Sem Medo De Outro Holocausto?

Laitman_011Não existe bem ou mal neste mundo, mas apenas duas forças: doação e recepção, que precisam se fundir. Elas trabalham de acordo com um princípio simples de conexão, a lei de equivalência de forma. Conforme a nossa unidade ou falta dela, de acordo com o tempo alocado para nosso desenvolvimento, essas forças geram os estados que desenvolvem e mudam o desejo de dar prazer à criação.

Devemos ser imparciais nesse processo, manter nossos sentimentos fora disso, ou não vamos entendê-lo. “O juiz tem apenas o que seus olhos veem” e não o que seu coração sente. 1

Punir ou Perdoar

O Criador trata cada pessoa, até mesmo uma criança, como se ela fosse responsável por suas próprias decisões. De sua perspectiva, não há diferença entre as pessoas; somos todos um só corpo que deve cumprir sua missão: adultos, crianças, homens, mulheres, idosos – todos se enquadram na mesma regra.

O Holocausto é uma consequência que se acumulou durante um longo período de tempo. Por dois milênios, os judeus tentaram evitar suas responsabilidades. Seu propósito é ser a Luz para as nações, ser um canal que distribui a Luz para a parte da humanidade que não pertence à sua cabeça, mas para o corpo da alma comum e é incapaz de atrair a Luz superior para ela por si mesma. No entanto, especificamente nessa parte é onde o Criador deve ser revelado. Israel, que é chamado de “eu sou a cabeça” (“Li Rosh”), serve apenas como um condutor da Luz para o corpo. Mas o contato real com a força superior e a adesão da criação com o Criador ocorre no corpo, onde a necessidade é mais sentida.

E quando Israel não cumpre sua missão, torna-se inútil neste mundo. Ou o governo superior terá que trazer muito sofrimento para nós, a linha da esquerda, para nos fazer mudar o nosso comportamento e atrair a Luz que reforma para a linha direita, ou vamos perceber e começar a nos comportar corretamente por conta própria. É um ou outro.

O Criador não decide o que fazer conosco: punir ou perdoar. O sistema funciona de acordo com leis específicas, não com emoções. Hoje, a situação é pior do que há 80 anos. Naquela época, as nações do mundo apoiaram o povo de Israel na criação de seu país, porque trazia consigo a possibilidade da correção deste mundo. Hoje, não temos esse apoio de ninguém. O mundo se recusa a respeitar a lembrança do Holocausto.

Isso mostra que a nação de Israel não consegue cumprir sua missão nem um pouco. As outras nações não sentem nenhum benefício de nós. Pelo contrário, elas nos veem como a parte mais perigosa do mundo. A única maneira de resolver isso é nos unirmos e nos transformarmos em um canal. Vamos criar um círculo em nossas conexões e formar um canal para o mundo. Esse é o nosso propósito.

Se, no entanto, deixarmos de fazer isso, sentiremos o ódio do alto, do Criador, e de baixo, das nações do mundo. Nós já vimos ao que isso leva. Nós existimos no sistema das leis da natureza que a pessoa não pode esquecer nem esconder. Portanto, não vamos fingir que não entendemos o que está acontecendo; vale a pena nos informarmos sobre esta questão e depois temos a oportunidade de nos salvar. Nada mais ajudará, pois “a lei é dada e não pode ser quebrada”. 2

Com o passar dos anos, a memória do Holocausto desaparece, não causa mais a sensação de perda e dor comuns. Se isso acontecesse com qualquer outra nação, visando seu desejo de receber, teria sido sentido com muito mais força e não teria sido esquecido por centenas de anos. Mas como o Holocausto visava nosso trabalho insuficiente com o desejo de doar, a memória dele desapareceu. Hoje, não sentimos nenhum vestígio dele.

Temos que entender esse fenômeno incomum. É por isso que não há medo de um Holocausto hoje. Isso é incompreensível! Mesmo quando a nova onda de antissemitismo surge, lembrando-nos da possibilidade de outro Holocausto, ninguém está impressionado com isso. Assim como os judeus da Polônia não se preocuparam antes da Segunda Guerra Mundial, achando que tudo acabaria bem.

No entanto, nossa condição hoje é ainda pior do que antes do Holocausto. No entanto, a nação judaica não pode despertar. Porque o despertar não deve ser resultado de sofrimento. O sofrimento só pode ser um efeito colateral. O despertar tem que ser o resultado da realização de nossa missão, a necessidade de nos unirmos para trazer o Criador, a Luz superior, de cima para baixo, a todas as criações, isto é, não fugindo dos golpes, mas revelando o Criador a toda a humanidade. 3

A raiz espiritual do antissemitismo é o comportamento incorreto da nação de Israel que deve alcançar a unidade com a Luz superior. O resultado dessa falta é revelado nos desejos não corrigidos, não em sua cabeça, mas no corpo da alma comum – nas nações do mundo. Quando se supõe que o corpo do Partzuf espiritual deve receber a Luz interior da cabeça, mas não a recebe, essa falta sobe à cabeça e ali é sentida como antissemitismo. 4

Hoje, o nazismo pode surgir em qualquer país desenvolvido. Quanto mais desenvolvido o país, maiores as chances de ele atingir o nazismo porque as pessoas são mais sensíveis e sentem mais fortemente que estão sofrendo por causa dos judeus. A situação é tal que os regimes democráticos, liberais e pró-socialistas estão prestes a entrar em colapso e abrir caminho para o nazismo, como Baal HaSulam havia nos advertido. 5

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 11/04/18, Lição sobre o tema “Dia em Memória do Holocausto”
1 minuto 21:10
2 minutos – 22:30 h às 31:20 h
3 minutos 40:50
4 minutos 49:03
5 minutos 87:28

Comente