Newsmax: “Quando A Amamentação Se Tornou Uma Moeda De Troca?”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “Quando A Amamentação Se Tornou Uma Moeda De Troca?

É, e sempre foi, o melhor alimento para os bebês. Não há controvérsias sobre os benefícios do leite materno, mas sua politização está nos dando alimento para o pensamento.

O The New York Times afirmou que o governo dos EUA ameaçou, sem sucesso, que as nações apoiem ​​o aleitamento materno com comércio punitivo e cortes militares para favorecer a indústria de fórmulas infantis de US$ 70 bilhões, uma acusação fervorosamente negada pela atual administração. Além das manchetes sensacionalistas, o fator chave é que um tópico tão importante relacionado à saúde para mães e crianças foi colocado de volta na mesa.

O leite materno é rico em nutrientes e inclui anticorpos para combater vírus e bactérias que protegem o bebê contra infecções e alergias. Ele estimula o sistema imunológico, reduz a mortalidade infantil e ajuda na recuperação mais rápida de doenças comuns na infância. Um estudo de Harvard em 2016 estimou que 3.340 mortes prematuras por ano entre mães e bebês poderiam ser evitadas apenas nos Estados Unidos, devido à amamentação adequada. Ela também diminui o risco de câncer de mama e de ovário, e a osteoporose.

Além dos benefícios físicos e do que é mostrado através de experimentos de laboratório, a amamentação é uma das melhores formas de se relacionar com um bebê. Além da nutrição, ela proporciona conforto e relaxamento. Ela libera oxitocina, que é o hormônio responsável por outros comportamentos amorosos que nos fazem sentir bem com uma pessoa.

A amamentação prolongada nos dois primeiros anos de vida permite o desenvolvimento adequado da criança, e as mulheres expressam mais sensibilidade materna após os primeiros anos do bebê, de acordo com um estudo da American Psychological Association.

Além dessas descobertas, há também uma conexão interna natural entre a mãe e o filho, que permite um desenvolvimento biológico e interno positivo, que começa dentro do útero, pertencendo a uma camada interna da natureza que nossos estudos e ferramentas de pesquisa ainda não conseguem identificar.

Considerando o papel vital que as mães desempenham no desenvolvimento de cada indivíduo desde a mais tenra idade, é lógico que as mães que ficam em casa devem receber todo o apoio possível para criar a próxima geração.

No entanto, na prática, este não é o caso.

No mundo de hoje, a maior parte do ônus recai sobre a mãe, que normalmente é esperada para priorizar sua carreira em relação à família, fazer malabarismos com tarefas e se tornar cada vez mais exaurida e insatisfeita. O chamado avanço dos direitos das mulheres de escolher é, na prática, uma contradição. No final, as mulheres que decidem cumprir um papel tradicional como mães que ficam em casa não recebem reconhecimento, valor e apoio econômico suficientes da sociedade, como se a criação de uma nova geração não fosse o empreendimento mais importante de todos.

Da mesma forma que a ciência tem sido incapaz de criar um útero artificial que dá vida a um embrião, o papel de nutrir e educar a criança é insubstituível. Não podemos fingir ser mais sábios que a natureza. Se realmente quisermos fortalecer e promover a autodeterminação das mulheres, a sociedade deve criar condições para uma maternidade confortável.

Na maioria das sociedades, as mulheres lutam para ter uma vida equilibrada, considerando o trabalho como uma necessidade econômica, em vez de libertação e progresso pessoal. As mulheres são apanhadas em um emaranhado cada vez maior de compromissos no trabalho e em casa, com muito pouca restituição em qualquer nível.

Hoje em dia, certos governos estão considerando a distribuição de uma renda básica incondicional suficiente para satisfazer as necessidades básicas de uma pessoa. Tais programas, se implementados, devem beneficiar as mulheres em primeiro lugar, particularmente as mães que decidem deixar o local de trabalho para criar seus filhos.

As mães não devem continuar sendo tratadas como cidadãos de segunda classe. Em vez disso, devem ser reconhecidas como “CEOs da sociedade” – a força dominante na criação, as únicas capazes de dar à luz e nutrir toda uma nova geração. Tenha em mente que o mundo é o nosso teto, a humanidade é a nossa casa e as mulheres são o pilar dessa estrutura. A natureza está nos mostrando o mecanismo perfeito do corpo humano. E a maternidade em particular tem um papel crucial no nascimento de uma nova humanidade.

Comente