Medium: “A ‘Sobrevivência Dos Mais Ricos’ Depende Deles Salvarem Todos Nós”

Medium publicou meu novo artigo “A ‘Sobrevivência Dos Mais Ricos’ Depende Deles Salvarem Todos Nós

Você já ouviu falar sobre “o evento”?

Acontece que “o evento” é um codinome da crise sistêmica que se aproxima da humanidade em grandes avanços, um eufemismo usado pelos ultra ricos do mundo. Se será desencadeada por um colapso econômico e uma agitação social maciça, mudança climática, explosão nuclear, uma epidemia ou guerra cibernética, isso resultará em uma catástrofe global, e o escalão superior quer estar pronto para o “Dia do Julgamento”.

Para se preparar para o inevitável, cinco magnatas convidaram o teórico de mídia e o autor de tecnologia, prof. Douglas Rushkoff, para dar-lhes alguns conselhos pela taxa simbólica de metade de sua renda anual.

Durante a reunião, Rushkoff percebeu de repente que os ultra ricos tinham uma razão completamente diferente para investir em tecnologia: todas as novas tecnologias de ponta, como inteligência artificial, blockchain, impressão 3D, CRISPR e até mesmo a colonização de Marte, são vistos e apoiados pelas elites do mundo como meio de salvar-se do “evento”.

Enquanto vemos supermercados sem caixas, veículos autônomos e robôs fazendo o trabalho para nós – os ultra ricos veem meios de proteção contra multidões enfurecidas e colapsos sistêmicos em um futuro não muito distante.

De fato, os poucos ricos e poderosos têm uma visão muito mais ampla do risco global do que a maioria da sociedade humana. No entanto, o que eles podem ver e prever é apenas um fragmento do quadro geral. A crise humana multifacetada se origina de uma causa completamente diferente e acontece com um propósito totalmente diferente do que eles entendem, e é por isso que eles acham que podem evitá-la.

O “evento” real é um ponto de virada natural na evolução humana, e suas origens começam há menos de 14 bilhões de anos com o Big Bang.

Através de bilhões de anos, o desenvolvimento da matéria criou gases, poeira, estrelas e planetas, e depois a vida biológica da flora e da fauna na Terra. Mas junto com a expansão do universo, a natureza também trabalha para equilibrar todos os níveis da vida: do inanimado, para a vida da planta, para a vida animal, para a vida humana. E a nossa vez acaba de chegar.

Quer percebamos ou não, a natureza está nos empurrando para nos equilibrarmos com ela. E isso significa tornar-se uma parte integral e harmoniosa do sistema natural, que exige a evolução da sociedade humana como uma espécie coletiva em todo o planeta. Gradualmente, a natureza está ampliando nossa sensibilidade à nossa interdependência global, forçando-nos a reconhecer a rede humana da qual todos fazemos parte e a transformar nossas sociedades de acordo.

Nenhuma tecnologia pode impedir as leis da natureza e nenhum bunker pode impedir qualquer pessoa de ser afetada por elas. Mas podemos aprender como acompanhar a pressão evolutiva, e não ir contra ela.

Para evitar tornar-se vítimas de um colapso agressivo de nossa cultura atual, temos que reconhecer e nos preparar para um futuro inevitavelmente conectado. As pessoas têm que aprender sobre as leis da natureza e como elas formam um sistema integral, onde todos os elementos dependem de sua conexão equilibrada com os outros e como isso os complementa.

Mas esse é apenas o começo da transformação da humanidade. Não é coincidência que nas últimas décadas haja um corpo crescente de pesquisas de vários campos, confirmando que conexões humanas positivas nos tornam mais inteligentes e melhores em todos os sentidos, assim como mais felizes e saudáveis. Os seres humanos terão que descobrir e ativar sua fiação inerente para conexão, praticando-a conscientemente.

Quanto mais praticamos nossas conexões positivas – pessoal, social e globalmente – mais vemos que estamos chegando ao equilíbrio com as leis da natureza, e isso se tornará nossa nova fonte de realização.

Certamente, a transformação da sociedade humana exigirá um grande esforço socioeducacional em todo o planeta, usando nossos meios e nossas tecnologias de uma nova maneira e para um novo propósito. A ironia é que precisamente as pessoas como as que conheceram Rushkoff têm todos os meios necessários para que isso aconteça. O que falta é apenas o entendimento de que a única maneira de se salvar do “evento” é salvar a sociedade humana também.

Comente