Newsmax: “Hawking Era Uma Ciência Benéfica E Honesta”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “Hawking Era Uma Ciência Benéfica E Honesta

A morte do astrofísico de renome mundial, Stephen Hawking, pode ser vista como um outro prego no caixão da ciência genuína. A abordagem honesta de Hawking da ciência foi exemplificada pela sua prontidão para admitir seus erros. Em seus 70 anos, ele admitiu que uma crença que formulou no início de sua carreira científica era incorreta. Esta forma de investigação científica, no entanto, tornou-se uma raridade no mundo científico de hoje.

Desde a década de 1960, testemunhamos a corrupção gradual e a queda da ciência.

A aclamação generalizada pela ciência se deteriorou e foi substituída por negócios, Hollywood e esportes. Mais significativamente, a própria ciência se infundiu de objetivos além de compreender a natureza da realidade. Tornou-se cada vez mais explorada como um meio para inflar a riqueza, o poder e o respeito das pessoas.

Juntamente com o declínio na apreciação da ciência genuína, as necessidades dos cientistas atendiam aos interesses dos seus financiadores. Agora é comum que os governos usem cientistas para avançar suas agendas políticas e que as corporações usem cientistas para aumentar seus lucros.

Um dos resultados óbvios é que o “progresso científico” e o “progresso tecnológico” ficaram confusos como sendo iguais, uma vez que a pesquisa científica e o desenvolvimento são tão proeminentes para o desenvolvimento das tecnologias atuais.

Iniciativas Impulsionadas Pelos Lucros Não Beneficiam A Humanidade

Assim, ficou difícil ser um cientista genuíno, aquele que pretende descobrir a ordem subjacente da natureza, e muito mais fácil ser um cientista que contribua para empreendimentos rentáveis ​​de alta tecnologia. O ofuscamento da ciência que procura a verdade com a ciência do desenvolvimento tecnológico ganhou apoio público, uma vez que se tornou uma crença comum de que as novas tecnologias emergem para beneficiar a humanidade.

Declarações como “energia renovável é melhor para o meio ambiente” e “as mídias sociais conectam as pessoas” tornaram-se axiomas modernos no discurso público, criando uma percepção em que cada novo dispositivo vem resolver os problemas das pessoas e tornar o mundo um lugar melhor.

No entanto, uma visão mais profunda desse fenômeno mostra o contrário. Por exemplo, carros elétricos como o Tesla, popularmente marcado como “bom para o meio ambiente”, descobriu-se que causam mais poluição do que os carros emissores de carbono com 8 anos; e as mídias sociais, apesar de conectar as pessoas tecnologicamente, descobriu-se terem efeitos psicológicos sociológicos e negativos perigosos.

Portanto, espreitando sob a fachada de que a tecnologia acabará por resolver a maioria dos nossos problemas e melhorar nossa vida, as descobertas mostram como essas novas “soluções” são realmente prejudiciais ao nosso bem-estar, pois não consertam nossos problemas na sua fonte.

A razão para isso é simples: não podemos esperar soluções reais e duradouras para nossos problemas se as soluções oferecidas emergirem de motivos de lucro autocentrados. Em outras palavras, tudo o que criamos vem de um cálculo destrutivo, porque nossos interesses pessoais são mais importantes para nós do que o benefício de todas as pessoas. Stephen Hawking deu uma vez o exemplo de como os vírus informáticos refletem a qualidade destrutiva da natureza humana, afirmando que “a única forma de vida que criamos até agora é puramente destrutiva”.

A Ciência Do Conhecimento Ainda Precisa Extrair Da Natureza

Com a ciência e a tecnologia resultantes da nossa percepção egocêntrica da realidade, a sua capacidade de fazer o bem para a humanidade é obrigada a chegar a um beco sem saída. No entanto, se mudarmos nossa percepção da realidade para uma onde desejamos o benefício de todos acima dos interesses egoístas, veremos avanços fenomenais na ciência e na tecnologia: eles funcionarão para resolver genuinamente nossos problemas e, de fato, tornarão o mundo um lugar melhor, uma vez que a percepção que os orienta se tornará livre de motivos exploratórios, manipuladores e lucrativos.

Curiosamente, ao longo do século XX, a própria ciência deu um giro de 180 graus no ponto em que a própria ciência é resultado da percepção humana. Começou com a visão newtoniana de que a realidade existe independentemente da nossa percepção, deu um salto com Einstein provando que a realidade é relativa à nossa percepção e terminou com a mecânica quântica afirmando que a realidade pode ser criada por nossa percepção.

Portanto, a própria ciência culminou com um momento crucial no entendimento humano: se quisermos avançar ainda mais para descobrir as leis da natureza e usá-las para benefício de todos, precisamos mudar a maneira como percebemos e nos relacionamos com a realidade. Os motivos subjacentes do lucro e do poder egoísta neste setor precisam mudar para motivos altruístas que realmente buscam o benefício da sociedade.

Reinicializando a humanidade

Para submeter-se a uma mudança tão fundamental da percepção humana, temos que nos colocar no laboratório como objeto de pesquisa. Isto é, temos que experimentar ativamente e descobrir como atualizar nossas relações mútuas, através de atividades educacionais e sociais em grupos. O objetivo de tais atividades sociais e experiências seria desenvolver uma lente altruísta através da qual possamos olhar para todo o quadro da realidade.

Na minha opinião sobre o futuro, pesquisar a estrutura e o comportamento do mundo através de uma maior conexão humana proporcionará a grande mudança que nossa ciência precisa para se tornar verdadeiramente benéfica para a humanidade. Em última análise, abriria nossos olhos para um novo tipo de ciência, uma mais próxima do equilíbrio e da harmonia inerentes que existem na natureza.

Leia o artigo no Newsmax: Hawking Era Uma Ciência Benéfica E Honesta

Comente