Breaking Israel News: “Por Que Os Cabalistas Celebram O 70º Aniversário De Israel”

O maior portal Breaking Israel News publicou meu novo artigo “Por Que Os Cabalistas Celebram O 70º Aniversário De Israel”:

“Da escuridão saiu da luz, e da ocultação saiu e revelou a profundeza. Uma saiu da outra. Do bom saiu o mau, e da misericórdia saiu o julgamento. Tudo está incluído um no outro, a inclinação ao bem e a inclinação ao mal, direita e esquerda, Israel e o resto das nações, branco e negro. Tudo depende um do outro.
O Zohar, Kedoshim, 7-8.

Os Cabalistas estão acrescentando à celebração dos 70 anos do Estado de Israel um motivo adicional para celebrar: que no Estado de Israel, um grande ressurgimento espiritual está começando a tomar forma após 2.000 anos de exílio espiritual.

Escuridão e luz, descidas e ascensões, exílio e glória, são todos característicos do povo de Israel, antigo e moderno. Temos desfrutado de estados de unidade florescente e amor fraterno na época do Primeiro e Segundo Templos. Nós suportamos estados de amarga derrota, onde o ódio infundado violou nossa unidade, permitindo que o Império Romano aproveitasse nossa desunião e causasse a ruína do Templo.

No exílio, mesmo quando separados e dispersos em todo o mundo, encontramos maneiras de prosperar e desenvolver os países em que nos instalamos, deixando nossa marca na educação, economia, ciência, tecnologia, direito e sociedade. No entanto, ao fazer isso, uma vez que há uma expectativa semeada no inconsciente da humanidade sobre o povo de Israel trazer um tipo completamente diferente de prosperidade e crescimento do que a versão materialista que trouxemos até agora, nós fomos atormentados com o constante fenômeno do antissemitismo: da calúnia e do libelo de sangue até os pogroms devastadores e o Holocausto.

Depois do total horror que milhões de nossos antepassados ​​experimentaram no Holocausto, o mundo teve misericórdia de nós e apoiou o estabelecimento de nosso novo lar nacional: o Estado de Israel. No entanto, nem mesmo um único dia se passou para saborearmos nossa independência, e estávamos novamente em guerra para nos apegarmos ao que nos foi dado.

Setenta anos se passaram. Guerras e instabilidade com todas as nossas nações vizinhas estimularam o desenvolvimento de um exército bem equipado e que foi classificado como a força aérea mais poderosa do mundo. As lutas para construir a infraestrutura e desenvolver as exportações em uma terra que fornece poucos recursos naturais catalisaram nossa transformação em uma das nações tecnologicamente mais avançadas.

Tudo o que resta é reacender o amor nacional que está diminuindo, reviver a essência nacional que tem estado inativa por 2.000 anos, para nos despertar para a unidade e iluminar a luz que a humanidade inconscientemente espera de nós.

Portanto, estou muito feliz que nos 70 anos de independência de Israel, nos foi dada uma oportunidade de ouro de orgulhosamente carregar a sabedoria da verdade e divulgá-la. Depois de 2.000 anos de altos e baixos, luz e escuridão, glória e exílio, o véu foi erguido sobre a sabedoria de Israel – a sabedoria da Cabalá – e estamos nos tornando maduros para começar a usá-la para realizar nosso verdadeiro papel no mundo: alcançar o “ama teu amigo como a ti mesmo” e “cada um ajudará seu amigo” para se tornar “uma luz para as nações”.

Tal como acontece com o desenvolvimento de uma fruta, a nossa pele externa tem ficado mais dura, mas a parte interior, doce, ainda está escondida. Chegou a hora de aprender como podemos descascar essa pele e expor a parte interior doce de Israel ao mundo.

A mudança anual do Yom HaZikaron, o dia em que prestamos homenagem aos soldados caídos de Israel e às vítimas do terrorismo, ao Dia da Independência, quando celebramos o estabelecimento do Estado de Israel, simboliza a maneira pela qual só podemos experimentar uma subida após uma queda precedente. O povo de Israel experimenta a escuridão e a luz de forma adjacente, e obtemos discernimentos desses estados combinados. Nossa lembrança e nossa independência são como uma só, de manhã choramos e à noite aplaudimos. “E foi a tarde e a manhã, um dia” (Gênesis 1: 5).

Comente