Minha Página Do Facebook: “Assembleia Geral Da ONU”

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 22/12/17

Se a Assembleia Geral da ONU se reunisse hoje para discutir o estabelecimento do Estado de Israel, é provável que seus membros votassem contra ele, e possivelmente alguns se abstivessem.

Chegou a hora de reconhecer que o Estado judeu não tem muitos amigos entre os 193 países que compõem a Assembleia Geral. O apoio generalizado para a condenação do reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel é uma prova disso.

Em momentos como este, onde claramente vemos que quase todo o mundo está contra nós, devemos parar e tentar entender por que somos tão rejeitados, odiados e indignos aos olhos do mundo. Existe uma causa mais profunda para essa aversão?

De acordo com a sabedoria da Cabalá, o anti-Israelismo não é um fenômeno político passageiro, mas sim uma expressão de leis naturais que governam a sociedade humana.

Cerca de 4.000 anos atrás, o povo de Israel foi fundado como o primeiro modelo de unidade social da humanidade acima das diferenças.

Desde então, eles possuem a chave para a unidade social em toda a sociedade humana. Quando o povo de Israel se une acima dos conflitos e das disputas, eles espalham a unidade em todo o mundo, mas quando estão separados e distantes uns dos outros, evocam as forças de separação do mundo, que repetidamente aparecem em surtos de ressentimento e ódio contra o povo judeu.

O ódio irracional que se fortalece a cada dia nos lembra a maneira difícil de se ter um papel. E mesmo que fiquemos felizes em nos esquivar deste papel, é impossível. O povo judeu carrega dentro de si o ideal social do amor pela humanidade acima de todas as diferenças, e somente o retorno à realização deste princípio pode erradicar o ódio do mundo em relação a nós.

Os Cabalistas explicam que nós, os judeus, determinamos o destino do mundo. “Assim como os órgãos do corpo não podem existir por um momento sem o coração”, afirma o Livro de Zohar, “todas as nações não podem existir no mundo sem Israel”.

A unidade entre o povo judeu permite a unidade em todo o mundo, e a separação entre eles também separa as outras nações, basicamente “selando” os oleodutos da abundância natural que vem da unidade. Assim, ela provoca guerras e ódio na humanidade. Essa dinâmica é que está empurrando as nações do mundo a atacar a raiz espiritual chamada “Israel” e tentar destruí-la, porque ela é inerentemente sentida como a “fonte de todo o mal” no mundo.

Nas palavras de Yehuda Ashlag, o maior Cabalista do século XX: “A nação israelense foi estabelecida como um ‘trânsito’, que na mesma proporção que Israel em si está unido, eles transferem seu poder ao resto das nações”.

A decisão tomada ontem em uma audiência de emergência, uma resolução que condena a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e apelando à anulação, deve servir de lembrança ao papel judeu: unir e ser “uma luz para as nações”.

Comente