Textos arquivados em ''

Jpost: “Nós Lamentamos A Ruína Do Templo, Mas Exaltamos Sua Causa”

O The Jerusalem Post publicou meu novo artigo: “Nós Lamentamos A Ruína Do Templo, Mas Exaltamos Sua Causa

Todos os anos vem Tisha B’Av, nós lamentamos a ruína do Templo devido ao nosso ódio infundado. No entanto, a cada ano, tornamos nosso ódio mútuo mais arraigado. Então, quão boas são nossas lágrimas?

Um Dia Ruim Para Os Judeus

O Talmude (Masechet Taanit) nos diz: “Cinco coisas aconteceram com nossos pais no dia 17 de Tamuz e cinco no dia 9 de Av [os dias que marcaram o começo e o fim das Três Semanas (Bein Hametzarim)]. No dia 17 de Tamuz as primeiras Tábuas quebraram, o fogo eterno se apagou, a muralha da cidade foi rompida, Apostumus queimou a Torá e colocou um ídolo no Templo. No dia 9 de Av nossos pais foram proibidos de entrar na terra, o Primeiro e o Segundo Templos foram arruinados, Beitar foi conquistada e [no mesmo dia um ano depois] a cidade foi arrasada”.

Why Specifically That Day?

A história cheia de horror do dia 9 de Av não termina com a ruína do Templo. Ao longo da história, este dia do ano tem sido repleto de calamidades. A expulsão dos judeus da Inglaterra em 1290 e a notória expulsão dos judeus da Espanha em 1492 aconteceram no dia 9 de Av. Mais perto do nosso tempo, no dia 9 de Av de 1942, os nazistas iniciaram a deportação em massa de 300.000 judeus do gueto de Varsóvia para o campo de extermínio de Treblinka.

Desde o nascimento de nossa nação, o dia 9 de Av foi um dia ruim para os judeus.

Por Que Especificamente Neste Dia?

O calendário hebraico reflete mais que nossa história. Em um nível mais profundo, ele reflete um processo de transformação de seres egocêntricos – cujos corações são maus desde a juventude, como narra a Torá (Gênesis 8:21) -, em uma nação conectada e mutuamente responsável, cujos membros estão unidos “como um homem com um só coração ”. Nesse ciclo, o dia 9 de Av marca um ponto de crise, quando damos as costas à unidade e toleramos o egocentrismo.

A ruína do Segundo Templo é certamente o evento mais traumático que aconteceu no dia 9 de Av. No entanto, não é a catástrofe em si que devemos lamentar, mas a nossa perda do amor um pelo outro, que o induziu.

Entre Amor E Ódio

No ciclo do nosso desenvolvimento, começamos como egoístas puros. Não queremos nada além do que é bom para nós, sem qualquer preocupação pelos outros. “O pecado se agacha na porta”, a Torá nos diz, e assim nos comportamos.

No entanto, se o propósito de nossa vida fosse se contentar em ser a espécie no topo da cadeia alimentar, não buscaríamos imortalidade, superioridade, renome e outras ambições exclusivamente humanas. Não precisaríamos inventar tudo o que criamos ao longo dos séculos; lanças e flechas seriam suficientes. Os humanos constantemente aspiram à perfeição e eternidade. Queremos saber o que criou o mundo, como ele funciona e por quê. Em uma palavra, a humanidade quer ser como o Criador do mundo – seu dono. Embora isso possa não ser verdade para você e para mim, pessoalmente, sem esses impulsos básicos, não desenvolveríamos a ciência, o pensamento crítico, as competições esportivas ou perseguiríamos todos os compromissos que pertencem à nossa existência humana, além de nossa sobrevivência física.

O ego humano é diferente do dos animais. É a força motriz por trás do nosso desenvolvimento. Enquanto a natureza equilibra o interesse próprio dos animais, equilibrar a autoabsorção humana requer nosso próprio esforço consciente.

