Breaking Israel News: “Ameaças Existenciais De Israel E A Lei Do Estado-Nação”

O maior portal, Breaking Israel News, publicou meu novo artigo “As Ameaças Existenciais De Israel E A Lei Do Estado-Nação

Parecia uma cena em Gaza, mas sua localização era o coração de Tel Aviv: bandeiras palestinas içadas na Praça Rabin protestando contra a recém-aprovada lei do Estado-nação. A democracia de Israel está sendo abusada, não usada. Quando o chamado intrínseco é eliminar Israel do mapa, não deve haver espaço para a liberdade de expressão. Caso contrário, estamos dando um tiro no pé.

Existe uma campanha sistemática dos palestinos para minar o direito de Israel de existir. As pipas incendiárias enviadas da Faixa de Gaza para as fazendas israelenses custaram ao país quase US$ 2 milhões em danos. Apenas nos últimos dias, mais de 200 foguetes despencaram em cidades densamente povoadas no sul. A segurança e a pressão econômica, além de manifestações políticas inflamadas dentro de nossas cidades, todas servem ao mesmo propósito: prejudicar Israel.

Nenhum país do mundo deixaria seus inimigos espalharem seus tentáculos de tal maneira. Deve haver um limite para o solo fértil que fornecemos aos nossos inimigos para plantar suas sementes, aproveitando-se de sermos um país livre e moderno. Nossos gestos de paz de braços abertos não foram retribuídos até hoje. Considere o plano de retirada da Faixa de Gaza, os Acordos de Oslo, o acordo de paz entre Israel e o Egito. Vivemos mais perto da paz com os palestinos como resultado de qualquer um deles? Acordamos todos os dias nos sentindo mais seguros?

A resposta é evidente. Por que então devemos deixar que qualquer facção vise a destruição de Israel? Levando em consideração apenas a fachada superficial que apenas um pequeno número é contra o país enquanto a maioria da população árabe aspira à paz, a alarmante verdade subjacente é ignorada: demonstrações como essas motivam e incitam grupos radicais em todo o mundo a incitar ainda mais no nível de base.

Os agitadores anti-Israel admitiram que este é apenas o começo, um teste para obter apoio para uma luta pública contínua que também ocorra em nível internacional. No final, não será difícil para os inimigos de Israel solicitar apoio da ONU, da UNESCO, da União Européia e de outros organismos mundiais para promover seus interesses. Historicamente, eles conseguiram obter simpatia dessas organizações.

Finalmente, até mesmo os judeus da diáspora se unirão às vozes do mundo contra o Estado judeu. O sucesso dessas facções internas e externas aponta para um fator como sua causa fundamental: nossa fraqueza interna. Nós nos esquecemos do fundamento espiritual do nosso povo, a pedra fundamental do que significa ser Israel. Qual é o propósito do povo de Israel? Que contribuição especial esse grupo tem para dar ao mundo? Ao esclarecer as respostas a essas perguntas, não seríamos mais cegados por influências externas incongruentes, deixando-nos com a força necessária para defender nossa terra e sociedade de todas as ameaças.

O povo judeu é uma coleção de povos dentre as nações do mundo, reunidos na antiga Babilônia há 3.800 anos com um único propósito: implementar a ideologia do “ama seu amigo como a si mesmo” e passá-la ao resto do mundo. A essência do povo judeu é a unidade, e nosso papel é ser o condutor da mensagem de conexão e amor a todas as nações. Fomos fundados e unidos como povo pela primeira vez em torno desse princípio ensinado por Abraão.

A lei do estado-nação aprovada recentemente não ressoa com esse propósito. Falta uma declaração espiritual básica: nossa unidade é nossa principal força. O fato de termos uma conexão histórica com a terra de Israel por milhares de anos é uma razão insuficiente para satisfazer as questões do mundo sobre nosso direito de autodeterminação como um Estado judeu. Portanto, podemos continuar a costurar leis bem escritas e organizar cerimônias protocolares impressionantes para promovê-las, mas elas chegarão a um beco sem saída.

Enquanto a nação não conseguir perceber sua identidade e não tiver um fundamento espiritual sólido, nenhuma nova lei poderá se tornar uma apólice de seguro para estabilidade e progresso. Não é de surpreender a semelhança do atual ambiente de fricções e divisão em nossos dias com aqueles que precederam a ruína do Templo, quando o ódio superou o amor fraterno.

Devemos reverter o atual estado das coisas e aderir ao nosso papel de nos tornarmos “uma luz para as nações”, fornecendo um exemplo de conexão com o mundo, transformando assim um futuro incerto em um brilhante caminho de unidade.

Parece hoje que o povo judeu está bem estabelecido em sua terra natal, a terra de Israel, mas isso não pode ser tomado como garantido. “O sionismo será completamente cancelado”, como Baal HaSulam escreveu em Os Escritos da Última Geração, o grande Cabalista do século XX. Ele descreveu um cenário sombrio se não cumprirmos nosso destino e passarmos nosso poder de conexão para o mundo. “Este país é muito pobre e seus moradores estão destinados a suportar muito sofrimento. Sem dúvida, eles ou seus filhos gradualmente deixarão o país, e apenas um número insignificante permanecerá, o qual será finalmente engolido entre os árabes”. Então, realmente não haverá para onde fugir.

Portanto, a primeira lei que deveria ser legislada agora é a lei de unidade: uma lei que reacenderá a centelha oculta em nossos corações e restaurará o senso de unidade que nos falta. Além disso, não deve ser apenas uma lei bem elaborada, belamente projetada como um pergaminho, mas acompanhada por uma explicação educacional de todo o processo.

Quando o Estado de Israel fosse fundado em um autêntico espírito de unidade israelense, todas as suas leis funcionariam para fortalecer os laços de amor entre as pessoas que vivem em seu solo. Tal estado não aboliria nem eliminaria as diferenças partidárias, tribais, de gênero, idade ou cor da pele, mas fixaria a unidade de todos, sem exceção, em uma única sociedade governada pelos princípios da solidariedade e da cooperação como sua meta suprema. Este é o verdadeiro Estado-nação dos judeus, um estado que cuida da unificação, preservando a singularidade de cada indivíduo.

Quando todas as centelhas dentro dos corações dos judeus se unem, ninguém pode agir contra nós. Nossa conexão acima das diferenças é o nosso destino como povo, e todas as nações do mundo esperam que consigamos isso. Esta é a lei que é a base da nossa nação e nossa base espiritual, e deve ser a base para qualquer demonstração que ocorra.

Comente