Mudanças Na China

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 12/08/18

Dr. Michael Laitman“Olhando para trás, minha esposa salvou minha vida”, lembra meu veterano estudante chinês de Pequim. “Na noite de 4 de junho de 1989, fui dormir nos dormitórios estudantis apenas porque minha esposa insistiu para que eu não passasse a noite na Praça Tiananmen novamente. No meio da noite, acordei em pânico com os sons arrebatadores de choro e percebi que o pior aconteceu: o exército começou a atirar nos manifestantes, que queriam melhorar o país”.

“Lágrimas derramaram dos meus olhos como uma cachoeira, enquanto eu estava lutando para acreditar que realmente aconteceu. Eu tive que ir lá e ver por mim mesmo. Minha esposa e eu pulamos em nossas bicicletas e rodamos até a praça o mais rápido que podíamos.

“Quando nos aproximamos da rua Changan, um helicóptero militar circulou acima de nós, usando um alto-falante para alertar os manifestantes a evacuar a praça imediatamente, ou então o exército agiria. Quanto mais perto eu chegava de onde o tiroteio começava, mais sangue via nas ruas, e choros horríveis ensurdeciam meus ouvidos. Eu percebi que nós falhamos. Que eu tinha falhado. Que a nação falhou.

“Meu sonho se foi, pois minha nação perdeu sua melhor oportunidade de mudar para melhor. O céu caiu e a realidade ficou obscura. Este foi o ponto de ruptura e mudança da minha vida. Naquela manhã chorei mais do que choraria na próxima década”.

***
Vinte e seis anos depois, fiquei naquela praça, que pode acomodar até dez milhões de pessoas. Centenas de milhares de chineses me cercaram. Uma quantidade enorme e inimaginável de pessoas, mas eu me senti sozinho. Não porque fosse um estranho em uma cultura estrangeira, mas porque a presença do povo chinês é fundamentalmente diferente da do homem ocidental. No entanto, até isso está mudando hoje.

Nos últimos trinta anos, a China vem se desenvolvendo na velocidade da luz. A iniciativa “Um Cinturão, Uma Estrada” da China incorpora uma aspiração de dominação global. Uma tentativa ambiciosa de conectar o mundo através de uma rede de estradas, ferrovias, vias e portos. Depois de muitos anos em que a China tem sido amplamente absorvida pelo mundo, ela está avançando e enviando seus “agentes” para todos os países e em todos os campos.

Isso também explica a teimosia chinesa contra a guerra comercial de Trump e sua entrada agressiva na economia global. Há, no entanto, uma diferença significativa entre as duas superpotências: a China tem enormes recursos – por exemplo – mas não sabe necessariamente como melhor utilizá-los. A América possui os principais poderes para inovar, enquanto a China é melhor na criação de cópias de alta qualidade e replicações “Made in China”.

Os desenvolvimentos tecnológicos e econômicos na superfície são apenas o efeito colateral do desejo mais profundo que impulsiona a nação chinesa. É a vontade do povo chinês que está realmente saltando para um nível significativamente novo e mais elevado de desenvolvimento.

Depois de milhares de anos de rendição e obediência às antigas filosofias chinesas que mantinham o povo chinês em um relacionamento equilibrado entre si e com a natureza, o ego adormecido do “gigante chinês” está despertando em todo o seu esplendor. Agora, todo chinês tem um forte desejo de se destacar, ficar rico e ser o número um em tudo. Preencher-se o máximo possível e não mais se contentar com uma tigela de arroz.

Em outras palavras, o desenvolvimento da natureza humana, o crescente egoísmo que caracteriza toda a humanidade, não pulou o antigo e fechado império. Se durante os séculos da Idade Média da Europa ocorreu o renascimento da civilização ocidental, uma mudança semelhante está ocorrendo na China dentro de poucas décadas.

De uma perspectiva global, o desenvolvimento acelerado que ocorrerá na China acontecerá ainda mais rapidamente na África e na América do Sul. O desejo em constante evolução de receber prazer é ao mesmo tempo o motor do desenvolvimento humano e o que molda tudo o que vemos nele – cultura, sociedade, governo, economia, tecnologia, moda e todo o resto.

Baal HaSulam, o grande Cabalista do século XX, escreve em sua linguagem científica: “O desejo de receber é toda a substância da Criação, do começo ao fim. Assim, todas as criaturas, todos os seus inumeráveis ​​exemplos e condutas que apareceram e que aparecerão, são apenas medidas e várias denominações do desejo de receber”. (“Prefácio à Sabedoria da Cabalá”).

A antiga filosofia chinesa estava bem ciente do desejo de receber que impulsiona a todos. Também reconhecia a necessidade de colocá-lo em equilíbrio e mútuo acordo entre as pessoas e em sua relação com a natureza. Mas só aplicou esses princípios no nível material. O confucionismo é muito terreno e materialista; é moral, coletivo e simples.

Décadas após o desengajamento em massa das antigas filosofias que estabeleceram o conceito de homem chinês, mudanças adicionais atuais não permitem mais a supressão do desejo dentro da nação chinesa. É um processo necessário, natural e inevitável, para um novo nível espiritual de desenvolvimento.

Tanto a China como o mundo, o Oriente e o Ocidente, todos enfrentam uma mudança de paradigma. O mundo ocidental já deu alguns passos e está mergulhando em uma crise. As pessoas sentem-se vazias, a depressão tornou-se a causa número um da deficiência, a juventude está desorientada pelo mundo virtual, as drogas e a prostituição estão em toda parte, e a lista continua. A China agora está competindo na mesma trilha agridoce.

Num futuro não muito distante, tanto as culturas ocidentais quanto as orientais terão que redescobrir o equilíbrio com a natureza em um nível que não conhecíamos antes. A maneira de equilibrar o desejo crescente não é através da opressão, mas criando uma contra-força: o senso de conexão mútua, completa e harmoniosa entre nós.

A humanidade está prestes a descobrir a força de ligação natural que conecta todos nós a um único organismo humano ao redor do planeta. Somente esta nova consciência permitirá que cada nação e cada pessoa se integre adequadamente com o resto da humanidade. Então, um novo espaço espiritual se abrirá, juntamente com uma compreensão de como equilibrar o desejo humano sem suprimi-lo, e como preenchê-lo com um novo tipo de realização espiritual.

Então, cada nação encontrará seu lugar no mosaico humano, e o povo da China descobrirá uma nova humanidade, conectada e redonda como a Praça Tiananmen, a maior praça de cidade do mundo, chamada de “Portão da Paz Celestial”.

(Imagem da Reuters)

Comente