Abraão, o homem de misericórdia, foi o primeiro a encontrar um método para conter o egoísmo humano. Ele e seus descendentes o desenvolveram até que uma nação baseada na misericórdia e unidade fosse formada. Mas no pé do Monte Sinai, a montanha de Sina‘a [ódio], nós sucumbimos aos nossos egos, e em vez de receber a Torá, o poder da conexão, nos voltamos ao ídolo do ego: o bezerro de ouro. Assim, as tábuas quebraram.

No entanto, nossa nação emergiu dessa crise. Nós juramos ser “como um homem com um coração”, assim recebemos a Torá, e a tarefa de ser “uma luz para as nações”, espalhando o poder da unidade.

Na batalha entre amor e ódio, o método desenvolvido pelos antigos hebreus pretendia levar o mundo à vitória final do amor sobre o ódio. Este método simplesmente afirma que, se equilibrarmos nosso egoísmo com o amor ao próximo, permitiremos que cada pessoa perceba todo o seu potencial, usando essa percepção para o bem comum. Desta maneira, nós “encobrimos” nossos egos com amor, ou como o rei Salomão colocou (Provérbios, 10:12): “O ódio causa contenda, e o amor cobre todos os crimes”. Ao fazer isso, nós exploramos o poder da conexão que criou o mundo e agora o sustenta. Este é o significado interno de receber a Torá.

A Fronteira Final

Todos os anos vem Tisha B’Av [9 de Av ], nós lamentamos a ruína do Templo devido ao nosso ódio infundado. No entanto, a cada ano nos tornamos mais entrincheirados em nosso ódio mútuo. Então, quão boas são nossas lágrimas?

Qual é a razão de chorar sobre a nossa ruína do passado se, ao mesmo tempo, estamos preparando a nossa própria destruição devido à mesma razão que nos demoliu antes? Nós realmente não aprendemos nada com o nosso passado? Quantas ruínas mais devido à aversão mútua precisaremos experimentar antes de finalmente nos tornarmos sábios?

O iminente extermínio do povo judeu vai ofuscar qualquer coisa que já tenhamos experimentado, incluindo a ruína do Segundo Templo, inclusive o Holocausto, que, aliás, extinguiu a vasta maioria da minha própria família.

Estamos na última etapa da jornada, a fronteira final na batalha entre o amor e o ódio. O ódio que está aparecendo agora será o mais intenso de todos os tempos, e transformará sua ira contra os judeus. Não podemos mitigá-lo, mas podemos e devemos cobri-lo com amor, como fizemos antes.

Esta é nossa vocação como judeus. É a realização de nossa missão ser “uma luz para as nações”. Como eu já disse várias vezes antes, na internet e nas páginas do The New York Times, devemos cobrir nosso ódio com cuidado uns pelos outros e, assim, dar um exemplo de unidade para o mundo. Podemos fazer isso de bom grado e agradavelmente, ou seremos forçados a isso pela fúria do mundo. De um jeito ou de outro, nós faremos isso.

Então, neste Tisha B’Av, vamos pensar mais sobre o nosso futuro e nosso papel, e menos sobre o nosso passado. Vamos nos concentrar em construir o tempo futuro e fazer da ruína do passado a base de nosso futuro seguro e feliz.

Meus Pensamentos No Twitter 20/07/18

Dr Michael Laitman TwitterSomente com um pedido pode-se obter ajuda de cima: a força para resistir ao desejo de prazer pessoal, que permite elevar-se acima do ego e permanecer acima dele na fé acima da razão. Então, todo o trabalho reside apenas no pedido! Este é o único canal que nos conecta com o Criador.

O liberalismo está morto
Com nossas qualidades, não podemos mudar o mundo para melhor. Mas as pessoas perceberão que devemos viver acima da natureza maligna. Esta deve ser a primeira emenda à Constituição. Nós devemos começar a esfregar nossos corações. Tal constituição nos trará para o bem.

Fuja do #Facebook
Precisamos de uma verdadeira rede social com a mensagem principal: nos unirmos acima das nossas diferenças.
As pessoas nunca resolverão seus conflitos, mas nós podemos encontrar interesses comuns em um nível superior, em nossa ascensão coletiva acima de nós mesmos.
#mídia social

Do Twitter, 20/07/18