Newsmax: “Uma Conexão Humana Sem Fronteiras É Possível?”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “Uma Conexão Humana Sem Fronteiras É Possível?

A ordem executiva do presidente Trump, revertendo a política de separar crianças dos pais enviados à cadeia por atravessar a fronteira ilegalmente, não é surpresa, devido ao tumulto internacional que a provação de crianças causou. Mas o que vem depois?

É impossível ficar indiferente à crise humanitária das últimas semanas que afeta mais de duas mil crianças. As imagens de crianças chorando dentro de centros de detenção semelhantes a gaiolas despertaram uma sensação em mim e no resto do mundo, quando as famílias foram separadas.

É compreensível que esses pais estivessem à procura de oportunidades e um bom futuro para eles e seus filhos, que eles não conseguiam encontrar em seus países de origem. Mas o que você faria se fosse o presidente dos Estados Unidos e tivesse prometido ao seu eleitorado implementar uma política de tolerância zero para impedir a imigração ilegal?

É isso que milhões de pessoas que confiaram no presidente Trump com seus votos esperam dele. E ele está fazendo exatamente isso. Então, mantendo sua palavra, ele está tentando mudar a economia, o comércio, o sistema financeiro e a segurança interna, entre outras áreas.

Resolver a imigração ilegal para os EUA, no entanto, é um dos enigmas mais desafiadores. Uma solução permanente para o problema tem sido evitada por décadas. Tanto os políticos democratas quanto os republicanos até fecharam os olhos para permitir que as pessoas entrassem ilegalmente no país para obter ganhos políticos do próprio partido.

Uma reforma sólida da imigração que impeça mais pessoas de infringir a lei e incentive os outros a imigrarem legalmente deve começar com um plano educacional. Os candidatos a um status permanente precisariam se inscrever em sessões de absorção para conhecer profundamente a sociedade americana, a história do país, as normas sociais, a cultura, a língua e suas leis.

A chave é avaliar o verdadeiro desejo do candidato de se tornar parte integrante da sociedade e não se somar aos guetos culturais segregados no país. A maioria dos problemas com esses conglomerados culturais isolados resulta de um processo de absorção inadequado.

Além disso, esta situação não se limita aos Estados Unidos. A Agência de Refugiados das Nações Unidas (UNRA) informou nesta semana que o número total de pessoas deslocadas em todo o mundo subiu para um recorde de 68,5 milhões no ano passado. Nenhum líder ou organização hoje parece saber como lidar com sucesso com a integração de imigrantes em seus respectivos países e sociedades, porque não há uma compreensão clara do que levou a tal deslocamento em larga escala.

Em última análise, qual é a consequência deste estado atual das coisas? É consequência de um novo nível de conexão e interdependência entre países e povos. A humanidade está gradualmente apagando suas fronteiras, tornando-se um caldeirão que precisará aprender a compartilhar e respeitar os valores comuns, desenvolvendo um sentido de um destino comum.

Isto não é relevante apenas para os imigrantes. À medida que o mundo evolui, a sociedade humana em todo o mundo terá que se engajar em um novo processo de aprendizado e transformação, que expande nossa percepção do mundo, as necessidades de nossos semelhantes e nos leva a uma compreensão de que dependemos uns dos outros não apenas para ter sucesso, mas para sobreviver.

Ainda há um longo caminho pela frente. Um país deve proteger suas fronteiras, mas a humanidade continuará se desenvolvendo para um estado de uma família global sem fronteiras. Como Yehuda Ashlag, um dos grandes sábios judeus do século XX, escreveu em seu livro “Os Escritos da Última Geração”: “O mundo inteiro é uma família … e todo país é obrigado a garantir que não deterá os cidadãos que vão para outro país e não fechará suas portas para imigrantes e estrangeiros”.

Comente