A Grande Migração Das Nações

749.02Pergunta: Multidões imensas de pessoas estão se mudando geográfica e socialmente. O número de migrantes internacionais em 2017 chegou a 258 milhões: mais de 100 milhões superior a 1990. Hoje, quando tecnológica e economicamente o mundo se transformou em uma “aldeia global”, esse fenômeno está se tornando uma ameaça. O que será disso? (Reuters)

Resposta: É difícil para nós vermos um sistema em um “movimento browniano” interminável de imigrantes internacionais. Encontramos explicações políticas, econômicas, ideológicas e conspiratórias para isso.

No entanto, a verdadeira causa está na própria base da existência humana. Suas consequências às vezes nos parecem caóticas e imprevisíveis, enquanto na verdade tudo é muito rigidamente determinado e não há coincidências.

Todas as “coincidências” no mundo são controladas pela lei geral da natureza, segundo a qual os desejos que foram quebrados, previamente destruídos, devem reunir-se harmoniosamente. No entanto, eles devem se reunir apenas de uma forma consciente, por sua própria vontade.

Ao misturar a humanidade, a história nos coloca diante de um novo estágio de desenvolvimento e exige que nos coloquemos em equilíbrio com a natureza. Somos capazes disso? Sim, nós nos misturamos, mas nossa interconexão ainda não está fixa. Está longe de ser harmoniosa.

A humanidade consiste em uma multidão de partes separadas, estrangeiras e opostas, que continuamente ignoram, desprezam e se odeiam. Às vezes, os conflitos levam a derramamento de sangue, e às vezes eles se escondem atrás de sorrisos falsos e slogans.

Mas a essência é uma só: mesmo em comunidades exitosas externamente, somos internamente estranhos uns aos outros. Sob os clichês culturais e civilizados, o mesmo egoísmo ferve, pacificado até certo ponto, mas ainda assim não conquistado. E não importa o quanto nós o alimentemos, ele sempre precisa de mais.

Como resultado, milhões de imigrantes de outras culturas não podem ser totalmente assimilados em novos lugares: eles não se encaixam ou integram, permanecem como estrangeiros, trabalhadores convidados ou desempregados; eles criam seus próprios enclaves, ilhas, pontos focais ou territórios inteiros de anarquia.

A mistura global é um pouco semelhante a um barril de pólvora: ela une várias partes, intensifica a pressão e, por si só, não fornece uma solução fundamental para nosso problema comum.

Então, o que fazemos? A grande migração do século XXI deve ser acompanhada de uma educação adequada. É impossível apenas entrar em um novo mundo – precisamos entendê-lo, aceitá-lo e absorvê-lo. Precisamos aprender a viver juntos nisso. Essa é a ascensão ao próximo grau.

Com o tempo, as ondas de imigrantes crescerão e a sociedade moderna não estará pronta para tal turbulência. As pessoas ainda não aprenderam a interagir corretamente, a fixar seus relacionamentos – ainda não entendemos que as fronteiras abertas por conta própria não garantem nosso sucesso.

Isso faz sentido, já que aqueles que são responsáveis ​​pelo método da boa conexão ainda estão “dormindo”. A nação judaica, os patriarcas da humanidade, que uma vez proclamaram que a unidade e o amor ao próximo eram o maior valor, hoje preferem não notar sua história e herança.

Ao longo dos milênios, os judeus aprenderam como nenhuma outra nação a ser incluídos em outras sociedades e tecer ninhos em novos lugares. Eles simplesmente não têm problemas com isso, embora não tenham ideia de onde receberam esse presente. Consequentemente, o que está enraizado nos judeus permanece inacessível aos outros.

Se o mundo percebesse o papel dos judeus na história, as pessoas entenderiam o que realmente deveria ser exigido deles: unidade. Que os judeus aprendam de novo as leis da comutação, da integração e da mútua doação, e que usem essas leis de forma prática, demonstrando ao mundo inteiro como isso é feito.

Em suma, os judeus precisam se unir uns com os outros, não com os outros. E isso servirá de exemplo para os outros. Um exemplo de uma sociedade unida – multifacetada e unificada – se tornará a solução para uma série de problemas do século XXI. Só então seremos capazes de destravar com segurança as portas das nações e dos corações e começar a viver juntos de acordo com a lei da natureza como uma única e forte família.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 01/02/18

Comente