A Primeira Estação No Caminho Para A Correção: Rosh Hashana

laitman_232.01Os feriados que vêm com o início do Ano Novo Judaico simbolizam a entrada de uma pessoa no trabalho espiritual. A verdade é que essa entrada começa muito antes, durante o período de preparação. Portanto, o mês de Elul significa “eu sou para o meu amado, e o meu amado é para mim”. Isto é, a pessoa começa a descobrir que tem uma conexão com o Criador.

Quando uma pessoa começa a estudar Cabalá, depois de alguns anos, descobre que experimenta subidas e descidas em seu humor, compreensão e percepção dos textos. Então, depois de algum tempo, ela percebe que a espiritualidade só pode ser alcançada através da conexão; isto é, ela começa a acreditar no que está lendo, ele se conecta ao material.

Ela entende que não há escolha, que precisa se juntar a um grupo para o trabalho prático. Afinal, não basta falar sobre isso com palavras bonitas, ela deve abrir seu coração e despertar seus sentimentos. Isso é necessário para o seu avanço espiritual, sentimento e realização da vida. Ela não quer que sua vida passe entre o nascimento e a morte e termine sem sentido; quer se elevar acima disso e continuar vivendo. Então ela compreende que deve se corrigir, adquirir a força de doação acima da força de recepção. A percepção da necessidade de mudança interior é o começo do mês de Elul.

Elul é o mês da auto-análise: o que eu posso fazer com a minha alma para começar a abordar o primeiro contato com o Criador. Eu espero a revelação da força superior, não para desfrutá-la, mas para me render a ela.

Deixe meu egoísmo se render e permitir que eu me torne um servo do Criador. Eu ficarei feliz em me entregar à regra da Luz Superior e sentir sua perfeição, eternidade e grandeza. Meu desejo de desfrutar está pronto para se submeter diante de tal revelação, rebaixar-se e entregar-se ao domínio da força superior.

É assim que alcançamos o Ano Novo, Rosh Hashana, cuja essência é coroar o Criador para ser o Rei do mundo inteiro. A força superior está no começo de tudo, no final e no meio, governando tudo sem exceção. Tudo o que precisamos é nos sentirmos sob o controle da força superior, como escravos do Criador, Seus servos fiéis: receber a fé acima da razão, a força de doação acima da força de recepção, e começar a trabalhar em nosso desejo com sua ajuda.

Todo esse trabalho está relacionado ao feriado de Rosh Hashana: a primeira estação a caminho da correção da criação.1

Na verdade, toda a vida de uma pessoa pode se encaixar em um segmento do Ano Novo, Rosh Hashana, até o próximo ano novo. Não importa com quais propriedades ela nasceu, boas ou ruins, o principal é a mudança, e isso está em seu poder. Juntamente com certas qualidades, ela recebe oportunidades para usá-las corretamente. O objetivo é que todos alcancem a equivalência com a força superior.

Portanto, não há justo ou ímpio absoluto entre nós. Tudo pode ser mudado, todo mundo tem a liberdade de escolher. Ninguém pode reclamar que não lhe foi dada a oportunidade de se corrigir e se aproximar do Criador: ele simplesmente não a usou corretamente.

Ser justo ou ímpio não depende de inteligência. É possível ser esperto e malvado, ou tolo e justo. O trabalho espiritual não requer habilidades excepcionais. O principal é não perder a chance que lhe é dada de despertar e seguir esse caminho toda a sua vida com consistência persistente – então você será bem-sucedido.

Rosh HaShanah significa que a pessoa se apega ao primeiro ponto de conexão com o sistema superior, com o Criador, e nunca o deixa ir. Afinal, em toda a sua vida, não haverá outro ponto de conexão entre ela e o mundo superior.2

Qualidades naturais são dadas a uma pessoa de acordo com o seu lugar na alma comum de Adam HaRishon, para que ela possa desempenhar sua função. De seu ponto de vista, de uma célula do corpo de Adam HaRishon, através da conexão com os outros, ela alcança a compreensão de todo o corpo comum, de todo este sistema em sua perfeição.

Portanto, não há sentido em mudar seu ponto base, a “célula-tronco” espiritual. Se uma pessoa se conecta ao sistema, tudo é colocado à sua disposição de acordo com o seu lugar.

O justo e o ímpio existem dentro de uma pessoa. A Torá fala apenas de uma pessoa e tudo o mais é um mundo imaginário. Assim, todos os justos e todos os ímpios, todas as forças impuras e a santidade, todo o sistema está dentro de uma pessoa. Nós só precisamos descobrir este sistema e calibrá-lo até o alvo.3

Rosh Hashana é a revelação da perfeição e da força do Criador, de seu governo completo: “Eu sou o primeiro e eu sou o último, e não há outro Deus além de Mim”. É assim que uma pessoa imagina o Rei do mundo, e seu caminho espiritual começa a partir daí. Afinal, esta é apenas uma revelação em potencial. Então ela precisa desenvolvê-lo, identificando-se com cada qualidade e com cada revelação individual do Criador, e gradualmente, de Rosh Hashana e adiante, ela deve adquirir o grau completo do Criador.

Rosh Hashana é apenas o primeiro contato com a força superior, a primeira conquista do Rei do mundo, a percepção de que o Criador governa tudo. Não temos como interferir com Ele ou mudar nada; só podemos concordar com o Seu plano. Todas as mudanças ocorrem apenas dentro de uma pessoa.

O Criador não muda Seu governo em relação a nós, mas pedimos por uma mudança que nos faça sentir como a governança do Criador muda, se torna mais gentil.

Mas, na verdade, eu estou mudando, não o Criador. Não há alterações no topo. A Luz superior é revelada cada vez mais aos seres criados para que eles possam alcançá-Lo em toda a sua profundidade.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 21/08/18, Lição sobre o Tópico: “Rosh HaShana
1 minuto 0:20
2 minuto 13:35
3 minuto 21:50
4 minuto 28:50

Comente