A Descoberta De Abraão

laitman_740.01O Criador é a qualidade de doação e amor. Ele é absoluto. Somente assim Ele se manifesta para nós. Para ser revelado às Suas criaturas e torná-las semelhantes a Ele, Ele as criou opostas à Sua natureza, como está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal”.

No entanto, embora Ele tenha nos criado como criaturas malignas que se tornam cada vez mais egoístas todos os dias, ao mesmo tempo nos deu um instrumento para a correção. O único problema é que tudo isso acontece gradualmente de acordo com as leis da natureza.

A natureza se desenvolve de acordo com as leis dos organismos inanimados, vegetativos, animados e humanos. De acordo com a sabedoria da Cabalá, uma pessoa difere de um animal não por andar em duas pernas com a cabeça elevada (afinal, um avestruz também caminha em duas pernas) e não pela capacidade de pensar. Ela tem a aspiração para o propósito da vida que a distingue dos animais.

Esse é o claro desejo de conhecer o propósito da vida, a questão sobre o seu sentido: “Por que e para que eu vivo? O que é definido na natureza como o propósito da minha criação e existência?” Essas questões realmente preocupam algumas pessoas. No entanto, enquanto fazem essas perguntas, elas não sabem como respondê-las.

A primeira pessoa que tentou responder a essa pergunta 5777 anos atrás foi um homem chamado Adão, que através de seus pensamentos, sentimentos, aspirações internas e profundo escrutínio penetrou os segredos do universo e escreveu um pequeno livro sobre isso chamado O Anjo Secreto, que sobreviveu até a nossa época.

Graças a essa descoberta e trabalho em si mesmo, ele começou a usar corretamente as forças da natureza para seu desenvolvimento e foi chamado de Adão. “Adão” da palavra “Dome” (como) o Criador.

Muitas pessoas em diferentes gerações depois de Adão usaram seu método. Ele passou por 20 gerações de seus discípulos e chegou a Abraão, que morava na antiga Babilônia e, em princípio, era um pregador da abordagem não tão correta da natureza. Ele acreditava que a espiritualidade é dividida em muitos deuses que devem ser adorados.

No entanto, mais tarde, ele descobriu que todas essas muitas forças opostas da natureza que atuam de forma independente e até mesmo algumas interações positivas e negativas entre elas, como vários deuses gregos antigos, de fato, vêm de uma única mente e força.

Nós devemos explorar, revelar e abordar essa mente, e assim a pessoa saberá e entenderá qual é o sentido da vida. Abraão acreditava que, de outra forma, todos os séculos que se passaram desde Adão eram inúteis e indignos de nota.

Em princípio, nós exploramos as diferentes forças que realmente existem. No entanto, elas têm uma base comum (fonte) e é necessário revelá-la. Foi o que Abraão fez.

Ele descobriu a força unificada da natureza acima de suas outras forças díspares, que naquele tempo todas as pessoas adoravam, incluindo ele mesmo até descobrir essa única força.

Quando a explorou, ele descobriu que ela é totalmente boa e unificada. Isto é exatamente o que Abraão começou a explicar aos babilônios.

Parece-nos que não existe diferença entre politeísmo e monoteísmo. No entanto, monoteísmo significa não adorar uma força, mas se tornar semelhante a ela. O fato é que, quando uma pessoa, no cumprimento de seu destino, se esforça para se tornar como ela, ao mesmo tempo, muda a si mesma, seu comportamento, sua visão da vida e constrói as relações sociais de acordo.

Ao mudar a si mesma, ela muda o mundo, a sociedade e sua família. Ela cria tudo de acordo com um único padrão que recebe de cima, alcançando, explicando, abraçando e explorando a força superior.

Em princípio, isso é o que Abraão fez. Ele tentou explicar tudo a seus alunos e eles seguiram seu caminho. Assim, um grupo de pessoas foi organizado chamado povo de Israel, da palavra “Isra-El” (Isra: direto, El: o Criador), que estava direcionado ao Criador. Em outras palavras, esse é um grupo que é direcionado à exploração da força boa e unificada, o Criador.

Da Lição de Cabalá em Russo 04/06/17

Comente