Entre Os Estreitos

laitman_221.0As três semanas anteriores ao dia 9 de Av começaram. Estes dias são chamados de Bein ha Metzarim (“entre os estreitos”). Tudo o que acontece neste mundo é o efeito do sistema superior. Ações e estados em nosso mundo se espalham da raiz superior para o ramo material e se materializam neste mundo como ramos, no material inanimado, vegetativo, animado e nas pessoas, no tempo e no espaço. Nós devemos estudar as raízes analisando seus ramos.

A partir de hoje, os ramos superiores já se materializaram em nosso mundo, todos exceto a correção final (Gmar Tikkun). Tudo o que tinha que ser revelado foi revelado; tudo o que resta é a correção final. É por isso que o Baal HaSulam diz que estamos vivendo nos tempos da última geração que terão que corrigir a quebra, que já foi completamente revelada. Agora só precisamos aplicar esforço para nos elevarmos acima dela.

Mas a ascensão é impossível sem uma compreensão clara do mau funcionamento que existe no sistema e de uma relação correta com ele, como sendo uma condição inicial necessária. Basicamente, não é um pecado. A criação da inclinação do mal foi necessária. Tanto o “céu” como a “terra” são necessários porque “Ele os criou um oposto ao outro”, como se a força do mal tivesse sido criada oposta à boa força.

Na realidade, apenas enfatiza o positivo. É porque, como mais tarde é revelado, não há mal. Há apenas uma falta do bem. Além disso, o bem será revelado de maneiras multifacetadas como resultado do papel que o mal desempenhou oposto a ele. Não há mal, existe apenas a revelação do bem em sua forma oposta.

Nós precisamos aprender que existe uma conexão entre a raiz e o ramo. Isso significa que, em nosso tempo, como no decorrer de toda a nossa história, a raiz aparece através dos ramos em datas específicas, repetindo-se nos mesmos pontos no tempo; por exemplo, o dia 17 de Tamuz, o dia 9 da Av. Essas datas sempre traziam sofrimento à nação de Israel, enquanto o tempo em torno de Purim costumava ser alegre e feliz.

É por isso que durante estes dias nós precisamos ter um cuidado especial, mesmo em nossas preocupações materiais, e evitar ações arriscadas até o final do dia 9 da Av. Logo depois, já começamos a sentir que estamos saindo de um período de luto e podemos nos alegrar e aspirar à correção final.

O dia 17 de Tamuz é o começo dos dias “entre os estreitos”, associado à destruição de Jerusalém, a parede do Templo e a destruição do próprio Templo, simbolizando a conexão existente na nação de Israel depois de entrar na terra de Israel. Esta conexão torna-se possível graças à recepção da Torá, cuja preparação foram os 40 anos de peregrinação no deserto e a correção de Malchut com a ajuda de Bina. Bina é a letra “Mem” (quarenta).

Depois disso, assim que eles construíram o Primeiro Templo, imediatamente começaram a cair. Eles construíram o Segundo Templo, já inferior ao Primeiro, mas também foi destruído. Essa já foi a destruição final. Toda essa destruição ocorreu no dia do dia 9 da Av.

Para nós, hoje, o objetivo imediato é restabelecer a Shechiná (divindade). Em outras palavras, a correção deve ocorrer especificamente nas mesmas datas. Onde o ódio e a destruição foram revelados, a unidade e o amor também devem ser revelados.1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 01/07/18, Lição sobre o Tópico: “O Período de ‘Entre os Estreitos’”
1 minuto 0:20

Comente