Ciências Terrenas E Liberdade De Escolha

laitman_538Pergunta: É possível provar a uma pessoa que ela é escrava de suas próprias ilusões?

Resposta: Se uma pessoa está em suas ilusões, ela não deve ser tocada. Não é que seja impossível provar nada a ela – não é permitido! Você não deve ir a uma pessoa e dizer: “Você é uma escrava; é uma prisioneira”.

Ela se sente bem. Você não tem o direito de aborrecê-la. No entanto, se ela vier a você e disser: “Eu não aguento mais. Não consigo respirar… “, então é uma história diferente.

Pergunta: Se fosse possível dar um curso sobre liberdade de escolha para escolas ou universidades, seria possível provar isso aos alunos mostrando vários estudos científicos?

Resposta: Somente de forma muito limitada, dependendo do nível de desenvolvimento da sociedade, mas não mais: não tire uma pessoa do estado em que ela está.

A ciência da Cabalá fala sobre a vida de uma pessoa neste mundo, como ela é controlada por desejos que estão em constante evolução, etc. Dessa perspectiva você pode explicar tudo. Ela é completamente racional, realista, correta, científica, e aqui não pode haver contradições ou objeções das sociedades científicas ou ordinárias.

Mas assim que você começa a falar sobre ter que se elevar acima do egoísmo, os problemas começam a surgir. O que significa: acima do egoísmo? Como se ele estivesse no controle de mim? Eu não vejo que seja assim; eu não sinto que seja assim. E se ele está no controle e, ao mesmo tempo, também é nossa natureza, além da qual nada mais existe, como posso me separar dele?

Observação: Vários anos atrás, cientistas realizaram um experimento. Eles conectaram eletrodos ao cérebro de um participante e questionaram que o sujeito precisava responder com um “sim” ou “não” pressionando um botão correspondente. Foi demonstrado que a resposta foi formulada no cérebro cinco a seis segundos antes de atingir a consciência da pessoa e ser capaz de pressionar o botão.

Resposta: Naturalmente. Um impulso e um comando aparecem no cérebro e somente depois disso o dedo pressiona o botão através de um controle estritamente mecânico. O dispositivo usado no estudo foi capaz de medir quando o impulso apareceu no cérebro.

Pergunta: Isso significa que o desejo aparece dentro de mim cinco a seis segundos antes de eu mesmo saber disso. Isso prova que o indivíduo não tem liberdade de escolhas. Vale a pena investir nessa pesquisa apenas para provar às pessoas que as decisões são tomadas para elas?

Resposta: Ninguém está tomando decisões! Isso ocorre naturalmente em nosso corpo. Você quer dizer que sinais de ordem superior são transmitidos ao cérebro de um indivíduo, que então se desenvolvem dentro dele, e ele os realiza? Isso é verdade. E daí? Tudo isso está na natureza!

Pergunta: Mas esse tipo de pesquisa poderia levar a humanidade a perceber que não há liberdade de escolha e à busca dessa liberdade. Ou não? Você é uma pessoa da ciência; você não acha que a ciência revelará a verdade sobre a liberdade de escolha?

Resposta: A ciência não pode provar isso. Ela já atingiu um muro e agora está em estado de crise. Os próprios cientistas reconhecem isso.  Afinal, a ciência só pode usar o que o indivíduo egoísta que criou essa ciência possui. E nada mais. A ciência existe apenas no âmbito do conhecimento humano, no âmbito da natureza humana.

Os cientistas simplesmente calculam algoritmos de suas próprias tendências egoístas, que eles então aplicam ao mundo ao seu redor. Nada mais.

Se tivéssemos uma natureza diferente, teríamos diferentes ciências. E a física e até mesmo a matemática seriam diferentes. Nós veríamos o mundo de forma diferente. Na física, na química e na biologia não há nada objetivo. É tudo apenas relativo ao indivíduo.

Por que a teoria de Einstein foi tão revolucionária? Porque ele disse que tudo depende do observador. E onde está esse observador? Primeiro, deixe-nos levá-lo ao seu estado original e, a partir desse estado, veremos o que realmente existe neste mundo. Afinal, o estado inicial é uma subida acima do egoísmo até o nível zero.

Essa é a restrição (Tzimtzum) a partir da qual, de acordo com a Cabalá, nós começamos nosso estudo do mundo.

Da Lição de Cabalá em Russo 02/07/17

Comente