O Que A Cabalá Diz Sobre O Amor Na Terra?

Laitman_910Pergunta: O que um Cabalista pensa sobre o amor?

Resposta: Os Cabalistas pensam constantemente sobre o amor. A questão é exatamente o que ele pensa sobre isso? Ele se pergunta se o amor existe ou não? Será que ele se pergunta o que o amor em si significa, qual é a sua definição, quais são os limites da sua existência, qual é o nível de sua manifestação e quais são as condições sob as quais ele se manifesta e existe?

Um tipo de amor eterno pode ser alcançado?

O tipo de amor que passa não é amor. Ele não pode ser outra coisa senão eterno.

Uma vez eu dei uma palestra a uma grande audiência em Tel Aviv e imediatamente disse-lhes que não há amor. No início, houve silêncio, mas gradualmente todos concordaram comigo.

Existe um amor constante, original e natural, que é apenas para o querido e inesquecível eu. Dentro da estrutura material, esse é o único tipo de amor que é real. Nasce e morre junto comigo, com o meu “eu”.

Este é o egoísmo que existe dentro de mim, que se desenvolve o tempo todo, e empurra meu nariz ainda mais para ver o que mais posso desejar, obter e aproximar do meu eu querido. Ele sempre pergunta: como eu posso me amar ainda mais? Essa é a nossa natureza egoísta. Portanto, o amor próprio é uma qualidade natural de tudo o que existe.

Toda natureza material no universo consiste em um grande tipo de egoísmo que se divide em quatro níveis: inanimado, vegetativo, animado e humano. Estes tipos diferem apenas pelo grau de egoísmo que se manifesta como amor por si mesmo.

O amor nos níveis inanimado, vegetativo e animado é instintivo e não reconhecido pelo próprio objeto. Ele não verifica o quanto se ama, mas apenas satisfaz seu amor.

No nível humano, o amor é programável. Embora permaneça um amor por si mesmo e só por si mesmo, no entanto, ele sofre vários estágios de desenvolvimento, como em que forma pode ser expresso e quais formas pode assumir. Uma vez que uma pessoa depende da sociedade, dos que são semelhantes a ela, e dos opostos a ela, sua ideia de amor ou como satisfazer-se e saciar-se muda sob a influência da sociedade.

No entanto, em princípio, este é o mesmo amor próprio, mas em formas ainda mais refinadas e constantemente renovadas. Esse é o amor que existe em nosso mundo, incluindo manifestações como o amor de uma mãe por um filho, o amor de uma pessoa por sua pátria, e assim por diante. Não importa que forma de amor estamos falando, no final todas refletem um amor egoísta por si mesmo.

Observação: Você dissipa todas as ideias românticas que as pessoas têm sobre o amor.

Meu Comentário: Não há romance aqui, exceto por pequenos equívocos. Isso é conhecido por todos, incluindo cientistas, filósofos, fisiologistas e psicólogos. No nosso tempo, o egoísmo cresceu tanto que somos especialmente, conscientes de que não há amor.

Mesmo os cientistas dizem que as pessoas só se reúnem por dois a três anos. A manifestação normal da mutualidade não pode durar entre elas por um longo tempo, já que tudo desaparece rapidamente. Nosso egoísmo é constantemente renovado e apaga todas as condições passadas que sustentam a manifestação de qualquer tipo de reciprocidade, embora seja egoísta ou apenas para o eu amado. Isso, no entanto, também muda.

Pergunta: Então, o que há depois? Hábito? Afinal, muitas pessoas vivem juntas há anos.

Resposta: Se alguém vive junto por muitos anos, eles são apenas “dinossauros”. No nosso tempo, ninguém vive voluntariamente na mesma família por muito tempo, tampouco por causa dos filhos ou por causa dos bens e de tudo o mais que adquiriram juntos.

O fato é que, anteriormente, a expectativa de vida não excedia quarenta anos e as pessoas morriam antes que o chamado amor acabasse

Além disso, um homem – ao escolher uma esposa – considerava não o amor, mas se a mulher podia ser uma dona de casa, certificando-se de que ela era saudável, capaz, podia cozinhar e poderia manter uma casa. Portanto, não há espaço para falar de amor aqui.

Da Lição de Cabalá em Russo 06/08/17

Comente