The Times Of Israel: “Dia Internacional Da Mulher 2018: Igualdade De Género Na Perspectiva Da Sabedoria Da Cabalá”

O Times de Israel publicou o meu novo artigo “Dia Internacional Da Mulher 2018: Igualdade De Género Na Perspectiva Da Sabedoria Da Cabalá “

À luz do Dia Internacional da Mulher, pediram que eu desse minha opinião sobre a igualdade de gênero na perspectiva da sabedoria da Cabalá.

Para começar, a ideia de comparar homens e mulheres é tão errada quanto a comparação de maçãs e laranjas. A natureza projetou homens e mulheres como criaturas diferentes, tanto biológica quanto psicologicamente. Assim como nossos corpos funcionam de maneiras muito diferentes, também pensamos, sentimos e percebemos o mundo de forma diferente.

Portanto, a tentativa de tornar homens e mulheres um e o mesmo é completamente artificial. Ao tentar julgar homens e mulheres pelos mesmos padrões e igualá-los o máximo possível, é como se estivéssemos tentando “consertar” a natureza. E a natureza não precisa de nenhum conserto.

Em vez de tentar nivelar as diferenças entre homens e mulheres, precisamos aprender a abraçá-las. Devemos procurar a harmonia – não a igualdade. Isto é, temos que atualizar nossa visão sobre a igualdade de gênero para uma abordagem mais holística, para ver como são precisamente nossas diferenças que nos tornam capazes de nos complementar para criar harmonia.

Toda a natureza funciona dessa maneira – qualidades únicas e opostas são entrelaçadas para criar a vida – positivo e negativo, contração e expansão, calor e frio, refluxo e fluxo, masculino e feminino. Na verdade, eu acredito que isso seja algo que as mulheres entendem muito melhor do que os homens, uma vez que geralmente são mais sensíveis à natureza do que os homens.

No plano prático, não estou dizendo que homens e mulheres não possam cumprir os mesmos papéis na sociedade. Exemplos como Margaret Thatcher e Angela Merkel provam que uma mulher capaz pode estar em uma posição que normalmente era ocupada por um homem. No entanto, colocar uma mulher em uma determinada posição apenas porque faz com que as coisas pareçam mais “iguais” é tolo e não vai fazer nenhum bem à sociedade.

Por exemplo, quando um comitê de direção é convidado a ter uma quantidade igual de homens e mulheres por causa da “igualdade”, é uma percepção infantil de igualdade que visa a correção política, em vez de resultados ideais. Um comitê de direção poderia ter a maioria de homens ou a maioria de mulheres, dependendo do que o comitê precisa alcançar e do que cada pessoa traz à mesa – e não de que forma podemos fazer um cartaz de igualdade.

A sociedade ocidental precisa de mais educação sobre como vários sistemas da natureza alcançam harmonia quando as diferenças se juntam. Então, veremos que o que devemos lutar na sociedade é pela complementação mútua, o que significa destacar as qualidades únicas de homens e mulheres, e tecer juntos para alcançar o melhor dos dois mundos.

Eu convido você a fazer nosso Curso Gratuito de Cabalá e aprender por si mesmo como descobrir suas qualidades únicas em benefício de todos.

Comente