Misericórdia, Verdade E Falsa Misericórdia

laitman_260Antes do êxodo do exílio egípcio, a pessoa entra em um período obscuro, quando a cada dia se encontra mais e mais profundamente em seu egoísmo, tendo cada vez menos força para lutar contra ele. O desejo de desfrutar lhe envia todos os tipos de pensamentos, desejos e ações estranhos, cada vez mais distantes da espiritualidade. A pessoa sente que em vez de avançar, vai para trás.

Ela é então tentada a voltar-se para a religião, que promete uma recompensa imediata por cada ação tomada, como se uma única ação fosse suficiente para a correção. Isso, claro, é atraente e a pessoa sai.

Rabash escreve que especificamente tais pessoas que se envolveram com a Cabalá por um longo tempo, fizeram um bom progresso, e depois partiram sem entrar no mundo espiritual, arriscando-se a se tornarem os maiores oponentes da Cabalá, até mesmo seus inimigos. Por um lado, elas parecem entender do que se trata e, por outro lado, não têm nenhuma realização.

Não há outra força atuando na realidade além do Criador. Ele só permite que o ser criado perceba o que acontece com ele e o que a força superior faz com ele. O ser criado deve aplicar todos os esforços a esse ponto de consciência. Mas, de fato, antes, agora e no futuro, em todos os momentos, em todos os níveis, somente o Criador agiu e agirá.

E nós somos encarregados de revelar o Seu trabalho. Nós não influenciamos o trabalho em si, mas queremos apreciá-lo e alcançar toda a grandeza do Criador.

Está escrito: “Eu e não um mensageiro”, ou seja, que o próprio Criador nos tira do Egito. Isso significa que estamos em contato direto com o Criador, com a força superior, sem intermediários. “Intermediário” significa que na minha demanda eu ainda não me sinto diretamente diante do Criador e não conecto todas as minhas esperanças de salvação somente a Ele.

Nós precisamos fazer enormes esforços agora, para que todos examinem sua própria condição e sintam que esse é o exílio egípcio. O sinal do êxodo do Egito estando próximo é um sentimento de total desesperança em absolutamente tudo, de todos os lados. Nesse estado de desespero, o Criador se revela e nos salva. No entanto, precisamos examinar esse estado juntos – essa deve ser nossa decisão comum. Não se pode sair do Egito sozinho. É factível apenas pela consciência séria no Kli geral.

O egoísmo assegura à pessoa que o caminho não deve ser tão difícil e intransigente quanto a sabedoria da Cabalá sugere. Por que se atormentar lutando com seu egoísmo? Existem muitos métodos psicológicos que permitem que você se acalme e se dê bem com seu desejo de desfrutar.

Certamente, isso é muito atraente. Portanto, a partir do momento em que a sabedoria da Cabalá surgiu, ao longo da história, muitos métodos diferentes se desenvolveram em paralelo a ela. E quando a sabedoria da Cabalá entrou em ocultação, isso se tornou uma razão para o surgimento de três religiões mundiais.

A religião suaviza a vida de uma pessoa, permitindo que ela realize ações externas em vez das internas e promete uma recompensa por isso neste mundo e no mundo futuro. É claro que o egoísmo busca compensar a si mesmo.

No entanto, de cima para baixo, é especificamente organizado para que existam outros sistemas além da Cabalá, que ajudam a descobrir o que é o egoísmo em relação à força de doação, a força do Criador. Portanto, todas as religiões e métodos são necessários e nada pode ser destruído. Nossa tarefa é apenas continuar esclarecendo o desejo do superior.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 28/03/18, Escritos do Rabash, Vol. 2, Artigo 8

Comente