Duas Encarnações De Uma Grande Alma

Baal HaSulam é o maior Cabalista da nossa época. É muito difícil falar de uma força tão grande porque não entendemos realmente o que significa ser um Cabalista. Ele vive junto a nós e, ao mesmo tempo, em um mundo diferente. Um Cabalista vive de fato em dois mundos.

Para um Cabalista, não há confusão. Ele vê o mundo superior e o mundo inferior. Mas o que mais o interessa é sua interdependência: como é possível fazer correções no mundo superior a partir do mundo inferior, de modo que ele influencie novamente o mundo inferior e o nosso mundo suba para o nível superior. Essa é a tarefa de cada Cabalista.

Um Cabalista vem do desejo que o caracteriza no sistema geral da alma chamado “Adão”. Cada um de nós tem uma raiz diferente. Isso se chama “ponto de referência” ou “ponto no coração”. è por isso que cada um revela o mundo superior de sua maneira única.

No entanto, todos os pontos do coração revelam esse sistema de forma relativamente similar. Porém, todos aqueles que escreveram antes de Baal HaSulam, por exemplo, tiveram dificuldade em escrever um comentário ao Livro do Zohar.

Antes do surgimento do Livro do Zohar, ninguém conseguiu escrever nada parecido, apesar do fato de que muitos Cabalistas sabiam mais do que o Rabi Shimon. Eles simplesmente não podiam descrevê-lo como ele.

Isto é, na Cabalá existem muitas dessas condições: você pode ser ótimo, um gênio espiritual, mas não pode descrever nada, simplesmente não tem a capacidade.

Mas Baal HaSulam tinha essas duas qualidades. É incrível! Em toda a história da Cabalá, praticamente não houve um Cabalista com tal habilidade.

Moisés foi o maior Cabalista, e os Cinco Livros escritos por ele estão escritos de tal maneira e em tal linguagem que todos podem interpretá-los da maneira que quiserem.

E o que o Ari escreveu no seu trabalho, A Árvore da Vida, não pode ser entendido; aqui, é necessária uma clara conquista do mundo espiritual para a pessoa inclusive começar a entender o que ele está falando. Nesse livro, dados puramente físicos são apresentados, assim como em qualquer livro de física.

Por isso, quando o Ari começou a ensinar, o único que conseguia apreciá-lo era um grande Cabalista de seu próprio tempo, o Ramak. Ele também enviou todos os outros alunos para o Ari, enfatizando que esse material era algo novo. Mas nem eles, nem ele, conseguiram entender o sistema do Ari, nem mesmo até o dia em que morreu. E isso ocorre porque o Ramak pertencia à geração anterior de almas, aquelas que vieram a este mundo antes do Ari.

É por isso que Baal HaSulam diz abertamente: “Tudo o que eu consegui, eu consegui seguindo a alma do Ari encarnando em mim”, em outras palavras, ele era a próxima encarnação do Ari. O que se entende aqui não é o corpo físico, uma vez que ele não existe e nem o nosso mundo. O único que existe é o desejo quebrado e disperso em um enorme espaço egoísta.

Nesse espaço há gotas, como passas em um bolo que tem inclinações para a unidade, para a adesão ao Criador. Mas nós não sentimos essas inclinações porque existimos em um oceano de egoísmo, nos sentamos nessa massa, é por isso que nem sentimos o nosso ego. Cada “passinha”, cada ponto do coração, sofre todos os tipos de correções.

Baal HaSulam passou a ser o resultado dessa mesma “passinha”, que foi o Ari, a mesma alma que era o Ari, que continuou seu trabalho. Isso é chamado de “encarnação”. Em outras palavras, essa não é uma alma separada, mas essa mesma alma continua seu trabalho, apenas sob diferentes condições, em uma geração diferente.

E o que significa “geração”? Não é o que acontece conosco em nosso mundo. Quando muitos pontos no coração, embriões de uma alma, mesmo que eles estejam mudando constantemente, enquanto ainda existem em um tipo de conexão errada entre si, eles se imaginam ostensivamente experimentando nosso mundo.

É por isso que é muito importante que pensemos não neste mundo, apresentando-se através de nossos cinco sistemas sensoriais de animais, mas sim no que está acontecendo através do ponto no coração.

Pergunta: Quando uma alma reencarna, a individualidade é preservada?

Resposta: A alma envolve várias condições externas. O Ari trouxe para o nosso mundo a Árvore da Vida. Na próxima vez que o mesmo Ari veio, ele se chamou Baal HaSulam e trouxe às nossas vidas o Talmud Eser Sefirot.

Pergunta: Em outras palavras, ele possuía o mesmo nível espiritual de realização do Ari?

Resposta: Ainda maior.

Da Lição em Russo, 16/10/16

Comente