JNS: “‘Escrita De Ação Espiritual’ De Jesse Bogner”

O Jewish News Syndicate publicou o artigo: “A ‘Escrita De Ação Espiritual’ Do Autor Emergente Jesse Bogner Cobre Tudo, Da Cabalá A Trump

Outro tema nos escritos de Bogner é o que ele chama o uso da “mente racional para mostrar que o mundo não é mais racional”.
POR JACOB KAMARAS

O que há na intersecção judaísmo, política e espiritualidade? É um nicho literário que está sendo esculpido pelo promissor escritor Jesse Bogner, um estudante da principal autoridade internacional em Cabalá (misticismo judaico) Michael Laitman.

Bogner deixou a cidade de Nova York para morar Israel em 2013 e estudar com Laitman no Instituto Bnei Baruch de Educação e Pesquisa de Cabalá, que se autodenomina o maior grupo de Cabalistas do mundo. Durante seu tempo no Bnei Baruch, Bogner escreveu “The Egotist”, suas memórias espirituais e críticas sociais.

Seu segundo livro, Tikkunim (Correções), publicado em janeiro de 2018, é uma compilação do comentário político de Bogner. Atualmente, ele está escrevendo seu primeiro romance, e seus artigos aparecem regularmente no The Daily Caller, The Huffington Post, The Jerusalem Post e The Times of Israel.

Bogner, 30 anos, que vive em Petach Tikva, identifica seu trabalho como uma “escrita de ação espiritual”.

“Quando as pessoas procuram respostas políticas para os problemas que o mundo nos apresenta, elas descobrem que nenhum dos lados realmente tem uma solução clara”, diz ele ao JNS. “A razão para isso é que perdemos contato com a raiz espiritual de nossos problemas, que é uma falta fundamental de relacionamento entre as pessoas e a conexão central que temos – a oportunidade de resolver problemas superando nossas diferenças. Pode soar como uma espécie de conceito kumbaya, hippie, mas é realmente a base do judaísmo – que cada pessoa tem uma essência ou espírito, uma parte de Deus dentro dela, e se você é capaz de fazer coisas boas para os outros,  você está amando a Deus e despertando uma realidade superior”.

Trump: ‘Alguém que fala o que pensa’

Outro tema nos escritos de Bogner é o que ele chama de “mente racional para mostrar que o mundo não é mais racional”. Sua análise para o The Daily Caller sobre a Marcha das Mulheres, por exemplo, argumenta que as ativistas por trás da marcha lutam para curar problemas que não existem mais. Bogner é um liberal que se tornou conservador e cuja mudança ocorreu após a eleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Ninguém é crítico das políticas de Trump”, diz ele. “Eles são críticos de coisas que ele disse ou poderia ter dito. Eu acho que é realmente que as pessoas estão tão enojadas com sua personalidade, que o tipo de sociedade liberal educada é tão fundamentalmente oposto a alguém que fala o que pensa e está sendo aberto”.

Bogner cita a atitude de Trump em relação às decisões de comércio e marcos sobre Israel, como a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém, como exemplos de políticas racionais.

“Eu estive esperando por um político racional em relação a Israel por tanto tempo, e Trump é o primeiro líder que abraçou totalmente Israel dessa maneira”, diz Bogner.

O autor observa as pessoas à direita falando sobre a raiz espiritual dos problemas políticos e sociais, mas à esquerda, ele diz: “Eu realmente não vejo nada”.

“Quando você vê terrorismo, tiroteios na escola, tragédias e divisões raciais na América, as respostas liberais para essas coisas não parecem realmente abordar a raiz do problema”, explica ele. “A solução deles parece ser a de que se você se livrasse das armas ou mudasse o seu vocabulário, de repente se tornaria como você as resolveria. É essa maneira binária de olhar o mundo, onde a esquerda diz: “Se você não concorda conosco, você é um racista”, e quando a direita não concorda com algo, eles dizem que você é uma pessoa sem Deus. Pessoas de diferentes origens precisam se reunir e começar a abraçar diferentes pontos de vista”.

“A crise pela qual o mundo está passando”

Bogner diz que ele era “o típico judeu americano secular” vindo de um passado rico em Nova York, antes que a Cabalá mudasse sua vida.

“Eu festejava muito, usava muitas drogas. Eu estava mais interessado em status e me divertir. Eu me via como alguém que seria uma espécie de ícone literário, embora isso estivesse em grande parte em minha mente”, diz Bogner, que se formou na Bard College com uma licenciatura em escrita criativa.

“Cheguei a um ponto em que estava sentindo um profundo vazio, e tudo na minha vida que tinha muita promessa parecia estar desmoronando”, acrescenta ele.

Enquanto Bogner estava entre empregos, seu pai perguntou se ele poderia editar um livro que Laitman escreveu sobre o significado Cabalístico do antissemitismo. Mais tarde, Laitman surpreendeu Bogner com uma nova proposta: mudar para Israel e escrever um livro. Bogner se juntou ao instituto Bnei Baruch e começou a escrever ‘The Egotist’, que foi publicado pela Laitman Kabbalah Publishers.

Laitman diz que Bogner “realmente quer explorar a sabedoria autêntica da Cabalá” e “encontrar a essência e o propósito da vida – entender por que vivemos e qual é o nosso papel na vida, e como ela se relaciona com o passado, presente e futuro da humanidade”.

“Embora ele tenha um interesse geral em todos os itens acima, ele também analisa como as pessoas vivem hoje e a psicologia comportamental de sua geração millennial”, diz Laitman à JNS. “Portanto, ele tem uma gama muito ampla de interesses e eu realmente gosto de vê-lo se desenvolver”.

O próximo livro de Bogner, cujo título é “Gates of Impurity” (“Portões da Impureza”, em tradução livre), é um romance em que os judeus sobreviventes do Oriente Médio vivem em Shadwan, um aterro na costa do Egito, depois de serem governados por potências islâmicas em guerra por décadas.

Laitman diz que o trabalho de Bogner é único e impactante devido à exploração do autor de “política, economia, cultura e educação, à luz da crise pela qual o mundo está passando – espiritual, econômica e socialmente. Eu aprecio seu verdadeiro interesse nisso, e estou ansioso para ver como esse jovem especial continua a crescer aqui entre nós”.

Comente