Corredor Egípcio

laitman_617Baal HaSulam escreve que a vantagem que uma pessoa tem sobre um animal é que o desejo pela espiritualidade desperta em uma pessoa. Se não fosse por isso, ela levaria uma existência animalesca. A aspiração espiritual é o que cria um ser humano (Adam) de uma pessoa.

“Escravidão egípcia” é um estado que precede a espiritualidade, como um corredor que devemos passar para entrar no mundo espiritual. Portanto, primeiro entramos no Egito. Uma vez lá, começamos a esclarecer nossos desejos e nos preparar para o grau espiritual.

O Egito é caracterizado por um imenso aumento do egoísmo até que a pessoa queira engolir o mundo inteiro. A pessoa começa então a perguntar: “Qual é o sentido da minha vida” e a procurar a resposta. No final, ela vê que o egoísmo a domina completamente, fazendo dela um escravo do Faraó. Ela não concorda com isso e quer trabalhar para o Criador.

Mas ela descobre que não pode fazer isso. Portanto, ela grita e faz exigências até que esteja em completo desespero que seus esforços não trazem nenhum resultado, como está escrito: “E os filhos de Israel suspiraram por causa do trabalho”.

A pessoa sente golpes porque está se esforçando para o trabalho espiritual, mas não vê resultado nisso, e um grito explode dela. Isto é, o desejo certo, o pedido, surge nela e ela sai do Egito.

Quantas vezes, durante os anos de nosso trabalho, tentamos doar, unir, pensar bem dos outros e cuidar, mas até agora não vimos nenhum resultado? Para onde vão todos os nossos esforços? Afinal, nada desaparece sem deixar vestígios. Nós estamos em um sistema fechado onde funciona a lei de conservação de energia. Mas onde está o fruto do meu trabalho, meus desejos, cuidados, sucessos e fracassos – tudo isso simplesmente desaparece?

Não. Tudo se acumula: o trabalho de vocês, o meu e o da humanidade em todos os momentos. Portanto, há pessoas que recebem esse peso no coração que as leva ao êxodo do Egito. Outras continuam a escravidão egípcia por enquanto, mas, de geração em geração, acumulam seus esforços. Isso se aplica a toda a humanidade, sem exceção.

Até mesmo um pequeno piolho, que faz esforços para comer e sobreviver, também contribui para o cofrinho comum, porque também pertence ao desejo comum criado pelo Criador.

Da 1a Parte da Lição Diária de Cabalá de 11/03/18 , “Preparação para Pesach”, Parte 1

Comente