Cabalá.

Am Israel” – o povo de Israel – começou com um grupo de Cabalistas que se reuniu em torno de Abraão na antiga Babilônia, há cerca de 4.000 anos. Eles eram, de fato, representantes das várias tribos e nações que existiam naquela época. Portanto, o povo judeu age como um “eixo” no centro da humanidade, projetado para possibilitar a unidade global em toda a humanidade.

A natureza é um sistema globalmente integrado que une todas as pessoas em total interdependência. As conexões estão ocultas, mas são estáveis ​​e intrincadas. O fenômeno do antissemitismo surge quando o povo de Israel falha em cumprir seu papel no sistema – abandonando sua unidade, solidariedade social e conexão positiva. A esse respeito, é triste ver que não aprendemos nossa lição da história.

Uma relação de ódio entre nós, judeus, determina o ódio do mundo em relação a nós. A humanidade não odeia Israel por escolha. Mesmo sem a consciência deles, o ódio que surge das nações do mundo está destinado a motivar os judeus a realizar seu propósito espiritual.

O Irã de hoje apenas desempenha o papel principal no movimento internacional anti-israelense. Discurso após discurso, diagrama após diagrama, outra descoberta de uma instalação nuclear – e a atitude do mundo em relação a Israel não muda.

Inconscientemente, a humanidade espera que sejamos mais do que uma superpotência tecnológica. Eles esperam que sejamos uma superpotência espiritual, porque quando o povo de Israel ativa sua unidade espiritual, possibilita uma vida de paz e felicidade para todos.

Este é o tipo de vida espiritual que a humanidade está esperando, juntamente com um plano de trabalho prático a seguir. Em última análise, somente essa ação gerará ondas de simpatia e afeto entre as nações em relação a Israel.

Comente