Os Ricos Ficam Mais Ricos, Mas Eles Não São O Problema

A estratificação social está aumentando no mundo. Os ricos continuam a ficar rapidamente mais ricos e os pobres mais pobres.

De acordo com dados recentes, no ano passado, um por cento da população mundial acumulou cerca de um terço da riqueza do mundo. Isto é ruim? No âmbito do egoísmo humano, isso é normal e natural. Não se trata de bilionários. Como todos nós, eles também não podem sacrificar sua natureza (The Guardian).

O nosso egoísmo é sem fundo e nada é suficiente para ele. É bom que hoje nós ainda consigamos mantê-lo sob controle e repassemos alguns fundos para os outros. No entanto, a tendência geral leva a um beco sem saída.

Afinal, uma pessoa rica estima seu sucesso não em bilhões, mas em sentimento. Ela não sente que é rica, porque os outros são mais ricos do que ela ou porque ela ainda não é dona de tudo e de todos.

Paradoxalmente, com cinquenta bilhões, ela sente-se mais pobre do que antes. Não há limite. Ela dá enormes somas para causas de caridade exatamente porque o dinheiro em si não a satisfaz. A propósito, seríamos exatamente os mesmos em seu lugar.

Por outro lado, mesmo infusões maciças no Terceiro Mundo não ajudaram a mudar radicalmente a situação. Centenas de milhões de pessoas ainda passam fome e a maioria das pessoas está longe de satisfazer suas necessidades básicas.

O que deveria ser feito?

Para começar, precisamos entender a essência do problema, sua raiz. O mal não está na concentração de riqueza do mundo, mas no próprio sistema, onde as pessoas são incapazes de mudar, porque não querem ouvir que precisam mudar a si mesmas.

Nós somos confrontados com o desafio da história: a necessidade de renovar radicalmente a natureza humana e nutrir uma nova qualidade de doação aos nossos companheiros seres humanos. Só isso nos fará mais iguais, verdadeiros, honestos, confiáveis e sem derramamento de sangue. Esta não é uma solução “padronizada para todos”. Em vez disso, ela permite que todos se realizem ao beneficiar os outros.

Somente assim encontraremos nossa vocação e felicidade.

Comente