The Times Of Israel: “A Passagem (Pessach) Do Materialismo À Unidade”

The Times of Israel publicou meu novo artigo “ A Passagem (Pessach) Do Materialismo À Unidade

A Páscoa judaica (Pessach) é uma oportunidade de passar de um estado de divisão, desrespeito e frieza na sociedade moderna, para um de unidade, cuidado e calor.

Embora o ano judaico comece formalmente em Rosh Hashaná, há uma visão mais ampla dos feriados judaicos que mostra Pessach como o início do ano judaico. Para ver isso dessa perspectiva, precisamos entender o significado mais profundo de Pessach.

Pessach descreve um processo interno onde um período de intensificação da divisão leva à decisão de se unir, seguido pela descoberta de um estado mais unificado. Além disso, Pessach indica o que torna o povo judeu único.

O Que Torna O Povo Judeu Único?

Ao contrário de outras nações e raças, o povo judeu não surgiu organicamente de uma descendência familiar ou proximidade terrestre. Os judeus eram originalmente uma reunião de pessoas que ficaram conhecidas como “os judeus” quando se dedicaram a se unir “como um homem com um só coração” e aceitaram a responsabilidade de ser “uma luz para as nações” (a palavra hebraica para “judeu” [Yehudi] vem da palavra “unido” [yihudi] [Yaarot Devash, Parte 2, Drush nº 2]).

O feriado de Pessach explica essa transição.

Ele começa numa época em que o povo de Israel vivia excepcionalmente bem no Egito. Em termos de valores sociais comumente aceitos, eles tinham tudo: conforto, riqueza e sucesso, ou como está escrito na Torá, “no Egito… nos sentamos em torno de potes de carne e comíamos toda a comida que queríamos” (Êxodo, 16:3). No entanto, mesmo com toda a sua abundância material, eles sentiram que algo estava faltando.

Neste ponto, vamos nos afastar para ver o processo que isso descreve: a natureza humana, que é o desejo de receber prazer, constantemente nos incita a nos preenchermos. Quanto mais nos preenchemos, mais nos sentimos vazios, e mais sentimos a necessidade de buscar mais e mais realizações vez após vez. Assim, nosso desejo de desfrutar cresce e evoluímos através de vários estágios do crescimento do desejo. Depois de satisfazer nossas necessidades básicas de alimento, sexo, abrigo e família, nosso desejo cresce e desenvolvemos desejos sociais – dinheiro, respeito, controle e conhecimento – que continuamente tentamos satisfazer.

Então, encontramos um problema.

Como um cachorro perseguindo seu rabo, ​​nós perseguimos todos esses prazeres, mas continuamos nos descobrindo querendo algo mais ou diferente deles, sem sermos capazes de apontar o que realmente queremos. A história de Pessach descreve esse novo desejo: quando nossos desejos materiais são apagados, surge um novo desejo de conexão social positiva. Esse desejo é chamado de “Moisés”.

Moisés esteve presente o tempo todo em que o povo de Israel prosperava no Egito. Ele cresceu na casa do Faraó até que ele mesmo exauriu a busca material da felicidade. Foi quando o exílio egípcio começou. O Faraó, ou seja, nosso ego, se recusa a aceitar a unidade. Ele não pode pensar em nada pior do que a ideia de viver a vida com o objetivo do “ama teu amigo como a ti mesmo”.

Assim como o povo de Israel prosperou no Egito, eles naturalmente começaram a querer mais do que aquilo que tinham, e a ideia de unificação social – Moisés – começou a se formar entre eles. Então veio a luta entre Moisés e o Faraó. Por um lado, Moisés apontou o caminho para a união e o amor ao próximo, enquanto o Faraó insistia em que ele governasse, isto é, que eles continuassem vivendo e trabalhando apenas para realizações materiais egoístas. Quando o Faraó viu o povo de Israel aceitar Moisés, ele se tornou o rei selvagem que a história de Pessach descreve.

Através de um longo processo, o povo de Israel permaneceu ao lado de Moisés, exigiu sua união e triunfou. Eles se uniram ao pé do Monte Sinai e aceitaram a lei do “ama teu amigo como a ti mesmo”. Depois eles foram se purificar do hametz (fermento), isto é, o seu ego, e fizeram a transição do egocentrismo para a unificação, percebendo a ideia e orientação de Moisés.

Pessach Hoje

Visto que Pessach descreve o processo de superação do egoísmo com a unidade, ela é tão relevante hoje como sempre foi. A cultura materialista de hoje parece cada vez mais com o Egito descrito na história de Pessach: nós desfrutamos das maravilhas do materialismo por um bom tempo, mas cada vez mais pessoas estão sentindo cada vez mais que suas vidas estão perdendo alguma coisa.

Nós vemos isso expresso entre indivíduos com aumento da depressão, estresse e solidão, e na sociedade com a intensificação da divisão social, xenofobia e antissemitismo. Todos esses fenômenos nos mostram que podemos ter toda a abundância material que queremos, mas isso ainda não nos satisfará, e o que realmente precisamos para cumprir nosso novo e maior desejo é a união, a conexão social positiva.

Ao contrário de nossas realizações materiais, não podemos imaginar como seria se unir acima de nossas divisões. Não vemos nenhum exemplo de unidade com o qual possamos preencher nossos meios de comunicação e sistemas educacionais, e assim continuamos regurgitando e reinventando ideias, histórias e produtos materialistas, já que não vemos nem sabemos mais nada.

À medida que a sociedade se envolve continuamente nesse ciclo materialista de perseguição de prazer sem qualquer outro objetivo à vista, e à medida que os problemas surgem cada vez mais dessa configuração, mais a sociedade aponta o dedo da culpa para os judeus. O sentimento antissemita aumenta assim porque o povo judeu, em sua ancestralidade, possui o modelo para realizar o novo desejo de conexão. Se o povo judeu não conseguir apontar e trabalhar em direção à unificação em um tempo em que não apenas os judeus, mas o mundo em geral, precisam de unidade, o mundo inconscientemente começará a sentir o povo judeu como a causa de seus problemas.

Nossos antepassados ​​passaram pelo processo de união, salvando-se da ruína no processo. Hoje, visto que o dedo da culpa está em nós por todos os tipos de razões, cabe a nós identificar a razão principal de toda essa culpa – que, de todas as pessoas, nós recebemos as chaves para nos unirmos acima de todas as diferenças, e isso é o que o mundo realmente precisa de nós. É como se o mundo não prestasse atenção a toda a tecnologia, cultura e medicina que trazemos ao mundo. No entanto, se fizermos como nossos antepassados ​​fizeram, vamos perceber a razão de termos sido colocados aqui, e veremos como a atitude do mundo para com os judeus mudará para uma de respeito e valorização.

Eu espero que comecemos a prestar atenção às causas e tendências profundas por trás dos problemas do mundo, e que neste Pessach, possamos dar um passo em direção à sua solução final: a união.

Feliz Pessach!

Comente